Publicado por: Filomena Barata | Novembro 19, 2012

João Pessoa, UM ANÃO NO SAMBIZANGA

UM ANÃO NO SAMBIZANGA
Autor: João Pessoa

Ali à entrada do Sambila, próximo da estrada que vai para o Cacuaco, há uma pequena casa de família, que como é típico, tem um quintal ao lado, onde há galinhas e porcos. Esta que eu quero descrever, além de casa de família, tinha também uma dependência, com porta para a rua, que servia de Bar, com capacidade para seis ou sete mesas. Ali serviam-se Cerveja, gelada dentro do possível, jinguba, feijoada, servida em pratinhos como aperitivo e com muito jingungo.

O chefe de família, o velho Kalukembe, fazia luxo em servir com qualidade e por isso a sua casa começava a ter fama nas redondezas. De tal modo, que era muito difícil encontrar uma mesa livre.
Em frente, havia um descampado, onde se costumava organizar grandes espectáculos populares. E também, grandes farras, onde se dançava, até às quatro ou cinco da madrugada.
Aliás, aquele descampado serviu, no tempo próximo da dipanda, quando, naquela época, se atravessava um período difícil de criminalidade, para julgamentos populares e respectiva, execução. As autoridades daquele tempo decidiram fazer um julgamento exemplar, para travar os homicídios por ladrões que não hesitavam em matar só para obter as bikuatas que queriam roubar. Foram apanhados seis assassinos de homens e senhoras, todos moradores ali no bairro ou nas redondezas.

Foram condenados à forca!

Nesse dia, Kalukembe, fechou a portas e janelas. Fechou as janelas de vidro, os estores e as portadas de madeira que ficavam por dentro. E ainda correu os cortinados. Apagou a luz e mandou os miúdos brincarem no quarto, autorizando-os a fazerem todo o barulho que quisessem. A mulher, podia ficar na cozinha, mas sem abrir a porta, nem sequer ir lá fora. Ele foi para a sala com o sogro. Sentaram-se, cada um no seu sofá. Ligou o rádio e estava a cantar o Dionisio Rocha com os seus Negoleiros do Ritmo. Ouviu e acalmou-se um pouco mais. Logo a seguir, começou a cantar o velho Elia Dia Kimuezo, era o seu grande ídolo de miúdo. No intervalo, entre uma música e outra, ainda ouvia gritos lá fora, mas ele tudo fazia para abafar toda aquela tragédia. Põe o som no máximo, o sogro, já bastante surdo, pensou que era por causa dele e agradeceu-lhe. Foi quando começou a cantar o Sabú e a mandar o seu charme musical habitual.
Veio a noite e Kalu fez saber a toda a família que não queria conversas sobre os enforcamentos. Na verdade, ele não sabia se eram enforcamentos ou fuzilamentos, porque a certa altura escutou tiroteio durante algum tempo. Seja como for, ele não queria saber de nada. Apetecia-lhe esconder a cabeça na areia, para não pensar no assunto.
Passados estes anos todos, ali o largo, continuou a ser o local de convívio popular.
Agora era o circo.
Montavam uma grande tenda onde apresentavam malabaristas, palhaços, mágicos e animais amestrados.
Os altifalantes, debitavam mega decíbeis, anunciando os seus artistas.
Agora, convém dizer que era bastante amigo da família de Kalukembe, o que quer dizer que havia sempre mesa livre para mim.
Eu saía da fábrica de confecções e tecelagem, onde era gerente, por volta das cinco e tal e, regra geral, antes das seis, já lá estava.
Tinha sempre uma pequena conversa com o meu avilo Kalukembe, e rapidamente, dentro do possível, servia uma Nocal fresca. E digo, dentro do possível, porque a energia eléctrica, faltava com muita frequência. O mais-velho, o Kalukembe, ou Kalu, como também era conhecido, tinha sempre celhas cheias de gêlo, para manter frescas as cervejas, mas quando a luz demorava a chegar, bebia-se assim mesmo!

Eu ficava acompanhado na mesa, por colegas da fábrica e que moravam ali perto, para saborear uma boa conversa, onde falávamos dos mambos do dia.
Desde que o circo estava ali montado e que começava o espectáculo por volta das oito da noite, eu notava que, de tarde, aparecia um individuo, pequenino, com uma bengala, onde se apoiava, e bebia a sua cerveja. Ficava de pé, sózinho, sem conversar, olhando para o chão, com semblante triste. Triste e preocupado. Era o Anão do circo. O artista do grupo de palhaços, pensava eu.
Um dia, ele entrou, eu, como estava só, na mesa, convidei-o para se sentar. Ele aceitou.
E começou a conversa de circunstância. Como se costuma começar qualquer conversa sem rumo. Perguntei-lhe se morava ali no Sambizanga. Aquela pergunta, parecia uma torneira que eu tