Anabela Chipenda, O Mutilado


O MUTILADO !!!

Eu não consigo abrir os olhos, apesar de ouvir alguém chamar o meu nome !

Apesar de fazer tanto esforço é-me impossível coordenar os meus movimentos tenho a impressão de que os meus músculos não me obedecem!

Tudo em mim está descoordenado, os meus olhos os meus braços as minhas pernas.

Não consigo mesmo nem pensar, não sei o que se passou comigo!

Não sei onde estou, nem por que razão aqui está, esta dor de cabeça tremenda, não me deixa pensar direito, e vozes que eu ouço de quem são!

O que é que aconteceu ou está acontecendo.

Há quanto tempo é que estou aqui? Não sei como é que eu ca vim parar, nada, não me recordo de nada! É como se estivesse a enlouquecer!

Alguém esta chamando o meu nome e eu não consigo responder, por mais esforço que faça, nada, a minha garganta esta seca e a língua não me obedece!

A voz que no princípio chamava por mim se aproximava cada vez mais!

De quem é esta mão fria que me esta tocando, Tenho de acordar porque senão este pesadelo ainda me mata! Depois de muitas tentativas, notei que eu conseguia mover os meus olhos mesmo antes de os abrir, mas o medo é tremendo de abri-los, pois agora tenho a certeza de que não estou sonhando isso tudo parece ser real!

Eu não quero ver em que lugar me encontra. Apesar de ter dificuldade de orientação, tenho também medo de enfrentar a realidade!

De novo sinto a mão no meu ombro e ouço a voz chamando pelo meu nome! João! João! Acorda, dizia a voz suave que por mim chamava; acorda João! Tu tens visitas!

Visitas? Porque é que vem alguém visitar-me, penso neste momento!

Estou indignado e agora esta de alguém me vista!

De onde é que esta pessoa conhece! Agora estou mesmo certo de que não estou sonhando, pois eu senti muito bem a mão de alguém passar pela minha testa!

João Acorda! Seja o que Deus quiser eu tenho de abrir os olhos, pelo menos para saber onde me encontro! Devagarinho abri primeiro um olho a seguir abri o outro; não conseguia ver quase nada porque a claridade era demais para mim!

Não sei quanto tempo é que dormi também não sei como é que cá vim parar.

Com o tempo tudo foi ficando mais nítido, no princípio tudo estava fusco, mas agora já consigo ver quase tudo, foi assim que reparei na pessoa que chamava por mim! Era uma enfermeira, uma moça muito linda, apesar da fraqueza, não me passou despercebida a sua beleza! Tentei sorrir mas logo senti uma dor imensa que vinha da minha perna direita!

A enfermeira puxou uma cadeira e sentou-se a meu lado! Ela tinha um olhar cheio de ternura mas também notei um pouco de tristeza no seu olhar!

Fiquei assim um tempo a fitá-la até que resolvi falar com ela!

Lutando contra a dor e a secura que eu senti na garganta!

Bom dia!

A senhora pode dizer-me onde estou?

Desculpe senhor João, eu sou a enfermeira Isabel; o doutor mandou-me ficar aqui ate o senhor João acordar!

Então quer dizer que eu estou em um hospital,

Sim senhor João, o senhor está em um hospital, hospital militar!

Mas porque é que estou aqui e há quanto tempo é que estou aqui?

O senhor João esta aqui há cerca de três dias!

Três dias? Como assim? Porque é que eu não sei de nada, será que dormi três dias seguidos!

Sim e não, O senhor João estava em coma!

Em coma? Como assim? E porquê?

O senhor teve um acidente grave, por isso é que se encontra no hospital militar!

Que tipo de acidente é que eu tive, e onde estão os outros camaradas que comigo viajavam?

O carro que trazia o senhor João e os outros colegas; rebentou uma mina!

Uma mina? Como assim? Onde é que estão os outros colegas meus?

Bem senhor João, o resto o senhor doutor vai explicar, desculpe, eu vou chamar o doutor para conversar consigo!

Porque é que tem de ser o senhor doutor a explicar-me o que aconteceu dona Isabel?!

Não quero que a senhora saia daqui antes de explicar o que aconteceu e porque é que estou com tanta dor na perna.

Senhor João, não demora nada, eu vou chamar o senhor doutor ele vem já,  sem demora!

Não dona Isabel por favor não vá, eu não quero falar com mais ninguém, eu quero que a senhora me explique tudo o que aconteceu! Ou a senhora própria faz isso ou eu vou abandonar este hospital agora mesmo!

Não faça isso senhor João, tenha calma! Sinto muito mesmo não posso dizer-lhe, mas são ordens do senhor doutor, para além de mais, os seus ferimentos não lhe permitiriam sair da cama. O senhor teve de levar muitos pontos, por isso qualquer esforço que o senhor tentar fazer irá apenas prejudicá-lo! Agora acalme-se senhor João e espere por mim até voltar com o senhor doutor .

Sim senhor João, mas por favor não saia da cama, eu já volto, só vou chamar o senhor doutor!

A dona Isabel quer com isso dizer que eu não posso abandonar a cama nem para ir ao banheiro?

Sim senhor João! Nem para ir ao banheiro!

Dona Isabel, a senhora sabe que idade é que eu tenho?

Sim! O senhor João tem vinte e dois anos!

Por favor não abandone a cama, são ordens do senhor doutor! Eu já volto, não demora nada!

Esta bem dona Isabel, eu não abandonarei a cama, nem para ir ao banheiro!

Como militar não me é difícil cumprir ordens, pois a vida de um soldado é cumprir ordens sem reclamar, não importa se a pessoa está de acordo ou não! Ordens são ordens!

Também seria um desastre se houvesse anarquia na Tropa! Para se defender uma pátria tem de haver obediência, disciplina e lealdade!

Assim continuei deitado na cama conforme a enfermeira Isabel ordenou, ou melhor pediu!

Enquanto esperava pelo senhor doutor, comecei a observar melhor o lugar onde eu me encontrava! Era um quarto muito pequeno, uma espécie de isolamento; pois em geral nos hospitais os doentes nunca ficam sós nos quartos! São sempre pelo menos quatro pacientes em um quarto, bem o quarto também não é grande!

Porque é que estou isolado? Será que tenho alguma doença contagiosa?

Não entendo nada! Tantas perguntas na minha mente, tudo me parece confuso, esperamos que o doutor não tarde a vir pois apesar da confusão na minha mente a dor na perna direita não pára! Será que esta partida, mas a enfermeira disse que eu levei pontos, devo ter tido uma fractura aberta! Mas porque é que não lembro de nada!  

Neste momento abriu-se a porta do quarto e vi entrar um senhor de meia-idade vestido de branco! Parecia-se muito com um dos meus actores preferidos da novela que estava a correr na televisão! O doutor tinha também muita barba como o Actor da televisão!

No nosso quartel tínhamos permissão de assistir à televisão!

Afinal a guerra praticamente já tinha terminado, por isso ate nos finais de semana iam a casa! Não se ouviam mas tiroteios nem nada!

Sorridente dirigiu-se a mim e com um aperto de mão muito forte, saudou-me!

Bom dia senhor João! Então como se sente?

Eu estou bem senhor doutor! Sinto uma dor na perna direita, mas o resto está bem!

Outra coisa senhor doutor, é que não me lembro de como cá vim parar

Senhor João eu vou explicar-lhe o que aconteceu, mas o senhor tem de ser forte.

O Carro que trazia o senhor mais os seus camaradas accionou uma mina antitanque!

O senhor sofreu um choque muito grande por isso não se lembra de nada!

A dona Isabel disse-me que já ca estou há três dias, o resto não sei!

Também não sei porque é que tenho dores, não sei onde estão os meus colegas e não sei porque dormi tanto tempo senhor doutor!

Bem senhor João, o senhor vai ter que ser forte para ouvir o que tenho a dizer-lhe!

Assim o doutor puxou uma cadeira e sentou – se de modo a poder fitar-me nos olhos!

Senhor João! Disse ele: Senhor João, eu sinto muito pelos ferimentos que você teve! Mas também devo dizer que o senhor teve muita sorte de ter sobrevivido ao rebentamento da mina!

Sim senhor doutor, a dona Isabel disse que o carro onde eu me encontrava accionou uma mina! Mas senhor doutor, eu não me encontrava sozinho no carro! Nós eramos pelo menos oito soldados e o meu chefe!

Sim senhor João isso é do nosso conhecimento, lamento imenso ter de lhe dizer que tirando o senhor João e o seu chefe; não sobreviveu mas ninguém!

O grande silêncio se fez sentir no meu quarto, até as moscas que durante todo tempo faziam confusão pararam de fazer barulho, tudo parecia girar e devagar os meus olhos começaram a fechar-se, eu não queria ouvir mais nada!

Os meus camaradas todos mortos! Não, não pode ser! Nós estávamos a caminho em direcção ao Huambo, todos estavam de bom humor, cada um fazia planos para o final de semana!

Como a situação politica militar estava bem, não havia razão de não podemos ir para a discoteca, nós fizemos durante uma semana patrulha nos arredores da cidade e não encontramos rasto do inimigo! Com isso o nosso Chefe que era bem fixe resolveu conceder-nos um final de semana livre!

Agora estou aqui e ouço dizer que os meus camaradas todos morreram!

Apesar de ter sobrevivido, não consigo sentir alegria! Porque é que não continuamos na patrulha, talvez não tivéssemos accionado a mina!

Senhor doutor! Onde é que esta o meu chefe?

Posso ir ter com ele?

Senhor João, o seu chefe também está aqui no hospital mas ele se encontra num estado de saúde muito crítico!

Como assim senhor doutor?

Senhor João, eu vim cá em primeiro lugar para conversar consigo acerca dos seus ferimentos!

O senhor sobreviveu, mas teve de pagar um preço muito grande senhor João!

Como assim senhor doutor, que preço? Eu penso que os serviços de saúde são gratuitos!

Senhor o preço a que me refiro não é um preço material!

Senhor doutor agora não entendo nada! Que preço é que eu tive de pagar por ter sobrevivido!

Senhor João, se me permite, eu vou tirar o lençol que está a cobrir as suas pernas!

Devagar senhor doutor, devagar! De repente o meu coração começou a palpitar muito rápido, quase que  não conseguia respirar direito!

O doutor tirou o lençol que me cobria, e ficou parado sem dizer nada, mas sempre ficando os meus olhos!

Eu levantei um pouco a minha cabeça e olhei para as minhas pernas, sim pernas, só que apenas estava agora no singular! As pernas já não existiam, as pernas viraram ou virou PERNA!

Comecei a gritar e quis mesmo saltar da cama, não, não, por favor, tudo menos isso!

Porque é que não me deixaram também morrer com os outros camaradas! Eu não quero ter só uma perna. Senhor doutor o senhor é um Bruxo, eu quero a minha perna de volta! Porque é que vocês cortaram a minha perna!

Eu quis segurar o doutor e dar-lhe uns socos, mas ele se tinha afastado da minha cama quando viu que eu estava enfurecido! Comecei a jogar tudo fora, a almofada, os lençóis, até a minha camisa eu despi e joguei em direção ao doutor!

Bruxo, vocês são todos bruxos, quero a minha perna de volta!

Ai meu deus! Ai minha mãe! Ai meu pai! Minha Nossa Senhora! Ajudem-me!

Ai! Ai! Eu quero estar morto, deixem-me morrer!

Senhor doutor traga a minha arma, por favor me deixa morrer só doutor!

O doutor entrou em pânico e começou a chamar pela enfermeira! Dona Isabel, Dona Isabel, venha rápido! Traga uma injecção sedativa! O senhor João tem de descansar, rápido dona Isabel! A enfermeira chegou com uma injecção já preparada e entregou ao doutor!

Quando vi a enfermeira com aquela injeção já preparada aumentou a minha a raiva, ódio, tudo de mau que eu podia sentir, senti naquele momento! Ela estava tão assustada que não conseguia fitar-me nos olhos!

Foi quando eu disse para ela, tu também és uma Bruxa! Ajudaste o doutor a cortar a minha perna, desaparece daqui sua bruxa e leva o teu bruxo!

O doutor saiu do quarto mas de seguida voltou com dois enfermeiros, dois homens bem robustos! Os dois seguraram – me com tanta força.

Os meus gritos e insultos pioraram! O doutor pegou na injeção que estava na mão da dona Isabela e injectou-me na veia do braço!

A reação do medicamento não se fez esperar muito!

Comecei a ver tudo fusco e depois caí num sono profundo!

Não sei quanto tempo é que dormi, a injeção foi mesmo forte! Eu estava sozinho no quarto e os meus braços estavam presos à cama. Com uma espécie de algemas!

Despertei por causa do calor que sentia, estava todo suado e o pior de tudo é que eu não podia limpar o suor que me corria no rosto, como as minhas mãos estavam algemadas, para minha segurança própria!

Outra coisa que me fez sair do sono foi a vontade de urinar que eu sentia! A minha bexiga estava quase a rebentar!

Foi assim que comecei a chamar pela enfermeira.

Dona Isabel! Dona Isabel, por favor venha! Sorte minha, a porta do meu quarto ter ficado aberta! Venha rápido por favor!

Eu já não conseguia apertar a urina!

Alívio grande quando vi a enfermeira entrar, mas para o meu espanto não era a dona Isabel!

A enfermeira entrou, era uma senhora de meia-idade, devia ser da idade da minha mãe, eu fiquei sem saber o que dizer!

Ela aproximou-se de mim com um sorriso, e disse:

Bom dia menino João! Então, já está mais calmo?

Ainda sem saber o que dizer continuei a olhar para a senhora que acabava de entrar, até a vontade de urinar diminuiu!

Desculpe senhora enfermeira, mas eu chamei pela dona Isabel!

Sim, eu sei menino João, mas o turno da dona Isabel já terminou, ela entra amanha cedo de novo! Eu sou a dona Maria, mas você pode chamar-me de tia se o menino quiser! Bem eu estou aqui porque o menino chamou por alguém; precisa de ajuda?

Sim tia Maria! Eu gostaria de fazer chichi! Pode ajudar-me a ir ate ao banheiro, por favor? Já não consigo apertar mais!

Claro que sim, mas o menino vai continuar na cama, eu vou ajudá-lo a fazer no bacio!

Como assim tia Maria?

O menino não pode sair da cama, vai ter de fazer no bacio e eu vou ajudá-lo!

Mas como assim Tia Maria! Eu não posso fazer chichi no bacio, eu sou uma pessoa adulta!

E, como tal, não vou fazer de jeito algum no bacio, prefiro morrer!

Eu sei menino João, mas o menino sabe que de momento ainda não pode abandonar a cama, pois o menino está muito fraco e os pontos podem rebentar!

Porquê é que a tia Maria não é direta e diz que eu não posso ir ao banheiro porque sou mutilado, vem com esta história de eu estar fraco, eu não estou fraco, eu estou mutilado!

MUTILADO!

A tia quer que eu faça chichi no bacio; pois saiba que eu prefiro morrer, mas chichi no bacio, nunca na vida, estão agora dar uma de bebe!

Menino João, eu sei que o menino este a passar por uma situação muito dura! Pois não é fácil perder uma perna, mas saiba menino João que o menino não é o primeiro nem o último soldado que ficou sem perna! São dezenas e dezenas de soldados que estão Mutilados.

O menino teve sorte de não ter morrido, os seus camaradas não tiveram tanta sorte, agora o menino diz que prefere morrer do que fazer chichi no bacio!

Eu trabalho neste hospital há mais de vinte anos e as coisas que eu já vi, o menino nem sonha! Agora se me desculpa menino eu vou ajudá-lo a levantar a bunda para que o menino possa urinar no bacio, se o menino ficar quieto será melhor, assim não pinga de lado!

Tia Maria por favor! Comecei a chorar e a implorar!

Por favor então sai só do quarto que eu próprio vou fazer chichi sozinho! Eu tentei parar de chorar, mas quanto mais esforço eu fazia para parar, pior era o choro!

Chora meu filho! Isso faz bem! Deixe que a tia o ajude!

Só agora é que dei conta que eu nem uma cueca trazia, eu tinha apenas uma espécie de bata!

A tia Maria levantou um pouco o meu rabo e enfiou o bacio!

Eu não parava de chorar, parecia mesmo um bebe!

Quando terminei de fazer chichi ela tirou o bacio e passou-me a sua mão pela cabeça e sem dizer nada abandonou o meu quarto levando consigo a minha urina!

Que sorte que a dona Isabel já saiu, pois se ela é que tivesse vindo com o bacio eu não teria feito chichi de jeito algum!

A dona Isabel é quase da minha idade, e eu não ia deixar que ela visse as minhas coisas!

Eu ainda não tinha começado a analisar a minha situação de mutilado, as vezes tinha a sensação de estar preso em um pesadelo e esperava que despertasse do sonho ou que pelo menos que alguém me acordasse!

Infelizmente era tudo real! A Estou cheio de sede, mas se eu beber agora significa que mais tarde terá de fazer chichi de novo!
Não eu não vou beber mais nada, até que eu próprio possa ir ao banheiro! Apesar de não querer pensar nas muletas não via uma outra forma de poder ir ao banheiro senão com as muletas! Eu de muletas, quem diria! Para sempre de muletas!  

De repente entrou a Tia Maria de novo no quarto e olhou muito séria para mim!

Menino João, temos um problema!

Como assim tia Maria! O que é que se passa?

A urina do menino não esta em condições, o menino tem poucos líquidos no corpo, o soro já não é suficiente para cobrir tudo! O menino tem de beber mais líquidos!

Venho agora do laboratório e o senhor doutor mandou-me de novo cá para que eu desse de beber ao menino João! 

Mas tia Maria, se eu beber terei que fazer chichi com mais frequência; eu não quero mais ser humilhado, tia!

O menino é tolo ou quê? Qual humilhação! O menino pensa que eu não tenho filhos!

Uma coisa é certa, se o menino não tomar líquidos suficientes, os seus rins irão adoecer, o menino já perdeu uma perna, quer também perder os seus rins?

Menino João, é mais fácil viver sem perna do que viver com rins doentes!

Não acho isso tio Maria, eu nunca vi ninguém infeliz por ter os rins doentes!

Pode ter razão menino, o menino não vê muitos doentes com problemas dos rins porque isso é um mal que mata muito rápido! Esta é razão pela qual o menino não vê doentes com insuficiência renal!

A tia está a contar estas coisas para me assustar!

Tia Maria me deixa só em paz, eu não estou com paciência de ouvir e nem de conversar com ninguém, por favor saia do meu quarto!

Primeiro a tia Maria me fez urinar no bacio, agora quer que eu beba mais líquido, qual é a lógica disso! Eu juro por Deus que foi a primeira e a última vez que fiz chichi no bacio.

Bem o menino pode dizer o que quiser, é seu direito! Mas eu também tenho os meus deveres!

Queira ou não você terá de tomar mais líquidos.

Eu volto daqui a trinta minutos e a garrafa de água que aqui esta será controlada de meia em meia hora!

Esta senhora é mesmo irritante, por isso decidi apenas dizer que sim, só para ela me deixar em paz, eu não queria que ela permanecesse nem mais um minuto no meu quarto!

Tia Maria não se preocupe e não precisa vir cá de meia em meia hora, eu não sou criança fique descansada! Eu farei o que a tia ordenou.

Muito bem, menino João! Outra coisa, durante o tempo que o menino esteve em coma, tive o prazer de conhecer a sua mãe, ela esteve durante este tempo sempre aqui, só hoje é que voltou a casa para ver como vão os seus irmãos, ela disse que voltaria ainda hoje!

Ela já cá esteve, só que chegou na altura em que o menino teve aquela crise de nervos! Ela está feliz pelo menino ter saído do coma, mas também esta preocupada com o seu estado espiritual! O senhor doutor mandou a sua mãe de volta para casa, os seus irmãos também estavam presentes, é uma pena mesmo! Os coitaditos ficaram todos assustados por causa dos gritos do menino! A sua mãe saiu daqui com os olhos cheios de lágrimas!

Todos nós achámos bem mandá-los de volta para casa e que eles voltem amanhã!

Sinto muito por tudo isso menino João, mas tenho a certeza de que amanhã tudo vai correr melhor! Eles voltam amanhã de novo para visitá-los.

Comecei a sentir quentura nos olhos, as lágrimas corriam-me pelo rosto!

Pensei nos meus irmãos e na minha mãe, que desgosto é que eu estou a causar à minha família, primeiro era um indisciplinado, kazukuteiro e agora um mutilado quase maluco!

A enfermeira saiu e eu fui invadido por uma grande tristeza! São tantos sentimentos novos que apenas agora me deparo com eles, o que é que se passa comigo? Porque é que estou tão angustiado? Até aqui ainda não tive coragem de olhar para a perna mutilada, nem sequer sei o quanto eles amputaram, confesso que não o faço por causa do medo Não sei se a minha perna ficou despedaçada na estrada ou se foi amputada cá; nada, não sei nada!

Não terei coragem de perguntar nunca por isso, pois é demais o medo que me acerca!

Sempre fui uma pessoa muito curiosa, mas agora sei que a curiosidade só é grande na ausência do medo, quem sente medo não tem curiosidade!

Para quê querer saber, a perna basou e a verdade não me ajudará em nada.

O que me preocupa agora é este mambo de urinar no bacio.

Tenho de evitar a todo custo que a enfermeira Isabel tenha de me ajudar para urinar.

Com a tia Maria já foi difícil, apesar de ela ser quase da idade da minha mãe. A dona Isabel é quase da minha idade, sinceramente eu sinto vergonha dela!

Esse mambo é bem malaico, uma pessoa que bem podia ser minha namorada, agora ela vai querer me ajudar a urinar no bacio, nem morto!

Eu vou evitar a todo custo tomar algo quando ela estiver cá.

Assim evito fazer chichi na presença dela!

Depois de ter feito os meus planos mentais de como evitar fazer chichi na presença da enfermeira Isabel, vi a tia Maria entrar no meu quarto com um prato cheio de comida!

Acho que havia peixe, pelo cheiro deve ser peixe frito!

Ela colocou a comida num tabuleiro que em seguida pousou na minha cama!

O peixe estava com bom aspecto, mas o arroz estava com uma aparência horrível! O arroz cozeu demais e estava muito pegado parecia mesmo fungi!

A tia Maria, como sempre bem-humorada, desejou-me um bom apetite e abandonou o quarto desejando-me um bom apetite!

Até amanha menino João!

Depois da tia maria ter saído comecei a beliscar o meu jantar, apesar de não ter muita fome, comi o peixe todinho! Eu sempre fui um guloso,

Quando a minha mãe cozinhasse frango eu roía até os ossos; não deixava nada!

No arroz não toquei porque para além de ter mau aspecto também não tinha sal! O peixe estava com sal a mais, mas mesmo assim estava gostoso! Depois de saborear o peixe todo, comecei a sentir muita sede, assim aproveito para beber agora bastante água, amanhã quando a dona Isabel tiver o seu turno, não tocarei em gota nenhuma da água!

De jeito algum vou deixar que ela me ajude a urinar no bacio.

A noite me pareceu muito curta, talvez por causa da ansiedade de ver a minha mãe e os meus irmãos! Também estava ansioso em voltar a ver a dona Isabel! Ela é uma pessoa muito simpática, se eu a tivesse conhecido noutras circunstâncias talvez lhe tivesse mesmo pedido namoro! Mas assim, sem perna, ate parece ofensa pedir namoro numa dama como a dona Isabel, ela iria mesmo pensar que eu estava a perder o juízo definitivamente.

Isso de pedir namoro é coisa do passado, porque quem é a dama que vai querer namorar com um mutilado, primeiro é que ela mesmo nem vai aceitar e, se ela aceitasse, de certeza que a família seria contra; e se a família aceitasse as amigas se iriam rir ou mesmo quem sabe, cortar a amizade! Agora mesmo namorar só se for com as damas ancoradas, conforme as pessoas chamam às mulheres que não casam até aos trinta, se não houver outra solução para mim, terei mesmo que ficar com uma titia, paciência, em todo caso é melhor do que ficar sem mulher para o resto da minha vida! Não acho o nome de ancorada bonito, mas não fui eu que inventou isso! Não acredito que eu próprio já gozei com deficientes físicos, lembro-me tão bem como é que eu e os meus cambos depois das aulas íamos de propósito gozar com os mutilados! Nós gritávamos MUTILA , perna de PAU , MUTILA ……!

Hoje em dia sinto vergonha pelo meu comportamento infantil, mesmo que naquela altura eu fosse criança, não tinha o direito de abusar assim dos outros, pois eu sabia muito bem que eles não gostavam deste nome de MUTILA!

É triste saber como é que as crianças às vezes conseguem com palavras feias ferir a alma de alguém. Mas eu juro por tudo que se um dia tiver a sorte de ter uma mulher que me dê filhos, hei-me educar os meus de forma a respeitar mais os outros e que nunca venham a gozar com alguém por ser mutilado ou por ter um outro defeito físico ou mental!

Agora sou eu, sou eu que também faço parte de grupo de gente que sem querer perdeu um membro do seu corpo! Agora que eu também estou mutilado, penso no tempo passado em que eu era um curtido, talvez mesmo o mais curtido da banda. Não é querer gabar-me, mas sempre fui o mais curtido, tanto faz na escola como também nas discotecas!

Agora sou um inválido físico, sem perspetiva nenhuma, sem sonhos, sem futuro e o presente está difícil de aceitar!

Assim sem perna, nada faz sentido, nada me interessa, o meu valor como ser humano também foi-me amputado juntamente com a minha perna.

Sou agora uma pessoa inválida, aleijado! Que desgraça, se eu fosse assim de nascença talvez não me custasse tanto! Quem nasce aleijado acho que não sofre muito porque não conhece outra coisa, desde de pequeno ele vai se acostumando ao seu estado físico, o meu caso é diferente. Eu acordei aqui neste hospital e ao despertar vi que me faltava uma perna!

Penso que qualquer ser humano teria reagido de uma forma colérica.

Ainda bem que os meus braços não foram amputados, assim serei capaz de concretizar o meu suicídio, sem perna a minha vida não tem sentido.

Eu vou fazer tudo o que for necessário para que não saia deste hospital vivo. Assim não darei o prazer a ninguém de gozar comigo! Tenho de fazer algo para dar fim à minha vida!

Essa é a última honra que me vou prestar, morrer! Afinal de contas já existem tantos mutilados pelas ruas, o mundo não necessita de mais um sem perna!

Assim que receber muletas, sairei deste quarto para resolver o meu problema!

Engraçado que o meu problema agora é de estar vivo, mas isso se resolve com facilidade, ainda mais num país como Angola onde quase todo mundo possui uma arma de fogo, até uma pistola já me iria facilitar! Como se diz: Para morrer basta estar vivo! Se não conseguir uma arma vou armazenar os medicamentos que a enfermeira me da quando não consigo dormir, basta fingir alguns dias! Vou fingir que não consigo dormir e no final de uma semana terei o suficiente para me matar! Se alguém me trouxesse uma garrafa de caporroto, seria tudo seria rápido, morrer não custa mesmo! Existem muitas maneiras de se morrer, mas só uma de se viver e esta forma de viver já não me interessa, quem quiser viver sem perna que viva, mas eu não o vou fazer.

Somente um estúpido é que é capaz de ainda ter vontade de viver sem perna.

Aos poucos comecei a sentir cansaço, não sabia que pensar também provoca cansaço!

Com este pensamento de suicídio, consegui adormecer, pois por mais absurdo que pareça, agora tinha uma perspectiva, já não me sentia tão inútil! Eu posso decidir sobre o meu futuro e o meu futuro é a sepultura. O meu futuro agora já começou.

 Agora me sinto ate aliviado só de saber que me iria suicidar o mais cedo possível, eu sei que uma semana não custa nada a passar, dormir seis vezes e depois terei a quantidade suficiente de remedio para morrer! Remédio para morrer que ironia do destino.

Normalmente os medicamentos servem para curar ou remediar, mas eu vou usar o remédio para morrer, os doutores e os enfermeiros podem remediar os outros mutilados, mas eu vou bazar deste mundo, não sei se é o mundo que já não me aceita ou eu é que não me aceito.

Não importa quem é que não aceita o outro o importante agora é morrer, o resto pode esperar! Nunca soube entender porque é que algumas pessoas se matam, mas agora entendo muito bem os suicidas! Existem várias causas que levam um indivíduo a suicidar-se e ninguém pode condenar ninguém por se ter suicidado, afinal cada um de nós tem uma forma própria de superar, aceitar ou lidar com os seus problemas.

Antigamente pensava que matar-se fosse algo de gente fraca, de cobardes, hoje sou eu a ver a morte como solução dos meus problemas, vejo a morte como uma solução!

Se alguém tentar impedir-me, terá de morrer comigo porque eu estou decidido!

 Logicamente ninguém saberá do meu plano.

O suicídio será a minha liberdade, o meu alívio, a solução de todos os problemas!

Morrer tem agora para mim um novo sentido, morrer é para mim controlar a minha vida !

Este pensamento me causou uma sensação de paz!

Assim que adormeci comecei a sentir uma inquietude de espírito!

Não sei porque comecei a sonhar coisas muito esquisitas, acordei um pouco assustado, mas tornei a adormecer e foi assim que o meu pai apareceu em meu sonho!

Era raro sonhar com ele, o meu pai faleceu há já alguns de anos de tuberculose!

Foi uma fase muito difícil na minha vida! Mesmo assim não é pior que esta situação em que me encontro agora. Foi difícil, mas naquela altura não pensei nunca em morrer, afinal eu tinha a minha mãe e os meus irmãos, eu tinha os meus kambas e até uma namorada eu tinha naquela altura posso dizer que eu tinha o mundo aos meus pés, mesmo sem pai, como já disse, eu era o mais curtido da zona!

Agora a situação é diferente, eu estou sozinho e mesmo até a minha perna também me abandonou, se a minha perna não quer eu também me renego!

 Naquela altura pensei que não houvesse coisa pior, agora eu sei que aquilo foi apenas o começo do meu sofrimento!

Como disse, sonhei com o meu falecido pai, no sonho ele estava muito furioso comigo até gritava comigo! Eu tentava segurar a mão dele, mas ele não deixa e ate chegou a dar-me uma chapada, achei este comportamento dele muito estranho, pois meu pai nunca bateu em nós nem na minha mãe. Existem pais que batem bué nos filhos causando mesmo ferimento; também há pais que batem nas mulheres, quando o meu pai ouvisse relatos sobre homens agressivos ele ficava bem furioso.

Uma vez lembro-me de que o meu pai que bateu no nosso vizinho, este vizinho tinha dado uma surra à filha, uma miúda de quinze anos, e ela ficou sem os dois dentes da frente!

Ela fugiu para o nosso quintal e o meu pai estava na altura a tomar o matabicho quando viu a miúda a sagrar da boca! Quando ela contou o que tinha acontecido, o meu pai saiu da cozinha como se fosse um louco e foi para casa do nosso vizinho!

Nós fomos atrás dele porque estávamos cheios de medo, a minha mãe tentou segurar o meu pai, mas ele não se deixou reter pela minha mãe e foi direitinho para a casa do vizinho, foi assim que ele entrou sem pedir licença, o nosso vizinho que também era um homem que coze com pouca água, começou logo a brigar com o meu pai, foi uma briga tremenda!

O vizinho tentou empurrar o meu pai e disse-lhe para não se meter na vida dele e pediu ao meu pai que saísse imediamente da sua casa porque senão se responsabilizaria por mais nada. O meu pai não se deixou intimidar por ele e agarrou o vizinho pelo colarinho.

O meu pai deu um soco tão forte no rosto do vizinho que até ele perdeu o equilíbrio e caiu de costas contra o fogão, a sorte é que o fogão não estava aceso.

O vizinho bem tonto e envergonhado saiu da cozinha e fechou-se no quarto de banho.

No dia seguinte quando me cruzei com ele estava com olho bem inflamado.

Assim que ele me viu, mudou de caminho.

Este foi o único dia em que vi meu pai bater alguém, mas sinceramente aquele kota mereceu o soco que o meu pai lhe deu do olho! Onde é que já se viu bater assim na própria filha a ponto dela perder os dentes, coitada da moça agora anda com uns camapunhos .

Agora no meu sonho ele bateu-me também com tanta força que por um instante a minha respiração parou, porquê é que ele se tornou agressivo, eu não fiz nada de mal!

Mesmo depois da chapada, eu continuei a chamar por ele e coxeando fui atras dele.

Pai, pai por favor espera por mim, Pai não me deixe sozinho, ele acelerou o passo para que eu não pudesse caminhar com ele! 

Pai espera por mim por favor, eu tenho medo pai, não me deixes outra vez pai, eu quero estar contigo pai! Pai se tu não esperares por mim eu vou-me matar!

Foi assim que ele se virou para mim e disse:

Nunca mais digas isso João, nunca mais digas uma porcaria destas, foi esta a educação que eu te dei? Estou muito abalado com isso tudo João!

Nunca mais penses em matar-te ouviste João!

Desde de quando é que tu tens essa ideia de te matares?

Eu pensei que te tivesse ensinado a seres mais forte, pensei que tu estimasses a vida!

Não te lembras do sofrimento que eu tive por causa da minha doença! Eu teria dado tudo para não morrer, eu teria dado mesmo tudo para continuar convosco! Mas meu filho quando o nosso tempo na superfície da terra expira, não há nada que a faça voltar! Nem dinheiro, nem saúde nem alegria, quando a hora da morte chega não há como fugir!

A morte encontra você em todo lado! Não importa se você é rico ou pobre!

Não importa se você é feliz ou infeliz, não importa se você é gordo ou magro, se você esta de saúde ou doente! A morte não pede licença nem se desculpa!

Por isso meu filho valorize a vida, valorize o facto de teres sobrevivido!

Pai, eu estimo a vida, ou melhor estimava, mas assim com uma perna só não posso estimar nada, o pai não reparou que eu estou sem perna,

Como é que o pai quer que me sinta grato assim nestas condições! O pai não reparou na minha perna, veja, veja bem! Eu não quero viver sem perna.

Claro que vais poder viver sem uma perna, você não perdeu a cabeça João, você apenas perdeu uma perna e nada mais meu filho!

E não é pelo facto de teres perdido a perna que agora te vais querer matar João!

Devias ter mais respeito pela vida, vais te matar! E assim pensas que tudo vai melhorar ou pensas que tudo vai acabar meu filho! Pois saiba que quem não tem forcas suficiente para aceitar esta vida que lhe foi concedida de graça também não merece nem a morte, a morte não alivia os suicidas, quem se suicida mata o seu espirito e não o seu corpo, para o suicida a morte é o maior castigo que existe pois se eles soubessem o que lhes esperam teriam a coragem de resistir a tudo, de suportar todos os desafios da vida!

Não penses que a tua vida te pertence a ti, nada, mas nada mesmo nos pertence nesta vida, nem mesmo a nossa vida João, nem mesmo a nossa vida nos pertence!

Esta vida me pertence, eu próprio posso decidir quando quero morrer; é minha vida e eu posso fazer dela o que quiser, eu quero morrer e vou morrer da maneira que me apetecer!

Porque é que és tao impaciente, olha meu filho conforme nós nascemos sem pedir, também assim teremos de morrer, tudo tem o seu dia, tudo que nasce também morre, não importa quanto tempo demora tudo volta a sua forma inicial!

Viemos do nada e para o nada voltaremos e neste espaços deste dois nadas devemos fazer todo possível para que nossas vidas não se tornem também em um nada.

A vida nos foi dada de graça e também nos deixa sem termos de pagar por isso!

 Isso tudo faz parte das leis da natureza, deixe que ela se encarregue de tudo.

A morte é apenas uma mudança de um estado para o outro, se fosse algo definitivo eu não estaria aqui nos teus sonhos, se existem os sonhos também existe uma vida depois da morte.

 Tu não estás sozinho meu filho, tu nunca estiveste sozinho, eu estou onde tu estás!

 Então leva-me contigo pai, leva-me para que eu não tenha de me matar.

Pai eu não posso mais, por favor ajude-me e envie a morte para que venha buscar!

Eu tenho muita dor na perna e na alma, a dor da perna passa com os medicamentos, mas a dor que eu sinto dentro de mim não passa ela esta sempre presente, ate quando durmo sonho sobre a minha má sorte pai. Pai, eu me tornei em um nada, um zero à esquerda!

Não andes tão rápido pai, espere por mim, eu não posso andar tao rápido, espere por mim!

Filho eu não posso esperar por ti também aqui tenho tarefas a cumprir, fui apenas enviado te salvar a vida! Todos nós temos uma tarefa a cumprir no céu, nada para tudo é apenas uma mudança e movimento contínuo.

Às vezes não aparecemos em sonhos para salvamos e aconselharmos alguém, muitas vezes falamos através de pessoas que ainda vivem, por vezes falamos como Pais, como amigos, por vezes até tomamos a forma de uma criança para transmitirmos a nossa mensagem!

E a mensagem é: viver até ao fim, viver e fazer da vida uma aventura, viver mesmo que os problemas às vezes nos sufoquem !

Viver e jamais pensar em terminar com a vida, nem com a nossa própria nem com as dos outros, porque quem se mata ou mata o outro, terá a mesma tortura.

Eu sei meu filho que tu encontraras alguém que te fará subir a moral.

Não te esqueças de visitar o teu chefe Nando, eu penso que ele este a precisar de alguém.

O senhor Nando é um grande homem, dá graças a deus por ele também ter sobrevivido João!

Grande Homem pai! Como é que o pai chama um cego de um grande homem?

Para a sua informação pai, eu acho que ele não ficou apenas cego, não! Ele também esta mudo, pois até hoje não falou com ninguém, nem mesmo com os médicos!

João, o silêncio não significa sempre a ausência da fala, às vezes o silêncio nos permite uma certa distância para que possamos reflectir melhor!

E tu verás que um dia ele voltará a falar, mas para isso ele necessita da hora e da pessoa certa para que o seu silêncio seja interrompido!

Sabes João, depois da minha morte sei que tu viraste kazukuteiro, mas não sabia que te tinhas tornado em um ingrato e em um rapaz tão impaciente e pessimista.

 Agora deixa-me regressar meu filho, eu não posso ficar mas tempo aqui, mas saiba que eu sempre velarei por ti, dia e noite estarei ao teu lado!

Não permitas que os maus pensamentos se apoderem da tua mente.

Pai, eu farei o que o senhor disse, e não vou mais pensar em suicídio!

Não te esqueças de ires visitar o teu chefe João!

Sim pai, eu farei isso ainda hoje mesmo, prometo-te.

Mas Pai não há maneira de eu poder ficar aqui, sem que eu tenha de me matar? O pai não pode encarregar-se disso pessoalmente!

O pai disse que a morte não pede licença nem pede desculpas, então envia a morte para que ela me leve consigo, assim eu posso também viver aqui com o senhor!

É impossível João, não há nada a fazer eu não posso enviar-te a morte, pois a morte é algo livre como o vento, não pode ser controlado, uma vez em andamento o vento não se pode deter, só ele mesmo que pode decidir quando parar!

Aqui onde eu estou só podem ficar as pessoas que já morreram! Vês a tua avó, o nosso vizinho que morreu o mês passado, até os teus bisavôs estão aqui comigo!

Já reparaste que não está aqui ninguém que ainda não tenha morrido, tu és o único aqui que ainda não morreu por isso é que ninguém te pode ver, só eu é que te posso ver.

Eu fui enviado porque nós vimos que tu estás em perigo por causa das tuas ideias, essa ideia de te matares João é a coisa mais absurda que existe.

Se aparecesse alguém desconhecido para falar contigo e tentasse tirar-te esta ideia tão estúpida da cabeça, não terias dado ouvido a essa pessoa, por isso como teu pai fui enviado. Tu estás a sonhar, mas não te esqueças que muitas vezes os sonhos são profecias meu filho.

Isso não quer dizer que todo sonho seja uma profecia, mas muitas vezes devemos reflectir sobre os nossos sonhos porque só através deles é que somos capazes de passar de uma para a outra dimensão, quem é inteligente vê nos sonhos uma forma de poder melhorar o seu padrão de vida, a sua forma de enfrentar os problemas que, mesmo não querendo, surgem em nossas vidas! O sonho não é apenas algo vai, existem várias formas de sonhar meu filho.

Mais pai, eu também quero morrer para ficar perto de ti! Assim acaba o meu sofrimento.

Chamas sofrimento o facto de teres perdido uma perna?

 João, sofrimento é não ter sonhos, sofrimento é não ter ninguém que nos ame, sofrimento é ter fome, sofrimento é estar em um cárcere! Sofrimento é não ter mais esperança!

 João eu já disse que os teus filhos precisam de ti a tua mulher também precisa de ti o mundo precisa de ti, não te tornes em um egoísta!

Pensa também na tua mãe e nos teus irmãos! Todas estas pessoas te amam incondicionalmente e ainda dizes que sofres, meu filho?

Pai eu não tenho nem uma namorada, fará uma esposa e filhos! 

A única coisa que me interessa agora é estar morto e mais nada, não quero saber da família nem do resto do mundo, eu quero é morrer e mais nada pai!

Assim também poderei ficar aqui convosco, eu acho este lugar maravilhoso pai!

Pai, por favor eu me sinto bem aqui, deixa-me só ficar aqui pai, por favor!

 João meu filho, o teu tempo ainda não chegou senão terias morrido com os teus camaradas.

Meu filho este é o motivo por que eu apareci hoje no teu sonho!

 Eu quero mostrar-te algo, este lugar onde eu estou, como vês é uma maravilha, conforme podes ver a minha tosse passou, a avó já não sofre mais de malária, e o vizinho, conforme sabes, morreu em acidente, um camião acidentou o seu carro!

Ele ficou completamente desfigurado, agora olha para ele! Não tem um arranhão sequer aqui onde eu estou não há doenças nem dor nem lágrimas!

Então isso será melhor para mim, assim já não serei mutilado, terei a minha perna de volta!

Não filho! Para quem se mata não há lugar aqui

 Quem se mata tem um outro lugar! Também pode-se chamar de inferno.

Pois é um lugar onde só existe dor, lágrimas, desespero e angústia!

Já imaginaste meu filho para sempre viver em um lugar assim?

Foi assim que o meu pai me levou a beira de um precipício, apontando com o dedo mostrou-me o alugar mais desagradável que eu já tivera visto em toda minha vida!

Mesmo no tempo em que a guerra está muito quente, nunca vi coisa igual!

Ouviam-se choros, gritos, alguns suplicavam tao alto que ate causa arrepios!

Eu não queria mais ver aquilo, pois o desagrado era demais.

O meu pai comece de novo a falar comigo e a tentar explicar-me tudo!

Vês meu filho! Este é o lugar onde ficam os suicidas os assassinos e outros criminosos, eles jamais poderão abandonar este lugar!

 Quanto a nós somos livres porque morremos sem querer, nós podemos passear á vontade. 

Foi assim que reparei que as pessoas que estavam do outro lado estavam todas sujas aquilo parecia um curral de porcos, é o lugar mais imundo que eu já tivera visto!

Pai, se não fosse por causa da minha perna eu nunca pensaria em um suicídio, mais assim com uma só perna, não faz sentido nem adianta viver!

Eu não quero viver como um mutilado, eu não quero que as crianças gozem comigo e me chamem de mutilado! Para além de mais, eu não vou encontrar mulher que queira casar comigo, pois como o pai sabe é difícil encontrar uma esposa com uma só perna!

O pai já viu algum mutilado casar, o pai já assistiu um casamento onde o noivo seja um mutilado! Claro que não e isso também nunca acontecerá porque um mutilado está condenado à solidão perpétua, o mutilado esta condenado a uma descriminação para o resto da sua vida! Tenho raiva das minas por não matarem as pessoas logo, mas por causa dezenas de rapazes que ficaram sem pernas !

Agora se te matares qual será o proveito que o mundo terá?

Com a tua morte ninguém será ajudado e tu serás o mais prejudicado, tu sabes onde é que vão parar os suicidas meu filho.

Volta para casa Filho, e não me procures nunca mais!

Dito isso ele desapareceu do meu sonho custou mesmo muito sair deste pesadelo!

Depois disso não tive mais vontade de dormir, acendi a luz do candeeiro e comecei a recfletir sobre o meu sonho, comecei a reflectir sobre tudo o que meu pai me disse!

Comecei a sentir uma agonia muito grande! Porque é que tive de sonhar tal coisa!

Eu nunca acreditei em sonhos nem em Deus, agora deste sonho tão confuso, se acreditasse em Deus poderia dizer que o meu pai estava no Paraíso e eu caso de um suicídio iria para o inferno onde a dor não termina nem as lágrimas jamais secarão!

Mas eu não acredito no inferno nem no paraíso tudo isso foi apenas um pesadelo, um mau sonho e mais nada!

Bem que tentei pensar em outras coisas para deixar de pensar no sonho, mas quanto menos eu queria pensar no sonho, mais ele se encaixava na minha mente.

No inferno até seria bem capaz de acreditar, mas acreditando no inferno implica que também tenha de acreditar no paraíso; estas duas coisas precisam de sair o mais rápido possível da minha mente, já tenho problemas que cheguem!

Isso que estou a viver agora afinal de contas também é um inferno.

Graças a Deus a enfermeira chegou, assim eu posso pensar noutra coisa ou mesmo manter um pequeno diálogo para desanuviar a minha mente.

Bom dia senhor João, o senhor dormiu bem?

Sim dona Isabel, eu dormi bem, apesar de a noite ter passado muito rápido eu dormi bem.

Dona Isabel, desculpe-me por a ter chamado ontem de bruxa, afinal a senhora não tem culpa de nada! Eu nem sei se existe alguém culpado, pois uma mina tem em geral uma história!

Se eu for a ver quem é o culpado deste mal traiçoeiro, não será apenas uma só pessoa, eu teria de condenar quase o Mundo inteiro, pois cada mina que aqui na nossa terra explode tem um grande percurso! Tem os que fabricam e tem os que sabem do fabrico mas não impedem o seu fabrico, tem os gananciosos e sem escrúpulos que as compras, é muita gente envolvida!

O negócio das armas é um dos negócios mais rentáveis do nosso tempo.

O melhor nome devia ser Fabricantes da Morte e não fabricantes de armas, porque cada projétil e cada mina que se fabrica tem apenas um objectivo, isso é de matar !

Como assim, senhor João! Negócios de minas, negócios de armas!

Não entendo nada disso, eu penso que as armas são necessárias para defender um país!

Defender, defender o que dona Isabel, o que é que uma mina pode defender?

E se a senhora quer saber a guerra também é um negócio, que beneficia apenas algumas dezenas de pessoas num país, os restantes são vítimas deste negócio sujo!

O senhor não tem medo de falar assim deste jeito?

Sabe senhor João, eu tenho medo de tudo que tenha a ver com a guerra!

 Tenho medo até de uma pistola, mesmo que tenha a certeza de não estar carregada!

 Deve ser um pouco de trauma, não sei bem!

Desde do dia em que encontrei o meu pai morto na nossa cozinha e com a pistola na mão, nunca mais fui capaz de pegar numa arma!

Coitado do meu pai, ele era chefe de um Batalhão!

Ele recebeu ordens superiores para avançar com a tropa!

O meu sabia muito bem que a tropa dele não tinha chance nenhuma de ganhar aquela batalha, por isso resolveu matar-se em casa para que não fosse o inimigo a fazê-lo, assim pelo menos teria uma campa e não iria ser comido pelos bichos na mata! Ele sempre disse que queria ser enterrado onde foram enterrados os seus pais, acho que foi por isso que se matou.

Eu encontrei-o morto quando saí da escola, foi o dia mais terrível da minha vida!

Neste dia estava muito calor e depois das aulas fui direitinho a casa!

Sem saber o que me esperava, abri a porta da cozinha como de costume!

Assim que abri a porta vi o meu pai deitado no chão, o seu corpo estava todo encharcado de sangue, havia já algumas moscas atrevidas por cima do sangue que estava mais ou menos seco, não sei há quanto tempo é que ele estava ali, talvez logo depois da minha mãe ter saído  para o trabalho !

Foi um tiro certo na cabeça e a pistola ainda continuava na sua mão!

 O miolo espalhou-se todo pelos azulejos e também nos armários da cozinha!

Quando vi aquilo, joguei os meus livros fora e sai a correr para a rua gritando!

As pessoas com quem eu cruzava queriam saber o porque do meu pânico!

Eu não conseguia falar, apenas gritava feito uma louca!

Sempre correndo e gritando fui em direcção à escola onde trabalhava a minha mãe!

Foi assim que algumas professoras vieram ao meu encontro e tentavam acalmar-me.

Nisso tudo a minha mãe também veio ter comigo, mas nem ela consegui acalmar-me.

-Isabel, Isabel, o que é foi que aconteceu, Isabel!

 Dizia a minha mãe!
Eu só consegui dizer, mãe o pai matou-se, ele está morto na cozinha!

A minha mãe não queria acreditar, pensou que eu estivesse a ficar mesmo louca.

Mãe o pai matou-se, ele está no chão da cozinha!

A minha mãe não queria acreditar no eu lhe dizia, não sei porquê, mas ela apenas dizia, isso nao é possivel Isabel, isso não é possível, estás com alucinações Isabel!

Mãe por favor acredite em mim, o pai morreu!

 Eu mesmo vi, ele não se mexe e até o miolo dele salpicou nos azulejos!

Vem mãe, vem, eu tenho tanto medo mãe!

Só depois de ouvir tudo detalhadamente, a minha mãe começou também aos gritos.

Todos os que estavam presentes também começaram a chorar e a gritar por verem a minha mãe gritar, até mesmo alguns alunos vieram perto de mim e começaram também a chorar comigo, todos nós fomos caminhando e chorando em direcção a nossa casa.

Foi uma coisa muito triste, acho que não fosse o meu pai eu teria fugido.

A minha mãe mais algumas colegas levantaram o corpo do meu pai, mas antes disso tiveram de limpar o sangue que colava na sua cabeça e nas mãos, depois disso vestiram o meu pai e colocaram-no na cama!

Foi um dia terrível, não desejo isso a ninguém, aquele dia ficou marcado na minha memória.

Dona Isabel sente muito por tudo isso!

Mas o seu pai não conversou antes com ninguém sobre o seu medo de ir de novo na guerra Não senhor João, ele não conversou nem com a minha mãe; a única coisa que notei é que ele andava muito calado e ao mesmo tempo andava muito tenso nos últimos dias, não tinha apetite, fumava muito nos últimos dias assustava-se com qualquer ruído.

Nós nunca pensamos que ele tivesse problemas ou mesmo medo.

Graças a Deus ele deixou uma carta onde explicou o seu estado de espírito e os motivos que o levaram a suicidar-se.

Que situação horrível, dona Isabel, eu nem sei o que dizer.

Não precisa dizer nada senhor João, isso aconteceu há dez anos!

O pior é que eu tenho a certeza de que se ele tivesse ido não teria morrido, ele desistiu muito cedo, pois os soldados do seu batalhão que cumpriram a missão voltaram quase todos vivos, está bem que alguns morreram, mas a maioria sobreviveu!

Mas o que fazer, o medo dele era grande demais! É chato quanto o suicídio é uma coisa muito estúpida senhor João, acho que é uma das piores coisas que podem acontecer!

Para os que ficam começa um grande dilema!

 A minha mãe muitas vezes se sente culpada, e eu também, nós não sabemos porquê, mas nos sentimos também responsáveis pela morte dele!

 Quando a tristeza se mistura ao sentimento de culpa, é difícil superar a morte!

Sinto mesmo muito por si dona Isabel, mas uma vez, desculpe pelo acontecido de ontem!

Senhor João, agora eu é que devo pedir desculpas por ter roubado o seu tempo. Pois o senhor também tem os seus problemas!

Dona Isabel, muito obrigada pela confiança que a senhora depositou em mim, a senhora não me roubou tempo algum, conforme a senhora vê, o que eu mais tenho de momento é tempo!

Eu passo vinte e quatro sobre vinte e quatro horas preso nesta cama!

Se ao menos tivesse aqui um televisor me ajudaria bastante.

Senhor João, quando o senhor se sentir mais calmo, poderá ser transferido para uma outra enfermaria, onde tem mais gente no quarto, assim o tempo passa mais rápido e vocês podem conversar, nas enfermarias grandes também há televisores!

 Mas por enquanto terá de ficar isolado, são ordens do doutor!

A dona Isabel tem a certeza de que isso apenas depende do meu comportamento?

Sim senhor João, isso depende do senhor!

Muito obrigada dona Isabel por essa informação!

Não tem de que senhor João! Outra coisa, a sua mãe e os seus irmãos virão hoje, o senhor quer recebê-los? Ontem eles já tiveram de regressar sem ver o senhor!

Dona Isabel, eu quero ver a minha mãe e os meus irmãos, mas eu não sei como encará-lo assim sem perna! Eu sinto um medo horrível, quando penso na cara da minha mãe e na sua reacção, não sei mesmo se os quero receber hoje, acho que ainda não sou capaz de falar com eles ! Não me leve a mal, mas eu próprio ainda não aceitei a situação em que me encontro e não posso exigir que os outros o façam!

 Eu não me vejo ainda como amputado, como mutilado, preciso de mais tempo!

O senhor João, é que decidirá quando quer receber visitas ou não!

Se me permitir eu vou ligar para a sua mãe e explicar tudo para que ela não se dê  à maçada de que vir! Eu penso que ela vai entender! Eu vou dizer a ela que o senhor tomou um medicamento muito forte e por isso este muito sonolento!

Muito obrigada dona Isabel, obrigada pela sua compreensão.

Não tem de quê, sou uma enfermeira e estou apenas fazendo a minha obrigação! Agora o senhor me desculpe os outros pacientes estão à espera de mim!

Dito isso ela saiu do quarto e bateu com a porta!

A dona Isabel é mesmo simpática e naturalmente também muito gira, ainda bem que ela não sabe dos meu planos de me querer suicidar!

Que sorte, durante este tempo todo não me deu vontade de fazer chichi!

Agora é só aguentar mais um pouco a sede até a dona Isabel terminar o seu turno!

Com a tia Maria já me acostumei á fazer chichi, mas com as outras enfermeiras não!

A tia Maria é já tipo a minha mãe, pelo menos é assim que eu a vejo .

Tenho de falar hoje com o doutor na altura da vista, pois os meus ferimentos estão a sarar bem pode ser que ele me permita abandonar a cama para ir ao banheiro!

Durante o tempo em que conversei com a dona isabel não pensei no sonho que tive a noite passada, agora que o silencio voltou, também voltaram os meus tormentos .

Não consigo parar de pensar no meu sonho e com a história que a dona Isabel contou sobre o seu pai piorou ainda a situação! Meu Deus, se o meu sonho fosse realidade, o pai da dona Isabel estaria naquele lugar imundo, o lugar que o meu mostrou como sendo o lugar dos suicidas, ladrões, assassinos!

O que farei agora! Pois apesar de ter sido apenas um sonho, estou preocupado com o que disse o meu pai, o meu pai sempre foi um homem sábio e bom conselheiro, corajoso e sempre foi sincero, porque é que ele me iria mentir num sonho ?!

O meu pai era um homem muito dedicado à sua familia e ao seu trabalho!

Ele era o melhor pai do mundo .

Como ele trabalhava no município só o víamos nos finais de semana, mas quando ele chegasse, era sempre uma grande festa para nós as crianças, não só por causa dos presentes mais também pelo carinho e atenção que nos dava! A minha mãe também só sorria quando o meu pai estivesse em casa ! Os dois se amavam muito, isso até um cego seria capaz de ver!

O pai era responsável do comité da Cruz Vermelha no município!

Ele tinha contacto com quase todo tipo de gente, foi por isso que também apanhou Tuberculose; no princípio ninguém pensou nesta doença, pois ele próprio pensou que fosse apenas uma tosse passageira, já que também estava engripado! Ele tossia sem parar nos últimos tempos, antes do diagnóstico , a minha mãe é que o obrigou a ir ao hospital para escoltar os pulmões , mas não foi fácil , pois ele sempre tinha uma desculpa para não ir ao médico! Assim ele disse a minha mãe que estava talvez com uma bronquite e que não iria ao município! Ele disse a mãe que se repousasse uma semana em casa tudo iria passar!

A minha mãe cedeu e começou a cuidar do pai, fazia chás de ervas, chá de limão com mel, leite quente! Mas nada ajudou, de noite ninguém conseguia dormir porque o pai tossia tanto que todos nos acordávamos! Dia seguinte na escola era um castigo, aquilo era lutar contra o sono! No fim começou a fazer febres e tinha muita dor no peito ao tossir!

A minha mãe não aguentou mais e decidiu leva-lo ao hospital, já a caminho ele começou a tossir sangue!

Chegados ao hospital o doutor fez o teste da tuberculose, o teste deu positivo, o meu pai foi logo mandado para o sanatório, no hospital dos tuberculosos!

Quando a minha mãe chegou a casa começou a chorar como se o meu pai já tivesse morrido!

Nós perguntamos porque é que ela estava a chorar, ela só disse o vosso pai está muito doente!

Aquela tosse que ele tem não é apenas uma tosse qualquer, ele está com tuberculose!

Tuberculose, o nosso pai tem tuberculose! Não isso não pode ser.

Eu sempre pensei que a tuberculose fosse doença dos pobres ou de pessoas que não tem muita higiene! Agora a minha mãe chega e diz que o pai esta com tuberculoso!

Um homem tão bem apresentado, um homem tão bem nutrido, um homem tão limpo não pode ter tuberculose!

Mãe e agora o que vamos fazer? O pai não pode ficar no sanatório senão todos vão saber, e se alguém ouvir isso na escola, vamos ser expulsos!

A mãe sabe que a tuberculose é muito contagiosa.

Sim filho, doutor mandou-me a casa para vir a vossa busca: todos nós teremos de fazer o exame da tuberculose!

Nunca mais mãe, isso não vão fazer, a mãe já viu nós todos entrámos no sanatório!

João são ordens do doutor e nós temos de cumprir, se não formos livremente eles enviarão cá o pessoal do ministério da saúde !

Está bem mãe, nós iremos, mas ninguém pode ficar a saber disso senão vou perder os meus Kambas todos, eu sei eles vão nos abusar de Tumbe,!

A minha mãe vestiu a minha irmã mais nova que tinha na altura dez meses!

Nós somos três, eu sou o mais velho de todos!

 Lá foram com todo cuidado para o hospital dos tuberculosos!

A senhora do laboratório chamou por nós para entregar os resultados!

Ela começou pelo meu nome, ai que medo horrível, queira Deus que o resultado seja negativo! Eu não quero ficar aqui e se eu tiver Tuberculose acabou-se a minha banga!

Foi quando ela disse, João o seu teste deu negativo!

Filipe também tu não tens tuberculose, negativo!

Agora foi a vez da minha mãe dona Conceição também negativa!

A minha mãe preocupada, perguntou: E a minha bebe, porque é que a senhora não chamou por ela, por favor diga-me o que se passa!

Dona Conceição, o senhor doutor tem de ver o resultado do exame da bebe, alguma coisa não está bem, me desculpe mas eu não posso dar mais informações, espere pelo doutor sim!

Pelo jeito como a enfermeira olhou para a minha irmã, dei logo conta que o caso era sério!

A enfermeira voltou para o laboratório e encerrou a porta!

Sem saber o que dizer ou que fazer, ficámos todos sentados num banco largo que se encontrava no corredor do hospital!

A minha mãe logo começou a chorar em silêncio, apenas as lágrimas lhe escorriam pelo rosto, ela agarrou a minha irmã com tanta força que a miúda até começou a chorar!

Foi quando eu disse à minha mãe para que soltasse um pouco a bebe, eu segurei-a ao colo, logo ela começou a sorrir e a brincar comigo.

Esperamos mais ou menos uma hora e meia até que o senhor doutor apareceu!

Era um homem muito simpático, bem pelo menos mais simpático e mais atencioso do que a enfermeira, eu já reparei que muitas vezes as enfermeiras são mais antipáticas que os médicos, não sei porquê!

Bom dia dona Conceição, bom dia meninos!

 O vosso pai já começou a fazer o tratamento, neste momento está a receber soro, vocês sabem que não o podem visitar para não serem contaminados!

Sim senhor doutor, a mãe já explicou tudo.
Pois bem! Pois bem! Agora temos de ver o que fazer com a menina, ela esta com alguns vestígios de tuberculose, não é grave mais tem de ser tratada, só não sei como resolver este problema se ela fica aqui pode pegar uma outra infeção e fazer com que a doença piore, se a mando para casa pode também piorar e contagiar os outros!

Doutor faz favor, diga-me só o que fazer, mas eu não posso deixar a minha filha aqui!

 Já basta o meu marido! Por favor eu posso fazer a medicação em casa!

 Eu vou isolar a menina em meu quarto!

Não deixarei ninguém entrar no quarto, eu vou dar a medicação de forma correcta!

Dona Conceição, a senhora não pode isolar a bebe num quarto, ela necessita de ar fresco ar fresco e uma boa alimentação, a bebe necessita de muitos líquidos, principalmente de leite!

Senhor doutor eu farei tudo isso!

Outra coisa, dona Conceição, a menina não pode brincar com outras crianças até fazermos um segundo exame daqui a um mês!

Que sorte, a minha irmã não tem de ficar cá no hospital, foi um grande alívio para toda a família, eu sei que a minha mãe é uma mulher forte, mas se ela tivesse de deixar a bebe no hospital iria morrer de tanto choro, já basta o meu pai!

O doutor entrou de novo no consultório para ir buscar os medicamentos juntamente as indicações e deu tudo à minha mãe!

A minha mãe não parava de agradecer ao doutor por ter permitido que a minha irmã fizesse a medicação em casa!

Todos estávamos contentes, apesar de o nosso pai ter ficado no hospital; mas o que fazer, ele está mesmo muito doente e com muita febre!

A mãe disse-nos para manter isso em segredo. Caso alguém pergunte por ele, devemos dizer que ele está no município e que tem muito trabalho lá!

 Admirou-me muito ver a minha mãe inventar uma desculpa ou melhor mentira!

Afinal de contas não é culpa de ninguém, o facto de o meu pai estar doente!

Se o meu pai fosse mais jovem iriam logo dizer que estava com SIDA, agora aqui até a malária virou SIDA, dor de dente é SIDA, então se apanhas tifo, estás mesmo lixado todos te fogem, até mesmo gente de família te foge e te abusam!

O meu pai está com tuberculose, mas eu dou graças a deus por não ser SIDA!

Ainda não sei muito bem se com um aperto de mão ou utilizar os mesmos talheres também se pode apanhar SIDA, o certo é que aqui te gozam bué mal quando estas com SIDA, me lembro de uma moça que supostamente estava com SIDA, só porque ela começou a emagrecer, na escola lhe abusam tanto que desistiu, depois de uns dias ouvimos dizer que ela saltou da janela, ela morava no quinto andar.

A coitada morreu logo, na carta que ela deixou explicou à mãe dela o porquê.

Por isso é que temos de ter muito cuidado, se um vizinho descobre só que o meu pai esta no sanatório, estamos lixados, ate da escola vamos ser expulsos, os professores não vão querer saber do resultado negativo das análises, eles vão dizer que é por causa da cunha que o médico colocou negativo, por sorte a minha irmã ainda não fala e o meu irmão tem muito juízo!

Esta é a razão do medo de sermos descobertos e descriminados, pois para os outros não iria adiantar dizer que nós não tínhamos tuberculose, filho de tuberculoso também é tuberculoso assim como filho de peixe também é peixe!

Não posso dizer que isso é ignorância, porque senão estaria a ofender metade da população, não é o facto de as pessoas serem ignorantes, mais sim pelo facto de muita gente ser maldosa conforme eu contei a historia da moça que se matou, não foram apenas os alunos que abusavam ela, até alguns professores descriminaram ela de um jeito horrível.

 Eu tenho a certeza que eu e o meu irmão teríamos sidos expulsos da escola!

 Assim criámos uma mentira para salvar a nossa reputação!

 A minha mãe ia quase todos os dias às escondidas visitar o meu pai!

Mas ela só podia ver o meu pai através de uma porta envidada não podia tocar nele!

 Aquilo parecia mais uma prisão que um hospital!

Sempre que a mãe voltava do hospital, tinha uma aparência muito triste, ela estava a perder a esperanca de ver o pai sarado!

Depois de ter passado um més, a minha irmã repetiu os exames, graças a Deus deu tudo negativo isso foi uma das coisas que deixou a minha mãe um pouco mais animada!

 Que alívio, a minha irmã sarou, isso nos deixou muito felizes!

Quanto ao meu pai, a saúde dele ia de mal para o pior!

 Para além da tuberculose ele apanhou no hospital uma hepatite, a mãe diz que ele esta muito magro e amarelo, a minha mãe disse-nos para nos preparamos para o pior!

Quando o meu pai completou três meses no hospital acabou por falecer!

Coitado do meu pai, não parecia aquele homem tão forte, o corpo dele reduziu-se a metade!

Depois do óbito e de todas as cerimónias voltámos a normalidade, quase à normalidade, pois como o meu pai tinha falecido e a minha mãe era doméstica, começámos a ter muitas dificuldades financeiras o dinheiro não chegava para nada!

 Foi assim que a minha arranjou um trabalho numa das casas da Cruz Vermelha Internacional! Ela conseguiu uma colocação como governanta!

Foi uma grande sorte, pois para além do salário ela sempre levava para casa as comidas que sobravam, muitas vezes ela trazia também roupas bem curtidas que os estrangeiros, que regressavam já não necessitavam, eles deixavam as roupas para ajudarem a minha mãe!

 Eles sabiam que a minha mãe era viúva e tinha três filhos por criar!

A minha irmã ia sempre com a minha mãe ao trabalho, a maior parte do tempo ela passava nas costas da minha mãe, por isso é que a mãe andava sempre com dores nas costas, assim que chegasse do trabalho tinha de se deitar pelo menos por uma hora!

A mãe já não tinha mais tempo de controlar as nossas tarefas da escola, pois ela andava mesmo cansada, antigamente as vezes ela ia à nossa escola falar com os professores, procurava informar-se sobre o nosso comportamento.

Mas desde que o pai morreu, isso nunca mais aconteceu.

Foi nisso que eu comecei a faltar às aulas, comecei a tirar muitas negativas, mas eu nunca disse nada disso à minha mãe, sempre que ela perguntasse como vai a escola, sempre respondo: Muito bem mãe, não há problema nenhum!

Eu comecei a ter problemas na escola, em vez de estudar preferia ir às discotecas ou jogar futebol, passava horas e horas em frente ao espelho a experimentar roupas e a criar novas modas, eu queria a todo custo ser algo diferente .

Eu queria ter fama, queria que todas as moças soubessem o meu nome .

Que vergonha sinto hoje pelo meu mau comportamento, eu devia ter tido mais juízo!

O pai faleceu e eu virei um estúpido de primeira classe, um indisciplinado!

 Coitada da minha mãe, ela não merecia um filho assim!

 Quantas vezes ela chorou por minha causa, ela já não sabia o que fazer comigo!

A minha mãe tentou mesmo tudo, para que eu não faltasse mais às aulas, mas nada disso adiantou, no fim ela desistiu. Ela não olhava mais para mim nem perguntava mais como vai à escola, ela passou a ignorar-me, até um certo ponto posso entender porque é que ela passou a ignorar-me, eu não era o único filho, os meus irmãos também precisavam da minha mãe.

Ela não queria mais desperdiçar o tempo dela comigo, o trabalho já dava cabo dela, ela não precisa de mais alguém que a aborreça depois do trabalho!

Eu devia ser um exemplo para os meus irmãos mais novos!

Em vez disso, eu era o pior da família , até a minha irmã mais nova já sabia que eu era um kazukuteiro, um indisciplinado um rebelde !

Reprovei tantas vezes que até o meu irmão mais velho estava numa classe superior à minha, que vergonha, o meu irmão também não queria mais saber de mim, ele tinha até vergonha de dizer que era meu irmão, nunca aceitava andar comigo!

 A minha mãe sempre dizia para eu pensar bem na minha vida!

Ela sempre me avisou mas eu nunca quis saber de nada, ela dizia também que o meu futuro estava mesmo ameaçado e que um dia iria parar na tropa!

Mas sinceramente a única coisa que me interessava na escola era fazer desenhos, porque é que não existe uma escola onde só haja duas disciplinas, desporto e desenho!

Eu tenho a certeza de que se existisse uma escola assim jamais faltaria às aulas.

Não é bem que eu não queira assistir as aulas, mas os professores às vezes são tao chatos e sem motivação, quando alguém já tem problemas em casa então não dá mesmo vontade de ir à escola às vezes tenho a impressão que eles não têm noção nenhuma das disciplinas que ensinam! Se algum professor me tivesse dado um empurrão talvez o meu destino tivesse sido diferente, mas afinal os professores também são pessoas como nós e também tem os seus problemas. Acho mesmo que se não fosse por causa dos desenhos teriam desistido há mais tempo da escola, desenhar me fazia muito bem, eu me sentia livre quando desenhasse.

Eu era o melhor da turna e de toda escola!

Sempre que houvesse exposição de artes eu é que ganhava!

 Toda gente admira o meu poder de desenhar, somente a minha mãe dizia que não valia a pena estar a perder tempo com desenhos porque ninguém pode ganhar o seu pão a fazer desenhos!

Ela sempre ralhava comigo por que causa dos desenhos!

Eu era o que mais lápis de cores gastava, no fim ela não me dava mais dinheiro para comprar material de desenho, eu roubava os lápis de cores do meu irmão!

 Ele como gostava dos meus desenhos não se queixava à mãe!

Foi nesta altura que as rusgas começaram de novo eu fui apanhado para a tropa!

Bem que tentei correr mas foi inútil, pois o tropa que foi atrás de mim colocou a arma em posição de fogo e mandou-me parar, eu sei que se não tivesse parado ele me teria baleado.

Parei e até coloquei as mãos no ar, estava mesmo com bué de medo!

 Foi um dia horrível, quando o tropa me agarrou na camisa comecei a chorar, chorei baba e ranho, até parecia mesmo um puto bué pequeno!

As pessoas passavam e olhavam para mim com uma cara de gozo.

Não me importei com as mocas que ao longo do caminho se riam do meu choro!

Eu chorava de vergonha e de raiva!

Estava com raiva de mim mesmo e com vergonha de causar tanto mal à minha mãe!

Pois ela sempre me avisou que o meu futuro seria a tropa por causa do meu mau comportamento que raiva que ódio!

E hoje vejo que ela tinha toda razão, eu queria ser curtido, mas ser curtido afinal é nao faltar a escola é ter uma boa formação académica, é respeitar os professores!

Ser curtido é obedecer aos pais, é ajudar os irmãos mais novos, eu não era curtido, eu era um burro de primeira categoria agora este é o meu castigo, terei de servir ao exército!

Quando penso quantas vezes eu menti à minha mãe e como fiz o meu irmão sofrer, dá-me uma agonia muito grande, como é que eu fui capaz de cometer tanta maldade  !

O que faço agora é este o preço de não ter obedecido a minha a mãe?

Agora fiquei sem perna e isso tudo é culpa minha.

E agora este mambo de sonhar com o meu pai!

A dona Isabel diz que a mãe dela até hoje sofre por causa do marido se ter suicidado!

Eu quero fazer o mesmo, matar-me, mas agora estou confuso, primeiro por causa do sonho que tive com o meu pai, e agora por causa da história que a dona Isabel contou sobre o suicídio do seu pai. Ela disse que a mãe dela ate hoje sofre por isso!

Eu não quero que a minha sofra caso eu morra, pois ela já sofreu muito por minha causa.

O meu pai já morreu há tanto tempo, como é que me vou deixar influenciar por alguém que já morreu há tanto tempo, eu não acredito em fantasmas, por isso é mesmo melhor esquecer este sonho, desde quando é que eu tenho medo de um sonho? Era o que me faltava.

Devo ouvir ou obedecer a uma pessoa que já morreu!

O meu coração está a bater tão rápido que até me dá a sensação de que ele vai sair pela boca!

Estou muito confuso e a única coisa que eu sei é que não quero viver só com uma perna, como é que posso morrer sem ter de me matar.

Só parei de pensar na minha própria morte quando a dona Isabel entrou com a comida .

Eu pedi para que ela deixasse a comida ao lado da minha cama, sem dizer mais nada ela saiu acho que notou o meu mau humor e a falta de vontade de conversar.

Estava sem muita vontade de tornar a ver a dona Isabel hoje!

Acho que ela deu conta que eu estava de mau humor Conforme ela me encontrou assim me

Eu estava sem apetite, a comida também não estava com bom aspecto!

Eu desteto a comida do hospital, tudo tem o mesmo sabor, não importa se você come peixe ou carne; tudo sabe da mesma maneira!

Os legumes também sabem todos do mesmo jeito e em geral deixam tudo cozer demais!

A batata, arroz e massa, tem sempre a mesma consistência!

Que pena não haver funhi com lombi aqui no hospital, para variar um pouco!

Por um lado a culpa é minha, pois se eu permitisse que a minha mãe mas os meus irmãos me visitassem teria a possibilidade de pedir uma outra comida à minha mãe!

Acho que hoje não quero ver mais ninguém, nem mesmo as enfermeiras ou o doutor; quero estar sozinho se fosse possível gostaria de ficar assim só até a morte me levar!

Nisso veio-me a ideia de fazer uma greve de fome!

Assim morro devagar, morrer de fome não é suicídio!

Mas as enfermeiras vão dar conta disso, por isso tenho de fingir que já estou bem, para que possa ser transferido para uma outra enfermaria.

De certeza que encontrarei um guloso que coma também a minha comida para que nenhuma enfermeira desconfie da minha intenção!

Apesar de não ter fome comi tudo, assim ninguém ira desconfiar de nada!

Tenho de sair o mais rápido possível deste quarto, vou fingir que o meu ânimo está melhor e vou também fazer de conta que não quero estar mais isolado dos outros doentes!

Hoje mesmo vou falar com a tia Maria!

Uma sensação de paz e alívio invadiu-me!

Finalmente tinha agora um plano infalível para por fim a minha vida e isso não é suicídio, tenho apenas de deixar de comer e de tomar líquidos!

Mas hoje tenho de comer pela última vez.

Depois de comer, caí num sono profundo, coisa que fez com que o tempo passasse mais rápido, graças a Deus não tornei a sonhar com o meu pai!

 Quando despertei já era noite eu me sentia tão bem, faz tempo que eu não me sentia assim.

A tia Maria não se fez esperar muito, mal eu tinha acordado já ela tinha acabado de entrar no meu quarto, e como sempre a falar em voz muito alta!

Boa noite menino João, então como está o menino?

Eu já cá estive no seu quarto, mas o menino estava a dormir e não quis incomodá-lo!

Quando o vi assim a dormir tão profundamente, não tive mesmo coragem de acordá-lo.

Menino João, a sua mãe telefonou e ela disse que amanhã virá, mesmo que o menino João não queira. Diz que já esperou de mais pela sua boa vontade, e como o menino está sempre a inventar desculpas ela virá, quer o menino João queira quer não!

Ela diz que virá porque ela é sua mãe e vai usufruir deste direito de ser sua mãe e não quer saber se o menino tem ou não tem vontade de receber visitas!

Tia Isabel ajuda-me só, se faz favor, agora ainda é muito cedo, eu não posso receber visitas!

Eu ainda não posso falar com a minha mãe, porque é que a minha mãe e vocês todos não entendem, eu quero estar só, a minha mãe não tem o direito de me visitar sem a minha permissão, eu não quero, não quero mesmo.

Sabe tia Maria, neste momento preferia estar morto, pelo menos assim teria sossego.

Não menino João, eu não entendo!

Eu não entendo como é que uma pessoa pode fazer isso à sua própria mãe!

O menino não quer ver a sua mãe, sabe o quanto é que ela esta sofrendo?

Páre de ser idiota menino João, páre de ser estúpido e infantil!

 Para a sua mãe não importa o facto de o menino ter perdido a perna!

Ela não vai deixar de ser sua mãe com ou sem perna não vai deixar de amá-lo!

 Não se esqueça que ela foi a pessoa que o colocou no mundo.

Nunca uma mãe deixou de amar o seu filho por ele estar em dificuldades!

Amor de mãe é algo quase supremo, só se pode comparar ao amor que Deus tem por nós! O amor de mãe e o amor de Deus nunca passa!

Tia Maria, eu entendo que a minha mãe esteja triste, mas não me vem com estas coisas de amor de Deus, me deixa só em paz com esse mabo de amor de Deus!

Nunca fui chegado a isso e não vai ser agora que vou começar a crer em Deus só porque estou mutilado, o meu desespero ainda não chegou a este ponto!

Eu acho que sou alérgico a Deus, quando ouço só o nome de Deus o meu pulso acelera de raiva, qual Deus, qual quê, para já se houvesse Deus o meu pai ainda estaria vivo!

A minha mãe rezava dia e noite para que ele não morresse no fim não adiantou nada!

Quando ouço o nome de Deus dá-me náusea,

Menino João, o que é que o menino esta á dizer, acho que o menino não perdeu só a perna, também perdeu a noção de tudo!

Se você continua assim menino João vai parar ao manicómio!

Acho que o doutor terá de mandar o psiquiatra para consultá-lo, só um louco é que desafia Deus deste jeito, só um louco é que pode duvidar do amor de uma mãe e de Deus!

Tia Maria, será que quem não acredita em Deus é automaticamente maluco?

Eu não acredito em Deus porque Deus nunca me deu motivo para acreditar nele, mas tenho muitos motivos de não acreditar nele! Deus nunca esta nos lugares é necessitado, ou será que o diabo é mais rápido que deus tia Maria?

Menino João por favor pare de dizer estas coisas acerca de deus!

Pode ser que o menino tenha passado por muitas situações péssimas, mas Deus não é responsável pela nossa má sorte, isso o menino não pode esquecer nunca!

O menino é contra tudo e todos que o queiram bem, o menino está muito agressivo e sem vontade de fazer nada, até mesmo a sua mãe você não quer ver!

 Isso é o princípio de uma depressão uma loucura!

Isso de você não acreditar em Deus é uma opção sua, Deus não obriga ninguém a amá-lo, mas o ser humano sempre procura um culpado quando algo corre mal.

Não acreditam em Deus, mas quando as coisas começam a andar mal então começam a julgar Deus por não os ajudar.

Todo mundo pensa que a função de Deus é de impedir o mal, mas isso é um pensamento errado, Deus só ajuda quem se ajuda também a si próprio!

Quando alguém fica somente sentado a lamentar a sua má sorte e a amaldiçoar Deus, esta pessoa jamais verá a mão de Deus estendida.

Menino João; Deus nos fez livres isso significa que somos livres de escolher entre o mal e o bem, nós próprios é que escolhemos acreditar na sua existência ou não!

Deus nos deu essa liberdade porque nos ama, amar significa também ser livre.

Um ser que controla o outro não pode dizer que ama, porque a partir do momento em que alguém nos controla para estarmos no seu cativeiro o amor fica sufocado e morre.

Porém deus nos fez livres ele sabe que quem crê nele sempre voltara ao seu reino.

Existem homens que investem a sua energia em fazer o mal, e outros procuram fazer o bem!

Se o menino pensa que deus tem culpa de o menino ter perdido a sua perna, então o menino esta enganado, porque deus não se apraz no sofrimento dos seus filhos!

Enganado eu, tia Maria, como é que eu posso estar enganado se o que eu conheço é um deus incapaz de ajudar alguém, um Deus que somente existe na Bíblia!

Eu não estou enganado tia Maria, tomará que tivesse!

Eu sei que Deus que permitiu esta tragédia, pelo menos ele não evitou ao menos que me deixasse morrer, assim eu não teria tanto ódio dele!

Menino João; o menino odeia Deus?

Sim tia Maria, eu odeio Deus com toda minha alma!

Eu o odeio porque ele não me deixou morrer, eu o odeio, porque ele permitiu que o meu pai morresse tão cedo por todas essas coisas ruins que ele permitiu eu o odio.

Se ele fosse um pai conforme diz a Bíblia, deveria ter tomado melhor conta de mim!

O menino esta mesmo revoltado, ate parece estar possuído pelo demónio, nosso senhor Jesus Cristo que tenha misericórdia de si!

Será que o menino não sente nem um pouco de gratidão pelo facto de estar em vida!

Os seus camaradas morreram quase todos, só o menino mas o seu chefe é que sobreviveram, e o menino diz que tem ódio por Deus o ter salvado!

Isso é coisa de Demónio, só pode ser.

Só porque perdeu uma perninha, uma perna que pode ser substituída por uma perna artificial, esta a colocar a existência de deus em dúvida.

Menino João, a única coisa que vai mudar na sua vida é a forma de caminhar, você não caminhara menos que os outros, mas também não ficara parado.

Muitas vezes você caminhara mais devagar que os outros, mas isso não é o fim da vida!

Você caminhará com mais cuidado, observará melhor o lugar por onde pisa, os outros serão sim muitas vezes mais rápidos, mas quem caminha rápido também pode tropeçar com mais facilidade, você terá a vantagem de não tropeçar porque antes de colocar o pé no chão você olhará com muita atenção o lugar que você pisa, para além do mais o menino terá praticamente três pernas contando com as muletas!

Menino João veja isso como uma benção, pois nem todos tiveram tanta sorte como o menino!

Sorte, tia Maria; sorte de que o que é que a tia chama de sorte!

Ficar mutilado é sorte, é sorte ter de fazer chichi no bacio, é sorte precisar de ajudar para limpar o rabo, sorte é morrer tia, isso sim?

Essa é a maior tolice que eu já ouvi em toda minha vida tia Maria, se eu não tivesse tanto respeito por si diria muitas coisas feias!

Eu tenho muito respeito pela senhora, mas hoje acho que não é o nosso dia!

Acho que seria melhor a tia abandonar o meu quarto.

Não me quero aborrecer mais com a senhora.

Primeiro esta conversa sobre o amor de Deus, agora isso de sorte, por andar de muleta!

Me desculpa mesmo mas eu não quero ouvir mais nada!

O menino João está a levar tudo no gozo não é?

Olha menino isso do amor de Deus é pura verdade e para o seu sossego saiba que Deus não coloca minas, isso tudo é trabalho do ser humano, Deus não fabrica material de guerra!

O que eu disse sobre as muletas também é verdade, um deficiente físico é muito mais cuidadoso que alguém que tenha as duas pernas intactas.

O menino sabe que o seu chefe sobreviveu, não é?

Sim Tia Maria, mas o que é que isso tem a ver comigo e com a minha perna?

O seu chefe já saiu do coma, mais infelizmente ficou cego!

 Ele jamais poderá voltar a ver a luz do sol!

O menino tem alguma ideia do que é ser cego.

Existem coisas bem piores na vida do que ser mutilado!

Ai meu Deus, não pode ser verdade,

Tia Maria eu não entendo porque é que isso tudo esta a acontecer agora!

Logo agora que a guerra praticamente já terminou.

Os acordos de paz já foram assinados logo agora é que eu fico mutilado e o chefe Nando fica cego, para que é que nos vai valer a paz, um mutilado e outro cego!

Comecei a chorar tanto que a tia Maria teve mesmo dificuldades em me acalmar!

Chefe Nando, ai o meu chefe Nando, ficou cego, ai meu senhor Jesus Cristo!

Tia Maria pode visitar o chefe Nando por favor!

O chefe Nando, não pode estar cego um homem daqueles tao justo não merece tal coisa!

Aquele chefe que todos gostavam, a única pessoa com quem eu posso compara ao chefe Nando é o meu pai, dois homens que marcaram a minha vida, um já morreu o outro este cego! O chefe Nando era mesmo tipo meu pai, nunca vi no exército um chefe igual! Sempre calmo, mesmo á dar ordens nunca gritava como os outros chefes!

Ele sempre respeitou os seus soldados e nós todos tínhamos muito respeito carinho por nós!

Agora ele está cego, porque é que estes médicos não nos deixaram morrer!  

As minhas lágrimas começaram a rolar de novo, ultimamente choro bué, até pareço um peninas, volta e meia choro, o pior de tudo é que não consigo controlar as minhas lagrimas  ! Não sabia que a falta de perna tornasse alguém tao sensível!

Depois da tia Maria abandonar o quarto comecei a pensar em tudo, nos bons tempos em que eu ainda tinha as duas pernas, nas festas que às vezes dávamos no quartel, já que praticamente a guerra tinha acabado e, por isso, tínhamos muito tempo livre!

Nós convidávamos algumas moças das aldeias e elas dançavam connosco!

Eu era o rei das passadas, ninguém dançava melhor do que eu, até me deu o nome de “Rei da Kizomba “ Ai aquele passado!

No fim, cada um carregava uma moça e desaparecia, só o chefe Nando é que nunca carregava mulher nenhuma, eles permitiam que nós o fizéssemos mas jamais fez o mesmo!

Ele ama mesmo a dama dele, apesar de ele saber que nenhum de nós iria contar à esposa dele, nunca jamais a traiu, grande homem!

Eu conheço a esposa dele, é uma senhora muito simpática e muito bonita.

A última vez que a vi foi no mês passado, ela estava com uma barriga bem grande acho que ela não tinha só um bebe na barriga, devia ter gémeos!

Coitada já não conseguia andar direito por causa da barriga.

O Chefe estava sempre preocupado com ela, sempre que fosse possível ele telefonava!

Agora ele está cego, eu sempre pensei que ser mutilado fosse a pior coisa que nos podia acontecer, mas ficar cego é a pior coisa que existe, é como estar morto em pé!

A pessoa fica cem por cento dependente dos outros, até para fazer coco é preciso ajuda!

Será que agora só há notícias ruins, primeiro é a cena do pai da dona Isabel.

Eu preciso de abandonar esta cama, tenho de ver o chefe Nando.

Se lixe a minha perna, vou segurar numas muletas e vou sair deste quarto!

Há uma hora atrás julguei que era o homem mais infeliz do mundo, agora até o facto de estar mutilado já não me parece ser o pior de tudo.

Pela primeira vez depois destes acontecimentos todos, senti uma gratidão por ter apenas perdido uma perna e não a minha visão!

Que vergonha, e eu a quer-me matar por causa de ter perdido uma perna!

De repente o facto de eu ter perdido uma perna virou para mim algo secundário!

O meu chefe nunca mais verá o sol, não saberá por si próprio se é noite ou dia!

Não sei se as recordações dele são coloridas ou se ele esta numa escuridão completa!

Não quero nem pensar na esposa dele, agora com os bebes que acabaram de nascer!

Não, isso é demais para mim, não consigo imaginar nem quero saber como é ser cego!

Que Deus me perdoe, mas aquele burro do Chico é que devia ter ficado cego, aquele tipo nem a morte merecia, é sempre assim vaso ruim custa bué para quebrar.

O Chico era um burro de primeira classe, na cabeça dele reinava a estupidez humana!

Se houvesse premindo para gente ruim, eu mesmo compraria a coroa para ele.

A verdade é que uma pessoa que não muda para o melhor na tropa, é um caso perdido.

 Eu era kazukuteiro antes de ir para tropa, mas depois de estar na tropa mudei.

Também a tropa é a última estação para subir no trem da vida, ou você aproveita esta boleia ou você esta fora do jogo da vida!

 Agora o Chico era estúpido, burro e indisciplinado, por isso tinha quase todas as semanas um castigo e em geral era o de limpar as latrinas, todos nós gozamos com ele!

Limpar as latrinas era a pior coisa que pode acontecer a um soldado, é a ultima degradação, bem cada um pode cometer um erro, mas o Chico era já o erro em pessoa, por mim podia mesmo já passar a dormir nas latrinas.

Agora um burro daqueles teve o luxo de morrer e nós ficamos aqui com os nossos problemas!

Porquê eu, porquê o chefe Nando, porque nós dois?

Eu mutilo e o chefe ficou cego, é esta a recompensa de ter sido fiel!

Morrer seria neste caso um luxo, pelo menos para quem está cego; estar cego também é morrer um pouco! Para um cego até um suicídio é impossível, como é que ele vai encontrar uma arma, como é que ele vai encontrar uma varanda para se jogar abaixo, nada mesmo é possível fazer para morrer.

Eu sempre obedeci ao meu chefe, mas se ele agora me pede para lhe matar não o farei.

Apesar de ter jurado fidelidade ao exército, eu não o vou ajudar a morrer, caso o pensamento dele seja igual ao meu de querer por fim á vida.

Bem se a pessoa nasce cega acho que é algo diferente penso eu!

Mas agora ficar cego assim de repente é um castigo terrível é como estar preso a um pesadelo, é um sono onde não se dorme e também não se acorda!

Apesar de eu tambem estar moralmente em baixo, tenho de dar forca ao chefe Nando.

Amanha mesmo vou vista-lo tenho de falar com ele o mais rápido possível!

O pensamento sobre a cegueira do chefe Nando não me saiu mas da cabeça ate eu adormecer.

Nesta noite não pensei mas na minha perna, não pensei mais em matar-me, não pensei mais em recusar a visita da minha mãe!

Eu apaguei a luz mais cedo, fechei os olhos porque eu queria experimentar ser cego para saber como consolar o chefe Nando, mas sempre depois de uns cincos minutos abria-os porque não conseguia ficar mais tempo.

O chefe Nando não pode mais abrir os olhos, mesmo que ele queira.

Quando penso na cegueira do chefe Nando sente arrepios e medo!

O chefe Nando não merecia isso, eu pelo menos posso voltar a ver a minha mãe!

 Foi assim que antes de dormir pedi ver a minha mãe no dia seguinte, eu queria ver a minha mãe e os meus irmãos o mais rápido possível.

Nesta noite não foi fácil adormecer, a minha cabeça andava as rodas!

No dia seguinte despertei com o barulho da dona Isabel que estava a distribuir o matabicho!

Acho que a dona Isabel sente alguma simpatia por mim, pois ela deu-me dois pedaços de bolo bem grandes! Esqueci a minha greve de fome que queria fazer para morrer!

Quando viu que eu estava com muito apetite, começou a sorrir e depois disse:

Estou muito feliz pelo facto do senhor João ter resolvido ver a sua família, sabe senhor a família é o bem maior que nos é dado de graça, sem família até o dinheiro perde a sua graça estar de bem com a família é um milagre que muita gente não valoriza infelizmente!

Se o senhor quiser eu posso ligar para a sua mãe agora, mesmo e dar-lhe a boa nova!

O senhor quer que eu faca isso?

Sim dona Isabel, por favor telefone à minha mãe e diga que eu a quero ver ainda hoje!

Diga a minha mãe que se for possível gostaria que ela me trouxesse fungi com lombi e se tiver tortulho também que traga e meu irmão que me traga lápis de cor e um caderno para fazer desenhos, eu adoro fazer desenhos, agora que passo o tempo inteiro quase na cama posso desenhar ate a minha mão doer ou ate os lápis de cor gastarem todos!

Não se preocupe senhor João, eu vou já ligar para a sua mãe!

Dona Isabel espere eu ainda não terminei, por favor a senhora pode arranjar-me duas muletas é que eu já me sinto melhor e seria uma grande ajuda se tivesse umas muletas.

Eu gostaria imenso de sair da cama para visitar o chefe Nando!

Mas senhor João, eu acho que ainda é muito cedo para usar as muletas primeiro o senhor tem de fazer alguns treinos para evitar ferimentos.

Dona Isabel, eu estou mutilado mas não fiquei completamente inválido, eu tenho forcas suficientes para me apoiar as muletas sem ajuda de ninguém!

Amanha vira alguém que começara a fazer a fisioterapia com o senhor e só depois disso é que receberá as muletas senhor João!

Por favor eu preciso das muletas ainda hoje dona Isabel!

Eu quero ver o meu chefe dona Isabel, por favor faça-me este favor!

Eu vou ver o que posso fazer senhor João, antes disso tenho de falar com o senhor doutor.

Eu penso que o doutor vai mesmo autorizar isso.

É tanta coisa que esta acontecendo em um prazo de tempo tao curto!

São tantas informações que eu obtive depois de eu ter acordado do meu coma!

Mas agora tudo pode esperar, a interpretação do meu sonho, isso de eu querer-me matar também pode esperar, tudo pode esperar, só o chefe Nando é que não!

Se não fosse ele nem sei o que seria da minha mãe e da minha irmã! Ele ajuda muito em casa

A minha mãe continua a trabalhar como governanta graças a Deus, eles não passam fome nem lhes falta vestuário, só tenho às vezes pena da minha mãe por não ter tornado a casar, pois quando o pai morreu ela ainda era bem nova, não me atrevo a perguntar porque é que ela não quis um segundo marido, pois candidatos houve muito! 

Penso que ela não o fez por nossa causa, ou talvez por falta de tempo.

Ainda bem que o meu irmão não seguiu o meu exemplo de kazukuteiro !

Sempre obediente aquele puto, desde de pequeno até hoje, sempre bonzinho!

Ainda que a guerra não tivesse terminado ele não teria razões para temer.

Quanto à minha irmã, ela é mesmo um anjo, é o lindo e meiga como a minha mãe, mas tem o nariz muito parecido ao nariz do meu pai!

 É uma pena ela não ter conhecido o nosso pai, pois quando ele morreu ela tinha apenas um ano de idade! Ela sempre diz que o nosso pai esta no céu e que ele sempre olha por nós! Sempre que eu saí do quartel e vou passar alguns dias a casa ela fica alegre demais! Acho que ela vê em mim algo assim como um pai!

Meu Deus, como é que ela vai reagir em me ver sem uma perna! Será que ela vai ter medo de mim, talvez ela nem aceite entrar no quarto onde eu estou!

 Será que ela vai se rir de mim como eu me ria antigamente dos mutilados?

É tanta confusão na minha cabeça que nem sei bem o que pensar!

Agora já é tarde, a minha mãe vem juntamente com os meus irmãos. Seja o que Deus quiser!

É meio-dia, o sol hoje esta mesmo quente, apesar de eu estar aqui dentro posso sentir a intensidade com que el brilha, pela primeira vez, comecei a repara bem o lado de fora do hospital através da janela, quem me dera puder estar do lado de fora!

 Havia muitas arvores a cercarem o complexo hospitalar, como eu me encontrava no segundo andar podia ver ate ao longe, o hospital encontrava-se distante da cidade!

Foi exatamente neste momento que comecei a pensar na dificuldade que terei em subir as escadas da nossa casa, pois nós tínhamos uma vivenda onde os quartos de dormir se encontravam no andar de cima!

 Como é que hei-de superar esta dificuldade, talvez andado de gatas ou terei de saltitar! Lembro-me de como é que a minha irmã descia as escadas quando ainda era muito pequena! Ela descia sentada e arrastava-se como se fosse uma serpente, a gente achava graça!

Ao subir as escadas também era bem engraçado, ela ia de gatas, degrau por degrau!

De que jeito a gente sobe ou desce as escadas não é importante de gatas aos saltos de cócoras, importante é não desistir!

Pelos visto terei de voltar ao estado latente para subir e descer as escadas!

 Se a minha irmã com um ano conseguia isso tudo, também terei de conseguir com uma perna

Enquanto eu pensava nas escadas da nossa casa nem reparei que a minha mãe e os meus irmãos tinham acabado de chegar!

Foi um grande espanto quando olhei em direção à porta e vi eles todos ali, parados a olharem para mim como se tivessem passado anos sem nos vermos.

Não aguentava de tanta alegria e felicidade ao vê-los ali junto de mim!

Mano João, mano João dizia a minha irmã sem parar, ate que fim, nunca mais te vi, dizia a minha irmã, ela agarrou-se á mim com tanta forca que ate tive um pouco de dificuldade em Estas bem mano, num fica mais aqui no hospital, la em casa tem lugar mano!

Eu estava com saudades do mano, a mãe me disse que o mano estava doente no hospital!

 Fiquei com muito medo mano João porque a mãe me disse que estavas com uma ferida muito grande e que vai demorar um pouco para curar, é verdade mano?

Sabes Mano João eu pensei que o mano ia morrer, mas depois pedi ao nosso pai para te salvar, mano o pai me ouviu, por isso é que o mano acordou e agora já não vais morrer mais mano João, eu sei que o mano vai ficar bem e a tua ferida vai ficar boa!

Obrigada Sabina, por teres rezado por mim, eu não vou morrer agora, talvez um dia quando estiver bué velho, mas agora acho que não vou morrer!

Estás a ver-me mãe, agora já não precisas de chorar mas todos os dias e pensar que o mano João vai morrer, ouviste que ele só vai morrer quando for velho!

Eu te disse que o pai não vai deixar o mano João morrer, não me acreditaste mãe, agora estás a ver mãe, eu te disse que o mano vai ficar bem!

Mano João, eu até sonhei mesmo com o pai, ele me disse no sonho que o mano não vai morrer ele disse que também já te visitou aqui no hospital, mas disse para ti não ficares mais triste. Quando eu contei isso na mãe ela diz que eu sou maluca da cabeça, a mãe diz que eu não posso sonhar assim com o pai porque quando ele morreu eu era ainda muito pequena!

Quando a mãe fala assim comigo fico triste, eu não sou mentirosa mano João!

Me acredita só mano João, eu costumo mesmo a sonhar com o pai, no sonho ele não esta morto mano, não sei explicar, mas ele fala e anda no sonho!

Eu acredito sim sabina e sei que tu não és maluca da cabeça!

Quando a mãe diz que tu és maluca da cabeça não é para te ofender, ela apenas acha que tu falas muito, a mãe sabe que tu não és mentirosa!

Agora foi a vez de o meu irmão me saudar, ele deu-me um abraço e uma palmada no ombro!

Cota João tudo vai ficar bem , não fiques triste, eu vou te ajudar , não tem makas !

Meu puto obrigado pela força e também obrigado por ajudares a mãe e a Sabine!

Nisso tudo reparou que a minha mãe estava lutando contra as lágrimas!

Vi o esforço que ela fazia para não chorar, coitada da minha mãe.

Ela chegou perto de mim e abraçou-me como se eu fosse uma criancinha, sem nada dizer deu-me um beijo na testa e largou-me!

Quando ela me abraçou senti o quando ela tremia, o seu coração batia com tanta forca que ate fiquei com receio de que ela fosse ter um ataque cardíaco.

A minha irmã notou que o clima estava a ficar pesado, e logo começou a relatar.

Mano João, nó te trouxeram comida, a mãe fez pirão com lombi, tortulhos com óleo de palma, eu já provei tudo em casa, esta bem bom se sobrar vou comer mais mano!

Ate loyengos nós trouxemos, a mãe comprou lápis de cor novo e também um caderno para fazer desenhos, ela ficou bem contente quando a enfermeira falou com ela ao telefone!

Muito obrigada pela comida mãe, desculpa por eu ter voltado da tropa sem perna mãe, eu não queria isso, agora era eu que estava a lutar contra as lagrimas, a minha garganta doía e os meus olhos ardiam por causa das lagrimas que eu estava tentando controlar!

 Eu queria que a mãe sentisse orgulho de mim depois da guerra eu queria mostrar a mãe o quanto mudei eu queria ate tornar a estudar e fazer uma formação, agora estou aleijado mãe. Eu pensei muito durante o tempo da tropa e hoje eu sei que eu não fui um bom filho! Desculpa por todo mal que eu lhe causei minha mãe!

Sabe eu não queria que o pai morresse, por isso que fiquei assim tipo maluco depois de ele morrer, eu também queria morrer, eu vi que a mãe estava a sofrer por causa da morte do pai por isso não tive coragem de falar com a mãe o quanto eu sentia a falta do pai!

Meu filho, o que passou, eu sei que a morte do teu pai te deixou muito fraco mas também sei que tu tens um coração de ouro o passado não importa meu filho!

Agora temos de olhar para frente e fazer o melhor.

Coração de ouro sem perna minha mãe não vale nada!

Não digas nunca mais uma coisa deste João, isso é coisa de pateta!

 Uma perna pode se substituir, mas um coração quebrado não!

 Tu és o meu menino de ouro e eu te amo com ou sem perna, entendeste; tu és meu filho! Nós somos uma família e o facto de tu teres perdido uma perna não mudará o afeto que nós temos por ti meu filho, tu és uma parte de mim de nós.

Olha eu já falei com o meu chefe, tu sabes que ele é Ortopedista, ele disse que assim que saíres daqui do hospital, começará os treinos de reabilitação contigo e que arranjará uma prótese muito moderna para ti meu filho, todos te querem ajudar!

Ele manda-te muitos cumprimentos e diz para teres muita força.

Mãe eu tenho muito medo, tenho medo da reação das outras pessoas, tenho medo de que as pessoas me abusem na rua ou mesmo que me joguem com pedras!

A mãe sabe muito bem, que mesmo eu já abusei os mutilados, a mãe sabe daquela vez que um deles me bateu ate com a muleta na cabeça, sangrei bué e em casa apanhei mais outra surra, não sei o que mais me doeu, a pancada do mutilado na minha cabeça ou a surra que a mãe me deu com o a colher de pau, fiquei arrependido de ter dito a verdade naquele dia!

O rapaz que eu abusei devia ter mais ou menos a idade que hoje eu tenho!

Que vergonha sinto hoje de mim, chamei o infeliz de mutila durante uns dez minutos, mutila, mutila gritava eu, e corria de um lado para outro.

Mutila, mutila, eu estava a dar bué de fintas até que ao querer dar mais uma finta escorreguei e ele atirou-me com a muleta na cabeça!

A muleta fez um buraco na minha testa e o sangue começou logo a correr, apanhei um susto, pensei mesmo que ia morrer, não sabia que o sangue era assim tao quente.

As pessoas que assistiram a cena cometeram a rir-se de mim e chegaram mesmo a dizer bem feito, a culpa é toda tua, criança mal criada!

Tive de despir a camisa para amarrar na cabeça  

Em casa eu contei que tinha acontecido, eu disse a verdade e contei que tinha abusado um mutilado, eu disse tudinho a minha mãe, até hoje me arrependo de ter contado aquilo a minha mãe, a recompensa da verdade foi uma surra daquelas!

Lembro-me como se fosse hoje, lembro-me de todas as palavras que a minha mãe me disse.

E assim começou ela a falar comigo depois de me ter dado a surra, ela falava comigo eu não parava de soluçar, apesar de ela não me ter feito nenhuma ferida e dar não deixou de ser menos, mas ela fez um curativo à minha ferida da testa, durante este tempo ela não parou de falar comigo, o tom da sua voz já não era tao ruim como antes de me surrar, mas mesmo assim ela estava muito desapontada pelo meu comportamento.

 Escuta filho: ninguém pediu a Deus para ficar mutilado, estes pobres homens e mulheres que perderam as suas pernas, não o fizeram por livre vontade nem por brincadeira!

 Essa gente sofre muito, e muitas vezes são rejeitados pela própria família muitos deles tinham esposas que por causa da sua invalidez física se separam!

 Não compreendo mesmo como é possível deixar alguém na altura em que mais necessita!

 A família os abandona e a sociedade goza com eles e vocês crianças zombam deles e por vezes mesmo até atiram pedras, tanto sofrimento!

Achas isso bom João, achas bom zombar de alguém que já esta a sofrer?

Achas este comportamento bom, meu filho, pois não é por seres crianças que tens o direito de magoar os outros, não tornes nunca mais a fazer isso!

Não voltei a faze-lo. Graças a Deus, sempre que vejo alguém com uma deficiência penso na surra e nas palavras da minha mãe, desde daquele dia nunca mais me ri de ninguém!

Naquele dia da surra também prometi-me a mim mesmo educar os meus filhos de forma a não abusarem nunca uma pessoa seja ela deficiente física ou mental!

 Agora também sou um deles, sou um renegado, toda gente se esquece da função de um soldado que é de defender a pátria ate á última gota de sangue, lutar até à morte!

 Um soldado não pode fugir do perigo e também não pode mostrar o seu medo!

Quando se é mutilado fica-se a beira da sociedade, é como se nós próprios fossemos culpados da nossa desgraça, responsáveis talvez pela nossa má sorte!

 Todos olham para nós como se fossemos fezes, lixo!

Agora tenho de me concentrar pois a minha irmã até aqui não parou de relatar, fala sem pausa a minha irmã quando começa a falar não para tipo que engoliu pilhas, fala, fala, devia trabalhar na rádio, quando for grande talvez!

Apesar de ela ser como um anjo as vezes ela é chatinha!

Mal abre a boca não consegue fechar, não sei como é que ela nunca engoliu moscas!

Bué de perguntas, rajadas de perguntas, não sei como é que cabe tanta dúvida numa cabeça tao pequena, tantas histórias numa pessoa tao pequena; eu admiro a minha irmã.

Foi quando ela sem mais nem menos resolveu ver a minha ferida, eu não queria que ninguém visse o resto da minha perna, pelo menos hoje não queria isso.

Mano João posso ver a tua ferida, faz favor ya!

Sabina, desculpa, mas não quero que tu vejas a minha ferida!

Faz favor mano, eu não vou falar nada nos outros, eu nunca falei na escola que o mano agora só tem uma perna! Mano faz favor só! Juro mesmo não vai dizer nada a ninguém!

Ela insistiu tanto que depois eu destapei as pernas, não a perna, ainda não me habituei a usar o singular quando falo da minha perna, sempre digo pernas!

Olha Sabina, já viste tudo! Já chega?

O mano João esta a fazer-me medo, esta a falar assim porquê? Eu só quero ver a tua ferida!

Sim Sabina, e eu já te mostrámos!

Mano a perna até não está muito curta, se calhar vai crescer outra vez! Mano os meus dentes, estás a ver!

Ela abriu a boca para que eu visse que ela estava desdentada!

Mano João, os meu dentes caíram, mas estão a crescer de novo, se os meu dentes que são bué estão a crescer, então a perna do mano também vai crescer!

Espera só, eu sei que a tua perna vai crescer outra vez e já não vais ficar mais aleijado!

Quando a minha irmã acabou de falar a minha mãe mais o meu irmão começou a chorar!

Acho que foi por ver tanta inocência!

Eu comecei a comer o meu pirão com os condimentos que só mesmo a minha mãe sabe fazer daquele jeito, gostoso e saboroso!

Estava tudo tao bom, se o hospital contratasse a minha mãe para ser cozinheira, acho que os pacientes sempre iriam pedir bis e quem sabe ate sarassem mais rápido!

 Os loyemgos comi como sobremesa, é mesmo bom ter uma mãe  !

João quando é que sais daqui meu filho, sabes desde do falecimento do teu pai que passei a detestar os hospitais, não gosto mesmo destes estabelecimentos hospitalares!

Eu quero ver-te com mais frequência meu filho, mas não no hospital; quero que venhas para casa assim pode cuidar melhor de ti e velar pela tua boa alimentação; olha só como é que emagreceste, isso não é só do acidente!

Eu sei como é que é que a comida do hospital, as pessoas que não têm família por vezes chega mesmo a morrer de fome dentro do hospital por causa da má alimentação!

Mãe eu não sei quanto tempo é que hei-de de ficar neste lugar, a mim também não me agrada estar hospitalizado, é o pior castigo que existe!

 O doutor diz que esta tudo a cicatrizar bem, isso já me deixa aliviado, pois se eu pegasse! Penso que dentro de um més o mais tardar poderei ir para casa!

Não te preocupes com as escadas la em casa, nós vamos montar a tua cama na sala, assim facilita-te no início ate tu te acostumares a esta nova situação!

Mãe não te incomode tanto comigo, eu não quero que vocês tenham tanto trabalho por minha causa, eu hei-me conseguir subir as escadas de muletas, não precisa montar a cama na sala, não quero que nada mude lá em casa mãe, assim me sinto menos aleijado!

Não quero que vocês me vejam como vítima, isso me tira a força de tentar levar a vida como antes do acidente, peco-vos que não me tratem como um deficiente!

Eu sei que terei muitas dificuldades, mas sem as pessoas me aceitarem assim como eu sou, será menos difícil para eu me integrar novamente na sociedade.

 Eu quero continuar a dormir no meu quarto e quero subir as escadas como antes, mesmo que leve mais tempo que antes eu sei que vou conseguir!

A dona Isabel vai ensinar-me a andar de muletas e também como subir e descer as escadas!

Ela é uma enfermeira muito simpática, todas são simpáticas, mas a dona Isabel e a tia Maria são as mais simpáticas não sei o que seria de mim aqui neste hospital sem enatas duas pessoas!

A visita foi tao longa que no fim eu comecei a sonegar, acho que cheguei mesmo a dormir alguns minutos, que cansaço, não sabia que não fazer nada também cansa!

Esta bem que eu durmo muito por causa dos medicamentos que tomo contra as dores, mas também durmo muito por não ter nenhum passatempo, isso me cansa!

Ainda bem que a minha mãe notou o meu cansaço ela despediu-se de mim, pegou nos meus irmãos e os três fora-se embora todos felizes, ele estavam felizes e eu também fiquei muito feliz, apesar do cansaço adorei mesmo a vista deles, antes de sair a minha mãe ainda disse:

Até amanhã meu filho, quando quiseres algo é só pedires uma das enfermeiras para telefonar!

Tchau mano João, amanhã não posso vir, amanhã vou passear na estufa com as minhas amigas, mas não fica triste ya mano João!

Disse a minha irmã, antes de sair, possas; esta miúda fala que chega, nunca vi!

Epá kota, fica bem, a malta vê-se no fim-de-semana, os teus avilos querem te ver!

Agora foi a vez do meu irmão, ele é uma bênção para a minha mãe, sem ele não sei o que seria dela, quando olho para ele é como se estivesse a ver o meu pai, a estatura e o jeito meigo é tal igual ao pai!

Esta bem Puto não há makas, vai bem então!

Foi muito bom estar com a família, mas agora preciso de dormir, estou mesmo acabado, acho que foi da comida! Nunca mais tinha comido assim tanto e tão gostoso!

Devo ter dormido mais de uma hora, até que a dona Isabel entrou para se despedir!

Senhor João o meu turno terminou, amanha não virei porque vou acompanhar a minha mãe ao aeroporto, ela vai ver a minha avó a Benguela, apareceu uma boleia.

Os voos directos para Benguela já não existem há bastante tempo, isso complica muita coisa!

De carro nem pensar, mesmo que já se tenham assinado os acordos de paz, ainda existem muitos frustrados por aí, e depois também existe o perigo das minas!

Só indo por Luanda ou de avião militar, coisa que dependia muito da sorte de cada um!

A minha mãe é professora de um rapaz que o pai é piloto das forças armadas, por isso se conseguiu esta boleia, é necessário cunha para tudo, às vezes até para passar de classe !

Bem então passe bem senhor João, depois de amanhã eu estarei de volta!!

Vá com Deus, dona Isabel e obrigado por tudo, obrigado também por me ter arranjado as muletas amanhã mesmo vou começar a andar com elas!

Eu vou ver o chefe Nando no quarto dele, depois eu conto-lhe como foi!

Estou mesmo ansiosa em saber como é que ele vai receber o senhor João, pois connosco até aqui ele não abriu a boca, talvez consigo ele fale.

Mal a dona Isabel fechou a porta, levantei-me da cama e fiquei sentado a pensar no chefe Nando, apesar de a minha vontade ser grande de voltar a vê-lo também tenho muito receio da reacção dele, se ele não quer falar nem com os médicos, será que vai querer falar com um soldado ou ex-soldado, não sei se é boa ideia visitá-lo!

As muletas estavam encostadas à cama por isso não foi difícil segurá-las foi uma sensação estranha para mim, eu tremia por causa do medo, até comecei a suar com medo de não conseguir e escorregar com as muletas, que tormento!

Mas para o meu espanto dei o primeiro passo e não foi nada difícil, fiquei a andar de um lado para outro, parecia uma criança que tinha recebido um novo brinquedo!

Graças a Deus estava sozinho, assim não precisa de ter receio que alguém se risse de mim!

Como o quarto não era grande, andava às voltas, de um lado para outro!

Agora só preciso de uma calça para poder sair deste quarto e vistar o Chefe Nando !

Para vestir a calça não vou precisar de ajuda, ainda bem!

De repente abriu-se a porta do quarto e vi entrar o senhor doutor!

 Ele ficou de boca aberta ao ver com que habilidade é que eu utilizo as muletas!

 Quando dei conta de que o doutor gostou de ver, continuei a dar mais voltas e a caminhar mais rápido, ate que ele disse, quase mesmo que escorregava!

Calma, calma, senhor João, vá devagar e com cuidado, afinal de contas o senhor não está com pressa, já imaginou se você escorrega e quebra a outra perna? Por favor tenha muito cuidado ao andar com as muletas senão vou mandar a enfermeira retirá-las!

Desculpa senhor doutor, eu estava muito entusiasmado, mas prometo de agora em diante ter mais cuidado ao andar com as muletas!

Muito bem senhor João, assim fica mais descansado, pois é uma responsabilidade muito grande, caso o senhor quebre a perna ou o abraço, muito cuidado!

 Diga-me lá, como é que o senhor se sente, ainda muita sente muita dor?

Sinto-me melhor quanto a dor já diminui bastante agora que já sei caminhar mais ou menos com as muletas, até a minha moral já levantou!

Senhor doutor, posso visitar o meu chefe Nando?

Eu penso que sim, mas eu quero que o senhor saiba que o senhor Nando até aqui se recusa a falar com qualquer pessoa, mesmo com a esposa dele ele não fala!

Não faz mal senhor doutor, eu sei que o chefe vai falar comigo!

Esta, senhor João, mas isso só será possível amanhã; pois o senhor Nando teve hoje outra operação porque descobrimos mais alguns estilhaços, ele está neste momento na sala de reanimação, para obter cuidados intensivos!

Não faz mal senhor doutor amanha eu visito o chefe Nando, logo depois do matabicho!

Bem senhor João, eu estou aqui para falar sobre o seu estado de saúde!

Eu acho que o senhor esta a recuperar-se muito rápido, quanto ao seu estado mental penso que também melhorou bastante, as enfermeiras têm-me relatado apenas coisas positivas! Hoje mesmo vi a sua mãe juntamente com os seus irmãos, isso me deixou muito feliz! Eu já estive aqui, mas o senhor estava a dormir!

Se o senhor João quiser pode dentro de uma semana pode ir para casa, cá no hospital virá duas vezes por semana para fazer os curativos! Quando as feridas estiverem completamente saradas pode começar com a fisioterapia!

Muito obrigada senhor doutor!
Pelos visto o senhor João gosta de fazer desenhos!

Sim senhor doutor; desenhar é uma das coisas que eu sempre gostei de fazer!

Se houvesse uma escola de desenho, juro que nunca faltaria a uma aula sequer!

 Eu sempre gostei de fazer desenhos, na escola eu sempre fui o melhor!

Fico feliz em saber disso, pois agora o senhor terá muito mais tempo para fazer desenhos!

Conforme o senhor João vê, as suas mãos não ficaram lesadas, por isso continue a fazer o que gosta, isso é desenho, faça pinturas, isso também ajuda o espirito!

Senhor doutor; como é que o senhor este a falar de espírito, o senhor é pastor da igreja ou é doutor do hospital, não entendo muito bem isso de espírito!

Será que um mutilado também tem espírito senhor doutor?

Ou será que o senhor esta a falar assim comigo por eu ser mutilado!

 Não senhor João; eu digo isso, porque acho mesmo bom ter uma vocação como essa!  

Desenhar também é uma forma de superar certos traumas, tal como este trauma que o senhor esta vivendo agora, tem a certeza que um dia isso vai passar

 Acredite que a pintura o ajudará mesmo a vencer esta crise!

Doutor eu não tenho crise nenhuma, eu estou é farto de estar aqui neste hospital!

 Claro que sim senhor João, quando eu falo de crise não quero com isso dizer que o senhor esta maluco, mas a verdade é que perder uma perna não é coisa que se supero tao rápido! Quando eu digo que a pintura lhe fara bem, não quer isso dizer que o senhor esteja deprimido

Desculpa senhor doutor, eu não sei porque é que fico furioso com tanta facilidade, antigamente eu não era assim. Mas agora me irrito com muita facilidade!

Não se preocupe com isso é normal no seu caso, o senhor um dia vai superar isso tudo!

 O senhor é um rapaz muito novo e tem muita energia!

Depois disso o doutor despediu-se de mim e abandonou o quarto!

Assim que o doutor saiu do quarto, fiquei muito pensativo, pensei mesmo em me tornar em um pintor proficional, pois eu já ouvi falar de muitos pintores famosos!

Apesar de não saber bem o que ele quis dizer em relação a pintura e o meu estado de espirito!

 Pois não sei mesmo o que é que uma coisa tem a ver com a outra!

 Ate que de repente me lembrei do meu colega de turma que tinha sido expulso da escola por causa dos desenhos que ele tinha feito!

Pois é; ele desenhou uma mulher nua com umas xuxuas bem grandes, nem cuecas tinham a mulher que ele desenhou, nunca vi tal coisa, uma mulher mesmo perfeita!

As xuxas eram bem rijas, barriga bem formada a bunda então nem se fala!

Eu sei fazer desenhos, mas não daquela maneira tao perfeita, ate dava vontade de beijar as mulheres que ele desenhava, já cheguei mesmo a sonhar com uma daquelas figuras.

Foi assim que um dia ele sem pensar nas consequências escondeu um dos desenhos no livro de química, azar dos azares, uma colega pediu-lhe o livro emprestado e ele esqueceu de tirar o desenho do livro, sarilhos, se fosse um rapaz tenho a certeza que apenas teria curtido o desenho sem queixar a professora ou professore, o máximo que podia acontecer é ele roubar o desenho e em casa aprontar coisas!

As mocas as vezes são mesmo complicadas, em vez de calar só, não, foi mostrar o desenho ao professor, coitado do meu Kamba, ele nem sabia o que dizer, ainda por cima ele era mesmo bom a desenhar, aquele desenho não deixou duvida nenhuma do que se tratava!

Pura nudez, até os mamilos ele fez escuro e o resto vocês já podem imaginar!

 Quando o professor de química viu o desenho, ficou sem folego, saiu da sala e voltou com o director, os dois entraram na turma feito fúrias!

Em seguida chamaram o meu Kamba, pediram para que ele os acompanhasse no gabinete!

Começou logo a fofoca na turma, mesmo antes dele voltar para a turma, já estávamos todos a pensar no castigo que ele teria por ter feito aquilo, as raparigas o repudiaram mas os rapazes batiam palmas. Só eu que não sabia o que dizer, pois eu sei muito bem que desenho era e com que perfeição é que ele o fizera, eu era mesmo um dos seus admiradores.

Depois de uns minutos o meu kamba voltou com os olhos bem vermelhos e pegou no material escolar dele, sem nada dizer saiu, neste momento senti uma dor muito grande dentro de mim

Não entendo porque castigar alguém por causa de um mal-entendido, ele não quis magoar ninguém com aquele desenho, apenas expressou algo que ele muito admirava.

Depois das aulas fui a casa do meu Kamba para saber da maka. O meu kamba estava bem lixado com a colega que mostrou o desenho ao professor, ele estava mesmo a bufar de raiva!

João eu vou dar uma surra naquela gaja, eu vou lhe sangrar, vou lhe encher a cara!

A gaja pede-me o livro e eu todo burro empresto, e como agradecimento agora fui expulso !

Eu nem sei o que vou dizer aos meus pais, eles vão matar de surra!

 O director disse que agora vou ter de estudar à noite, isso é bué malaico, à noite só tem velhotes e as damas que estudam à noite já são bué kotas, em geral já são casadas!

 Ainda por cima de noite não há educação física e eu gosto de fazer educação física!

Nem vou poder ver as novelas das vinte e trinta, porra meu, estou mesmo bué lixado!

Estou mesmo a bufar de raiva daquela gaja, cachorra de um raio, eu acho que ela ficou mazé é com inveja da moça que desenhei, porque não se parece nada com ela, já reparaste nas chuchinhas dela e a bunda dela ate parece uma biafra, a única coisa que se parece com ela é a barriga, mas João, é minha culpa? Quem lhe mandou ser tão magra.

E agora que a telenovela esta mesmo a kuiar bué, não posso acreditar nisso tudo João!

Calma meu kamba; não vale a pena dar surra a Júlia; e depois se tu lhe deres surra vais ser expulso da escola nem de noite vais poder estudar!

Aguenta só meu Kamba, tens de estudar de noite é melhor do que ser expulso da escola meu, quanto a novela, eu vou sempre contar-te como é que as coisas estão, quantas damas eu conheço muitas damas que estudam de noite e que não são ainda kotas, e mesmo as kotas também são bué fixe, pelo menos não são queixinhas!

Mas tu achas que se eu der uma porrada à Júlia, ela vai fazer queixas ao director?

Mas é claro que ela vai dizer ao director, tu sabes muito bem que o director já te tem na mira há bastante tempo, ele já não te queria mais ver na nossa turma, isso do desenho é só uma desculpa de mau pagador, toma cuidado meu!

 Lembras-te daquela vez que tu trouxeste um pedaço de espelho para espreitar as cuecas das colegas? Pois; daquela vez já te perdoaram, agora fazes este desenho de mulheres nuas, isso é mesmo brincar com fogo meu Kamba, tens de ganhar juízo meu!

Sim, meu tens razão João, eu não entendo porque é que eu as vezes cometo tanta asneiras!

Bem que eu tento me controlar ou pelo menos controlar os impulsos que vêm de dentro de mim, mas é difícil, as vezes ate parece que na minha cabaça tem uma outra pessoa que me manda fazer coisas que eu não quero, já cheguei a pensar no Demónio meu Kamba!

Sabes que o senhor director me perguntou se eu já violei alguém!

E o que é que tu respondeste, não me digas que já o fizeste?

João meu kamba, tu também pensas o mesmo ou que achas que eu sou um monstro?

Posso mesmo gostar de mulheres a ponto de fazer desenhos, mas violar nunca!

Não é isso meu, eu não acho que sejas um  monstro violador , mas tu só falas de mulheres e agora até fazes desenhos de mulheres nuas , tu mesmo dizes que às vezes fazes coisas que não queres e que na tua cabeça às vezes ouves vozes, o que é que queres que eu pense?

João meu Kamba só porque eu sou crack a desenhar, achas que assim sou um violador, isso é normal cada um tem uma vocação, e a minha vocação é de fazer desenho de mulheres nuas, ou queres que eu desenhe árvores e flores em vez de mulheres?

Eu não te vou mentir João, eu gosto mesmo bué de mulheres, mas violar, isso nunca!

Ainda bem meu Kamba eu posso ser Kamba de um desenhador de mulheres nuas, mas de um violador nunca, te juro mesmo por Deus.

Tu sabes muito bem o que é que os violadores passam no kuzo, lhes dão mesmo do buraco meu, não há perdão e quando saíres do kuzo tens de abandonar a tua cidade por causa da má fama, um violador não se difere muito de um assassino!

Deus me livra João, eu não quero nunca ir no Kuzo, prefiro mesmo estudar de noite !

Então meu Kamba, esquece essa maka com a Júlia, afinal a culpa é tua, quem te mandou levar o desenho para escola, devias ter tido mais cuidado e deixar isso em casa!

Sim meu, tens razão, não vou bater à Júlia, deixa só Deus já vai castigar um dia; magricela de um raio, as pernas dela ate parecem de uma girafa esfomeada!

Aquele meu Kamba da escola tinha a vocação de desenhar mulheres nuas, mas os meus! Bem quanto a mim, os meus desenhos dependem de muitos factores!

Antigamente fazia muitas caricaturas, desenhava os professores em forma de caricatura, eles adoravam isso, acho que era por falta de fotógrafos; eles levavam os desenhos para casa!

Eu conseguia fazer retratos lindos e cada um podia reconhecer o seu rosto!

Agora assim aleijado; nem sei mesmo se serei capaz de desenhar mas alguma coisa!

Não sei se o meu puder de imaginação também não sofreu alteração, eu já notei muita mudança em mim, como é o caso de eu me irritar com muita facilidade!

Não quero mais pensar em desenhos, quero é treinar andar de muletas, já consigo mesmo andar de um lado para outro sem tremer nem tropeçar!

Depois de alguns treinos de muletas, comecei a sentir-me cansado, tornei a sentar-me!

Peguei no caderno de desenho e nos lápis de cor, não sabia bem o que desenhar, depois de ter arruinado três folhas do meu bloco de desenho, resolvi parar!

  Eu bem sabia que esta amputação também afetou a minha cabeça, antigamente eu era tao fácil para mim fazer desenhos não precisa de pensar muito, só necessitava de lápis de cor e papel; agora estrago três folhas brancas a fazer rascunhos e não consigo desenhar nada! Nada de nada, será que o meu cérebro estragou quando acionou a mina!

Antigamente não chorava com facilidade e também quase nada me enervava, agora mudou tudo em mim, não me da vontade de fazer mais nada, sinto completamente diferente, já não sou o quem era antes, como é que uma lesão na perna pode afectar a minha personalidade, sim perdi a minha perna caramba mas cada o meu juízo a minha paciência, a minha vocação de desenhar, onde estou eu, o meu eu já não existe!

Eu estou vivo, sim vivo morto!

Quando penso no que eu era antes e no que sou agora, não sei mesmo se vou conseguir fazer algo na minha vida, não vejo perspectiva alguma para mim!

Nunca pensei que ser mutilado fosse tao difícil e tao triste, jamais pensei que um dia eu me fosse encontrar numa situação destas, nem já nos meus piores pesadelos, nunca sonhei com tal coisa; e agora estou aqui neste quarto, nesta cama e não sei o que fazer da minha vida, nem forca ou melhor coragem para me matar eu tem. Já que agora dei numa de acreditar em sonhos, tenho medo de me matar mas também tenho medo de continuar a viver!

É uma luta tao difícil dentro de mim, uma parte de mim diz que eu posso superar esta crise, conforme diz o doutor, outra parte de mim diz para eu desistir de tudo e fechar os olhos para sempre, está a ficar tipo o meu kamba da escola, agora entendo porque é que ele dizia que na cabeça dele a vez ouve vozes que lhe mandam fazer coisas que ele não quer mas que no fim acaba fazendo, agora também sou eu a passar por isso!

Eu julgava que ele fosse maluco ou que estive possuído pelo Demónio, afinal é assim quando entram vozes estranhas na cabeça, não dá para expulsá-las.

Bem que eu tento me concentrar em uma outra coisa, mas isso não resulta, quanto mais se foge de um pensamento mais ele gruda no miolo.

Não sei quais destas duas vozes hei-de ouvir, quais destas vozes é a minha conselheira!

Não sei se neste estado serei uma ajuda para o meu chefe Nando, mas talvez isso me ajude a afugentar a voz do suicídio, pois esta voz é que fala mais alto neste momento.

Já que tomei esta decisão de visita-lo também assim o farei, com ou sem vozes na cabeça, desta vez quem ganha sou eu e não a disputa no miolo.

 Não me interessa o que as vozes hoje têm para me dizer, hoje tenho de ver o meu chefe!

  E sem muito pensar foi assim que peguei na calça que a minha mãe trouxe e vesti; é mesmo muito estranho encaixar apenas uma perna na calca, do lado onde faltava a perna vinha um grande vazia e um frio estranho que foi subindo ate á espinha ao ponto de me causar mesmo calafrios, e os sapatos, a mãe trouxe os dois sapatos, mas agora só necessito de um pé.

Será que ela se esqueceu deste pormenor de mim apenas necessitar apenas de um sapato?

Não acho que ela se tenha esquecido , muito mais , eu acho que ela teve receio é da minha reacção caso ela trouxesse só um sapato .

Isso é uma situação mesmo muito chata e complicada para todos.

Por um instante até me ri um pouco da minha situação, pensei na maneira de poupar dinheiro pois se eu arranjar um amigo também mutilado vamos facilitar-nos a vida, mas tem de ser um mutilado que lhe tenha sido amputado a perna esquerda e tem de ter o mesmo número de sapato que eu, senão não iria adiantar nada!

Assustei-me quando dei por mim, pois eu estava mesmo numa gargalhada bem alta.

Será que estou a enlouquecer, como é que me posso rir de algo tao serio e tao triste?

Só os loucos é que se riem de tudo e de todos, mas mesmo assim nunca se riem de si próprio, só posso estar mesmo a enlouquecer, tomara num lugar desses e sem perna tudo é possível.

A gente dividia assim as despesas e cada um ficaria com um sapato!

Depois deste ataque de risos, tive uma sensação de alívio, cheguei a sentir ate mais forca no meu corpo, que estranho; será que o riso pode curar a minha tristeza?

Assim que parei de rir, peguei na minha camisa e coloquei-a, não me esqueci9 também de colocar um cheirinho, pois as muletas me faziam transpirar muito e eu não queria deixar mau cheiro por onde eu passasse, assim não iriam dizer: Mutilado mau cheiroso!

Segurei nas muletas e sai do quarto em direcção ao quarto onde estava o chefe Nando!

Quanto mais me aproximava mas rápido batia o meu coração quase que não conseguia respirar direito, tive mesmo de parar um pouco para puder respirar melhor!

 Passei a mão pela minha testa e senti que estava molhada, estava a transpirar, não sei se era de medo , receio ou se eu estava apenas cansado !

Quando já estava em frente à porta do quarto do chefe Nando fiquei com receio de bater! Meu deus, eu nem sei como é que ele esta, as enfermeiras disseram que até aqui ele não disse uma palavra sequer! Agora eu estou aqui cheio de medo, nao sei se bato na porta ou não agora é tarde não posso recuar, cheguei até aqui tenho de enfrentar a realidade!

Bati primeiro devagar, mas não obtive respostar nenhuma, tornei a bater mas forte e nada!

Bati a porta durante uns cinco minutos mas não obtive resposta, foi assim que resolvi entrar mesmo sem permissão do chefe, estamos no hospital e não no quartel por isso entrei!

Eu pensei que estivesse preparado para tudo, mas o que eu vi me deixou muito assustado!

O meu chefe Nando, aquele homem forte e sempre alegre, aquele homem que eu ate comparava com o meu pai! Nada tinha sobrado daquela pessoa!

Como é que um acidente pode acabar assim com uma pessoa! Bem digo acidente porque não sei como chamar o rebentamento de uma mina !

O meu chefe parecia um fantasma, estava sentado á frente de um televisor onde esta a correr um filme infantil, acho que estava a correr a pantera cor- de- rosa eu curtia bué estes bonecos; a pantera as vezes faz com cada uma!

Quase que me esqueci do susto que apanhei ao ver o meu chefe, isso tudo por causa dos bonecos! Eu já não via televisão há muitos meses! Não entendo como é que no quarto do chefe Nando há um televisor!

 Deve ser por ele ser chefe. Possas até no hospital a chefia continua, e se assim não for então houve cunha!

O mais irónico é que o chefe esta cego, como é que vão colocar um televisor no quarto de uma pessoa que esta cega só mesmo nesta terra!

 Isso ate parece abuso, se alguém fizesse isso comigo estava lixado, eu já teria quebrado tudo.

Até ai eu não tinha dito nada e o chefe Nando também não disse nada, ele não me pode ver, mas as minhas muletas fazem muito barulho quando ando, ele vai notar a minha presença á não ser que ele também tenha ficado surdo e mudo! Já que as enfermeiras dizem que ele não fala pode mesmo ser possível ele ter perdido os três sentido!

 Por isso mesmo é que não entendo o sentido de ter um televisor no quarto dele!

Mas o chefe esta sentado em frente ao televisor e pelos vistos ele esta a escutar tudo , pois a cabeça dele esta mesmo erguida em direcção do som!

Eu ja ouvi dizer que os cegos conseguem ouvir melhor que as pessoas que veem!

 Os cegos são tipo morcegos, pois os morcegos também só voam no escuro, deve ser por isso que os morcegos se chamam morcegos!

Dentro da palavra morcego esta também a palavra cega!

Boa tarde chefe Nando resolveu falar com ele!

 Chefe Nando boa tarde; como é que o chefe esta ?

Sou o João, o seu guarda-costas chefe; Já não me conheces chefe João?

 Me responde só meu chefe, faz favor!

Não obtive resposta nenhuma; mas eu não quis desistir.

Chefe é eu o João; fala só comigo chefe; chefe os outros todos morreram, só eu e o chefe é que sobrevivemos, agora o chefe não quer falar comigo!

Os outros camaradas todos morreram chefe, por favor fala comigo!

Meu chefe sou eu, responde-me só faz favor!

Eu não estava acostumado a ficar de pé com as muletas tanto tempo, por isso comecei a sentir o cansaço nos braços e na perna!

Foi assim que comecei a chorar. De repente comecei a lembrar-me de todas as coisas que aconteceram naquela manha, antes do acionamento da mina, lembro-me agora de cada detalhe deste dia, lembro-me ate do cheiro da chuva que tinha caído na noite anterior!

O chefe João estava tao bem-disposto naquele dia os olhos deles brilhavam de tanta alegria. No nosso carro uns cantavam outros escutavam música bem alto, ninguém contava com uma emboscada ou coisa idêntica, todos nós sabíamos que o fim da guerra era apenas uma questão de dias, tanto é assim que nenhum de nós teve o cuidado de viajar com as armas na mão como era de costuma antes de ter havido os acordos de paz!

Ninguém de nós pensava em morrer, todos nós tínhamos planos para o futuro, um futuro sem guerra, um futuro sem novos mutilados um futuro sem armas  !

Todos nós tínhamos planos a longo prazo, nós queríamos viver!

Uns queriam logo depois de a guerra casar, outros queriam terrenos para se tornarem fazendeiros, ainda outros como eu queriam terminar os estudos e depois ir para a faculdade! O chefe João queria continuar no exército, ele diz que mesmo um pais sem guerra precisa de um exercito para salvaguardar a paz!

Este chefe tem com cada uma, como é que se pode salvaguardar a paz, paz é paz e guerra é guerra, não gosto nada de misturar as coisas!

Agora estou aqui em frente á porta do meu chefe e sem saber que atitude tomar!

O tempo foi passando e tenho a impressão de estar aqui á já uma eternidade ao lado de um mudo e surdo, e também cego!

Sem dar por mim comecei a sentir que as minhas lagrimas corriam pelo rosto abaixo e sem que eu pudesse controlar o que estava acontecendo; a minha emoção era demais, aquela pessoa que estava perante de mim não era a mesma que eu conhecera.

Comecei a dar soluços o choro era demais, não me importei de estar ao perante ao chefe!

Desde que fiquei mutilado descobri que quando choro a minha dor na alma diminui, eu choro mesmo tipo um puto; com baba e ranho!

Não quero saber se alguém me vê assim, sou mutilado por isso me concedo o direito de chorar deste jeito assim desesperado!

Nunca reflecti sobre a palavra desespero, mas agora vejo e sinto o efeito maligno desta palavra.

O chefe continuou sentado, assim mesmo tipo uma pedra, não mexia nenhum dos membros, e como os olhos estavam vedados não dava para ver se ele estava pestanejando!

 Pestanejar, será que um cego pode pestanejar!

Eu sou mesmo um estúpido, numa situação tao seria estou a pensar se um cego pestaneja,

O certo é que ele não dizia mesmo nada, foi assim que comecei a ficar cada vez mais preocupado, nem o meu choro lhe irritou, no fim o choro já tinha parado, tive mesmo de fazer um grande esforço para que os soluços continuassem!

Perdi a noção de quanto tempo é que eu ai estava, o noticiário das vinte já tinha começado!

O tempo ia passando e o meu estomago começou a dar horas, a fome era demais.

Achei muito estranho o facto de nenhuma enfermeira ter trazido o jantar.

Será que estavam todos com receio de nos interromper, pois ate o doutor estava com esperança de que o chefe assim que me visse começasse a falar!

 Deve ser por isso que ninguém bateu a porta!

Quando o noticiário iniciou houve uma pequena falha de energia, mas não demorou muito! Eu continuei de pé e a minha perna tinha começado a tremer de tanto cansaço!

Puxei uma cadeira e sentei-me, mesmo sem pedido permissão!

 Já tinha parado de chorar mesmo o esforço já não resultava, a fome ia aumentando por isso também perdi a vontade de falar com o chefe, comecei a perder a esperança de obter uma resposta, fiquei sem paciência e deixei de falar!

 Resolvi também ficar calado e a olhar para o televisor como ele; parecíamos dois patetas! Chegou a hora da telenovela que eu não via há tanto tempo, eu gostava bué desta telenovela, nunca perdia um episódio sequer, sempre que fosse possível.

Foi exactamente nesta hora da telenovela que a energia voltou a falhar mais uma vez, só que não tornou a voltar, eu continuei sentado, pois com uma perna só e de muletas não me quis atrever a andar no escuro, basta um tropeço para lixar a outra perna!

Foi assim que de repente o chefe começou a resmungar que nem um maluco.

O chefe começou a reclamar pelo facto de a energia ter falhado mas ele falava tao alto que ate fiquei com medo de que ele me fizesse algum mal!

Como é que um individuo que ficou tanto tempo sem falar abre a boca num tom tao alto!

Por outro lado fiquei aliviado, pois se ele notou que o televisor tinha parado é porque ele pode ouvir e isso de reclamar é porque ele não ficou mudo!

Continuei mesmo sentado sem mungir nem tugir, estava tão atrapalhado, nunca ouvi o meu chefe a falar tao alto, até nomes ele chamou!

Por um descuido meu, caiu-me a muleta da mão, fez tanto barulho que eu propio me assustou, entrei mesmo em pânico por causa disso.

Foi assim que ele falou comigo pela primeira vez, mas isso em tom mais manso!

João ainda estas ai desculpe, eu pensei que já tivesses ido embora, desculpa – me lá!

Que barulho foi esse? Parece que caiu uma cadeira, o que foi isso João?

Chefe isso foi a minha muleta, eu ainda não me acostumei á lidar com elas Chefe!

O quê, tu de muletas João, mas porque isso; como assim, partiste a perna João!

Não chefe não partiu a perna, a maka é maior chefe.

Como assim, porque é que estas a andar de muleta, explica-me la isso!

Chefe, o chefe não sabe o que aconteceu, nós tivemos um acidente chefe!

Sim, João eu sei que nós accionamos uma mina e que tu e eu sobrevivemos, somente isso é que me foi comunicado, graças a Deus tu estas vivo João!

Sim chefe, sobrevivemos, mas o preço foi alto, eu agora sou mutilado chefe e o chefe esta cego, devíamos ter morrido todos, o chefe não acha?

Chefe eu juro pela alma do meu pai que hei-de me vingar, eu vou me vingar mesmo!

Não vou querer saber de nada nem de ninguém, vai ser uma vingança de sangue.

Primeiro vou vingar a morte dos nossos camaradas, vou me vingar pela tua cegueira e vou me vingar por ter perdido a perna, não quero saber da merda da paz, que se lixe a paz!

Para mim essa paz não tem significado algum, para que é que serve a paz se estou mutilado!

Para que é que serve a paz se o chefe esta cego!

Vamos bondar todos que tenham uma ligação com o inimigo mesmo que seja á pena uma ligação de sangue, vão morrer todos, pequenos e grande, vão morrer!

Agora estão todos felizes a festejar a paz; deixa la meu chefe, eu sei onde arranjar material para fazer a minha nossa vingança pessoal!

Cada um que eu descubra como sendo do outro lado, vou lhe meter chumbo quente!

 Se lhes vou dar tiro nas pernas ou nos olhos, isso vai depender da distância!

 Não quero saber se depois me fuzilem, até seria um alívio para mim se alguém me matasse, assim não tenho de viver a vida de mutilado, isso mesmo, assim morro também!

Porque é que eu não pensei nisso antes, esta é a forma morrer mais rápido.

Sem dar por mim nem dei tempo para que o chefe Nando dissesse algo sobre a perda da minha perna, eu não deixei ele falar por causa do odio que sentia, foi assim que escutei o chefe dizer baixinho, de uma forma bem excitante!

João sente muito por teres perdido a tua perna, tu ainda és tao novo e agora isso!

Que aborrecimento, acredito que agora sintas muta raiva e ódio, tu estas desesperado entendo tudo isso; mas mesmo assim não tens o direito de te vingares; pois como tu próprio dizes a guerra já acabou, a vingança só trás uma outra vingança e isso nunca ajudou ninguém!

Nao te esquecas que a pessoa que tu vais atingir não é a mesma que é responsável pela mina que nós acionamos, quem sabe mesmo se a pessoa que colocou a mina também já esteja morta, uma mina pode permanecer anos e anos enterrada por isso esquece tudo isso!

 João se quer mudar algo então não penses em vingança mas sim numa forma de fazer com que os fabricantes de minas tomem consciência dos danos que elas provocam!

Esses sim, esses são os responsáveis por toda esta miséria em que nos encontramos .

 Isso de quereres fuzilar pessoas inocentes é mau, não pense em vingança João, promete-me isso por favor, faz isso por mim e por ti, não te vingues meu filho!

Imagino ser difícil para ti, eu sei que não será fácil viver o resto da vida somente com uma perna, pois ainda á meses estavam completo e agora isso, mutilado de um dia para o outro.

Mas acredita João, o teu futuro agora depende da forma de tu pensares!

Olha para mim, eu perdi a coisa mais preciosa que alguém pode perder!

A guerra não simpatiza com ninguém e pior do que a guerra são as minas!

O fruto da guerra sempre fora o sofrimento; nunca nenhuma guerra trouxe paz ou prosperidade, nunca uma guerra resolveu um conflito, guerra é guerra e o preço é alto.

Para mim existe dentro de uma guerra um mal que é pior do que todos os outros males, isso são as minas, as minas não assinam acordos de paz, as minas são tao ruins como os mosquito da malária, ninguém esta completamente seguros deles e por mais cuidado que se tome sempre encontram uma forma de sugar o nosso sangue, pois é, as minas não sugam, mas provocam um mal bem pior!

Até uma bomba atómica não chega a ser tão ruim como as minas que estão enterradas por aí a bomba atómica mata muita gente, mas explode de uma só vez e não se esconde na terra durante anos e anos à espera de uma vítima que por vezes nada tem a ver com a guerra, até mesmo os animais são vítimas da guerra e eles nada têm a ver com isso!

Quantas crianças são vítimas das minas, já reparaste quantas crianças mutiladas existem no nosso pai, quantos velhos, quantas mulheres estão sem pernas ou braços, e tu falas em vingança, contra quem é que tu queres lutar João, queres lutar contra o vento?

As minas continuarão a matar e a mutilar as pessoas e os animais, mesmo que a guerra tenha terminado e por mais cuidado que se tenha, este problema levará anos para ser resolvido!

Este é o tributo da guerra; graças aos fabricantes das armas sujas, graças aos senhores da guerra, hoje o nosso país vive em paz mais o mal continua adormecido e esperando apenas pela próxima vítima, esperando destruir sonhos e vidas!

Chefe João, o chefe é militar e fala que as minas são sujas, isso eu não compreendo meu chefe, assim então todos nós os soldados somos, ou quê??

João eu não disse que nós os soldados somos sujos, eu apenas digo que as minas são armas sujas e os seus fabricantes são assassinos de mãos limpas!

 Eu digo isso porque tenho noção de quão nocivas as minas são!

Angola não é o primeiro pai onde as minas fazem tantas vítimas, em todos os países onde houve guerra e se utilizaram minas como meio de defesa, existe o mesmo mal que em Angola, são milhões de mutilados, mulheres crianças velhos e jovens!

Eu digo que as minas são matéria de guerra suja porque elas não podem ser confiscadas!

Uma vez enterrada não há como desenterrá-la , a não ser que com muita sorte um sapador a descubra e mesmo este método também põe vidas em riscos!

Eu sou um general das forças armadas, mas condeno com toda minha alma o fabrico de minas, tanto faz as minas antis- pessoais ou as minas anti- tanque, Mina é mina, não importa o seu tamanho pois o seu fim é sempre o mesmo MATAR ou DESTRUIR!

Estes senhores fabricantes, deviam abrir um fundo que contribuísse para a reabilitação das vítimas de guerra, eles próprios deviam testar as minas antes de as vender!

 Tanto os fabricantes como os compradores, deviam contribuir para este fundo de ajuda e reabilitação!

 Eu não digo isso por ter também acionado uma mina João, eu não digo isso por estar cego!

Eu digo isso porque acho que é tempo que alguém faca algo para que o fabrico deste mal seja definitivamente proibido!

Tu e eu João, Nós pudemos ser os primeiros a iniciar esta luta:

Tu e eu seremos as portas vozes de todas as vítimas, pelo menos cá em Angola!

Graças à minha cegueira, agora abriu-se a luz do meu espirito lutador!

João; não te esqueças que a guerra só dá frutos podres!

A guerra é como uma doença, mesmo que a gente sobreviva esta doença deixa sempre marcas profundas em nosso corpo, deixa vestígios no sangue!

Algumas destas marcas são visíveis outras são invisíveis!

Muita gente aparentemente não mostra sequelas da guerra, porque não andam de muletas ou porque não ficaram cegas, mas acredite João, para além da carne, também o espirito sofrem, isso é muito mais difícil de curar, já que não existem muletas para a alma!

 Tu e eu temos as nossas marcas, as marcas desta doença chamada guerra!

Eu sempre quis ser soldado, ninguém me obrigou a ir para o exército, Tu foste obrigado mas eu fui livremente, sempre acreditei nos princípios que me foram ensinados!

Não penses que eu tenho rancor de alguém, não, eu já vi muita gente morrer; vi soldados meus morrerem, vi soldados do lado do nosso inimigo morrerem, pois o facto de ser inimigo não significa que estas pessoas não sintam também dor como nós, todos nós somos vítimas!
Agora que eu estou preso na escuridão perpetua, não me resta outra coisa senão rever o filme da guerra que passa pela minha cabeça!

Saiba que mesmo sendo cego, eu tenho imaginação e o meu espirito continua iluminado!

O pior em ser cego João é o facto de perder a noção de tempo, para mim só existe noite!

 Eu não quero que ninguém se compadeça de mim, apenas exijo respeito e quero ser tratado como um homem normal, compaixão é coisa dos fracos!

Eu não falo com os médicos nem com as enfermeiras porque eles me tratam como se eu fosse um atrasado mental, como se eu fosse um menino de cinco anos!

João, eu estou cego mas não sofri uma redução da minha capacidade mental!

Pelo contrário, desde que eu perdi a minha visão exterior tenho a sensação de que a minha visão mental aumentou, sim eu sinto e penso diferente!

João meu filho, não permita nunca que ninguém te reduza a nada por causa da tua deficiência física, somente se tu permitires serás reduzido, promete -me isso por favor!

Sim chefe João, eu não vou permitir que ninguém me abuse, quem abrir a boca leva com as muletas nas costas, vou bater mesmo com muita força chefe, isso eu prometo, depois da pancada já não vai abrir mais a boca!

A minha força nos braços chega para dar surra num burro que me abusa!

Lá estás tu outra vez a pensar em agredir as pessoas, isso não é força que tu tens.

Um poder destrutivo não é força, tu não podes sempre pensar na agressão física .

Usa a tua cabeça João, se a tua mente for forte ninguém te poderá magoar João, ninguém!

Desculpa só chefe, mas essa a forma que eu conheço de resolver as minhas makas!

 Mas olha só chefe se um puto vem atrás de mim e me chama de mutila não posso lhe dar com as muletas nas costas ou na cabeça, eu também já apanhei surra por isso!

Não João, se tu fizeres isso é porque já estás reduzido a nada!

 Tu tens de te tornar forte, mas não assim, ser forte não é andar as pancadas!

Não te esqueças do que eu te disse; nós seremos os portadores de uma grande causa, por isso tens de ser forte para lutar por essa causa, tens de mudar a tua forma de pensar!

Sê forte João; sê forte, e ser forte não é andar à pancada!

Ser forte é saber aceitar os impasses da vida, ser forte é saber ignorar as ofensas que ouvimos sobre nós, mesmo que no momento a nossa vontade seja de dar uns socos!

Ser forte é ter o poder de usar mais a cabeça e esquecer o punho fechado!

Quando fores capaz de ignorar alguém que te chame de mutilado então podes considerar-te forte, quando conseguires oferecer um sorriso a quem zombe de ti, então és forte!

Esta força invisível é que te fará crescer por dentro, esta força irá deixar os outros que queiram gozar-te, fracos e cheios de vergonha de si mesmo.

Muitas vezes somos ofendidos porque nós permitimos, somos magoados porque nós deixamos muito espaço na nossa vida para os fracos!

João os fracos provocam e os burros reagem!

João tu tens de ser forte, por ti, pela tua mãe e para a tua pátria, tens de ser forte para todas vítimas das minas, nós vamos lutar por uma causa muito importante!

Mas chefe Nando a minha pátria é que me fez ficar mutilado, eu não queria ir para a tropa, o chefe sabe disso, eu fui apanhado na rusga, implorei, chorei baba e ranho mas mesmo assim fui levado sem dó nem piedade, agora o chefe quer que eu continue a lutar pela minha pátria!

Isso é uma pátria de merda, e o chefe pode me explicar como é que se luta em tempo de paz e sem armas, eu odeio a minha pátria chefe Nando, a minha pátria é que é culpada desta desgraça toda em que a gente se encontra!

Se alguém me der uma perna nova eu vou esquecer este mambo de vingança e de ódio chefe!

Juro mesmo chefe, é só me dar a minha perna de volta que esqueço tudo.

João, tu foste apanhado na rusga mas a culpa é tua?

Tu mesmo disseste que antes de entrares na tropa era um grande kazukteiro, alguém te obrigou a ser assim, alguém disse tu tens de ser mal comportado?

Não venhas com a desculpa de teres perdido o teu pai cedo, porque com a morte do teu pai, devias ter te tornado mais responsável por causa dos teus irmãos mais novos e pela tua mãe!

Quantas pessoas é que tu achas que perderam os seus pais cedo João?

Imagina que todos os órfãos se tornassem maus como tu te tornaste; o que seria do nosso pai?

 São milhões de pessoas que não tem pai ou mãe, por vezes não tem nem pai nem mãe, mas estas pessoas não se tornaram rebeldes como tu!

João cada um é responsável pelos seus actos , sejam eles bons ou maus e saiba que mais tarde ou mais cedo cada um terá de pagar por eles .

Sim chefe Nando a culpa foi mesmo minha, mas mesmo assim eu não pedi para ser soldado. Se eu não tivesse ido para a tropa também não teria perdido a minha perna!

Uma pátria onde as pessoas são obrigadas a fazerem coisas de que não gostam isso não é pátria, não sei qual é o outro nome mas pátria isso não e se é então não preciso dela.

Mas João; pensa um pouco nos outros soldados que morreram, não sentes um pouco de gratidão por teres sobrevivido, não sentes gratidão por estares aqui a ser tratado, já imaginaste se fosses raptado com estes ferimentos, esta hora estarias a apodrecer vivo!

Achas que eles não tinham também sonhos como tu, achas que eles merecem ou mereceram o que lhes aconteceu, tu só lamentas, todo tempo lamenta, nunca ouviste falar de que tristezas não pagam dívidas!

Tu sobreviveste considera isso como uma vitória, como uma bênção João!

Chefe Nando eu sei, mas olha a minha perna, eu não posso fingir ser feliz mutilado!

Eu não sou assim como o chefe e outra coisa é o mambo da damas, quem é que vai querer casar com um mutilado, o chefe já tem mulher eu não, o chefe esta agora a ver a minha maka.

O chefe mesmo é bué forte na cabeça, agora entendo porque é que o chefe tem patentes!

Eu vou tentar mudar o meu pensamento quanto a vingança chefe Nando!

Peco só desculpa por falar sem pensar mas chefe o medo que eu tenho as vezes não me deixa pensar bem, na minha cabeça as vezes tem bué de confusão, um lado da cabeça tem coragem o outro tem medo, quando os dois lados se juntam fico até com muita dor de cabeça.

O chefe agora assim é tipo meu pai me ralha como o meu pai fazia mas também fala de bué de coisas fixes, eu sei que o meu pai me ralhava para me ajudar á ser alguém na vida.

Mas agora chefe, estou muito cansado, amanha eu volto para podermos conversar de novo!

Muito obrigada pela força que o chefe me deu, eu vou pensar em tudo que o chefe me falou.

Amanhã venho mais cedo e se o chefe quiser pudemos sair para dar um passeio lá fora, assim vamos fazer uma dupla, o cegueta com o mutilado.

João tu perdeste a tua perna, mas graças a deus não perdeste o teu bom humor!

Olha se tu quiseres podes pedir as enfermeiras que tragam as tuas coisas para este quarto, pois eu sei que tu gostas muito de ver televisão, assim podes ver todos os dias a tua telenovela; a mim só me interessa o noticiário, até porque eu preferiria ter um radio ao invés da televisão

A minha alegria era tanta que comecei a dar uns toques de Kizomba mesmo de muleta .

Mas quando me lembrei que ele estava cego parei e me senti um pouco triste por ele!

Ficamos a falar ainda durante muito tempo, falamos de tantas coisas. Foi nisso que notei que a energia tinha voltado, mas como o chefe está cego ele não deu por isso.

Disse ao chefe que a energia tinha voltado e que eu iria voltar para o meu quarto.

Eu saio do quarto para procurar por uma enfermeira que me pudesse ajudar a transferir a minhas coisas para o quarto do chefe Nando!

 Foi nisso que vi a Tia Maria e fui ao seu encontro!

Ela ficou muito contente ao ver-me assim tao bem-disposto!

Menino João! O que foi que aconteceu?

O menino parece uma outra pessoa; pelos visto a visita ao seu chefe fez-lhe bem!

Sim tia Maria; eu estou mesmo muito feliz!

 O chefe Nando é mesmo uma boa pessoa tia Maria eu dou graças a Deus por ter posto este senhor na minha vida, ele não é apenas um chefe, também é um grande amigo, bom conselheiro, dou graças a Deus por ele também ter sobrevivido, acho mesmo que foi destino que assim quis, sozinho não sei o que seria de mim, assim agora tenho uma luz que me vai orientar, não vai ser fácil, visto que nós os dois sofremos mutilações, mas vamos conseguir, um apoiando o outro e também temos as nossas famílias que nos amam!

Os bons e verdadeiros amigos também permanecerão ao nosso lado.

E sabe outra coisa Tia Maria, o chefe disse que eu posso ficar no quarto dele até eu ter alta!

Mas menino João o senhor Nando não fala com ninguém, nem mesmo com o médico!

A tia não vai acreditar, mas nós passamos horas á fio conversando, nós não paramos de falar.

Mas o menino precisa de pessoas que levantem a sua moral e não necessita de alguém que praticamente está mudo, mesmo que esse alguém seja o seu chefe!

A tia esta enganada, o chefe é a pessoa mais indicada para que eu pense positivo, ele só não fala é convosco porque vocês o tratam como deficiente, isso é tudo.

 Tia Maria, desde do meu acidente nunca me senti tão bem disposto como hoje, nunca alguém me deu tanta forca como o chefe Nando hoje o fez!

O senhor Nando falou consigo, isso só pode ser brincadeira menino João?

Sim, tia Maria!Nós passámos a tarde inteira a conversar.

Isso é inacreditável! Não entendo porque é que ele nunca falou com nenhum de nós!

Milagre, milagre, menino João, isso é um milagre!

Sabe que mesmo a esposa dele já estava a ficar desesperada por ele não falar!

Eu tenho de informa-la o mais rápido possível, que alívio menino João, que alívio!

Também tenho que informar o senhor doutor, pois nós estávamos a pensar que ele tivesse também perdido a fala. Isso é uma boa notícia graças a Deus!

Dito isso a tia Maria foi em direcção ao consultório do senhor doutor para contar-lhe a grande novidade sobre o chefe Nando!

Ela disse para não me preocupar com a mundana, ela iria mandar dois enfermeiros para fazerem a mudança e isso o mais rápido possível!

Quando entrei no meu quarto, apenas peguei no meu bloco e nos lápis de cor, enfiei tudo em um saco plástico e tornei a abandonar o quarto com o saco pendurado numa das muletas!

Saí do quarto sem problema nenhum, e o mais curioso de tudo, é que neste espaço de tempo não pensei mas na minha deficiência física!

 Pela primeira vez me vi como uma nova pessoa normal, eu era o João de antigamente!

Quando sai do quarto com as minhas muletas reparei na minha habilidade em lidar com elas achei mesmo graça a forma como eu caminhava com as muletas!

Estou mesmo a ficar profissional nisso de lidar com as muletas!

Sempre pensei que não fosse conseguir acostumar-me a elas, mas pelo que vejo, estou a dar bem conta do recado, penso que vou superar isso, vai demorar um pouco mas eu estou a voltar a mim, eu vou vencer e a vitória será minha!

Nunca pensei que fosse capaz de um dia me sentir assim feliz como agora, julguei mesmo que a minha capacidade de sentir felicidade tivesse sido extinta!

 Pensei que me fosse tornar numa pessoa amarga!

Vejo agora que apenas estava tudo á depender da pessoa certa da hora certa e da conversa certa! Como se diz a pressa atrapalha, eu andarei devagar para não atrapalhar.

Quando penso que esta pessoa que foi capaz de levantar assim a minha moral é alguém que jamais voltará a ver a luz do sol, nunca mais verá o luar nas suas noites mais claras, jamais verá uma flor brotar, jamais verá os passarinhos no céu infinito!

Este homem que perdeu a luz dos seu olhos em defesa de uma pátria que ele não verá crescer, este homem inabalável, este homem sem ódio nem mágoas, este homem para mim é um verdadeiro herói, sim ele é um herói e merece o respeito e admiração não só de mim mas de todos nós. Quantos destes heróis andam por aí de uma forma anónima.

Isso me deixa ainda muito grato e admirado, o chefe João é o meu Super-homem!

Não consigo entender como é que uma pessoa pode ser tão forte!

 O chefe Nando está cego, mas não se sente nem um pouco desesperado, sinto ate um pouco de vergonha por ter pensado em me suicidar!

O chefe perdeu a visão e mesmo assim faz planos para o futuro ate pensa nos outros!

Ele quer ajudar-me á mim e também aos outras vitimas da guerra em particular as vitimas das que sofreram acidentes de minas!

 Ele disse que iriamos ser nós a iniciar o combate as minas, já que as minas não assinam acordos de paz e nem respeitam a paz!

Seremos nós os mensageiros, pois alguém tem de iniciar, alguém tem de dar o primeiro passo e fazer o mundo ver e tomar consciência dos danos nocivos que as minas causam!

Os países que fabricam minas têm de ser punidos!

O fabrico de minas tem de ser proibido e punido!

A minha mente esta tão ampla que ate já tenho uma ideia sobre  nosso slongan !

Amanhã mesmo hei-de desenhar o nosso slogan!

Queira Deus que o meu entusiasmo não seja passageiro, mas com o chefe Nando por perto não temo cair de novo em uma depressão!

 Sei que ele me dará forca quando for necessário e eu juro que o ajudarei em tudo quanto for possível, darei o melhor de mim para o não desapontar.

Pois amigo não é só para rir, amigo também é para chorar juntos!

Sei que nem sempre será fácil para mim, terei dias bons e dias maus, mas eu quero arriscar e apostar na felicidade mesmo sem uma perna!

Sei que muitos mudarão de caminho ao me verem assim sem perna ou quem sabe um dia com perna -de -pau, mas eu não vou desistir!

Não posso condenar ninguém por não saber lidar com o sofrimento, porque eu também precisei de tempo para aceitar a minha situação de mutilado!

Eu tive sorte de ter encontrado alguém me que tirou do buraco da depressão onde eu me encontrava, pois só faltava mesmo terra por cima de mim para me considerar como morto!

Sei também que nem todos têm esta sorte de ter alguém que lhes dê força.

Também não poderei condenar um outro mutilado por agredir alguém que o abuse, pois é muito duro ficar assim, mas o mais duro ainda é ver alguém zombar de nós!

Nós os mutilados de guerra não nascemos assim e não pedimos para que nos fosse amputado um membro, muitas das vezes fomos operados quando nos encontrávamos num estado entre vida e morte, sem poder de escolha, pois a missão de um médico é salvar a vida do paciente! Nestes casos também não é possível o cirurgião informar o paciente da sua desgraça, só nos damos conta disso depois, é duro acordar de um sono narcótico e verificar que nos falta uma perna, um braço ou mesmo acordar e não ver nada apenas o escuro da vida!

A revolta é muita, não vou negar, é algo terrível!

 O primeiro sentimento é de raiva, ódio, desespero!

Depois vem a tristeza, a incapacidade de reflectir direito, muitos de nós não saiem nunca mais desta fase e cometem muitos danos a si ou à sociedade!

 Muitos outros ficam presos ao ódio e à revolta!

Também tem aquela fase em que só se tem vontade de morrer, apenas morrer, é como se a morte fosse uma solução, os que não conseguem sair desta fase em geral concretizam os seus planos assim que abandonam o hospital!

 Eu sei como é isso tudo, passei por estas fases e muitas vezes fui rude para com as pessoas que me cercam e com os que me amam.

Eu quero provar á mim que sou capaz de muito mais, sou capaz de conseguir tudo aquilo que pretendo e vou abraçar os meus sonhos vou beijar o céu com a minha imaginação!

Eu e o chefe Nando mostraremos ao mundo que ser deficiente físico não é a mesma coisa que ser um deficiente mental, isso sem querer ofender ninguém!

Vou trabalhar no nosso projecto com toda minha forca!

Amanha mesmo vou começar o meu nosso trabalho!

Eu vou desenhar uma anjo caído, sim um anjo sem uma asa, um anjo que foi vítima de uma mina, quem sabe assim até Deus lá em cima nos ajude!

 Nunca quis saber muito sobre Deus, porque tinha outras coisas mais importantes na vida! Mas desde do sonho que tive com o meu pai, os meus pensamentos mudaram um pouco; acho que não prejudica ninguém crer em algo bom e Deus é bom!

 Não foi a dor nem o sofrimento que me fez mudar de ideias, foi o sonho que tive com o meu pai, foi a conversa que tive com uma pessoa cega!

 Pois se existe uma possibilidade de ver o meu pai depois de morrer, então não quero desperdiçar esta possibilidade.

Os anjos voam por isso não accionam minas, mas também sei que se um dia um anjo resolver andar pelas matas do meu pai ou num outro lugar onde este mau nocivo existe e accionar uma mina, aí sim!

Aí deus olhará por nós as vítimas das minas!

Fotografia de Filomena Barata, Angola 2010

Responses

  1. Parabens Anabela pelo texto tão lindo.Conseguiu transmitir as angustias, receios que por todos eles passaram, o estigma que outros ainda vivem. O relato que ele faz da vida , o sentimento de culpa, a vergonha, tudo tão real… Continue a brindar-nos com as suas histórias.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: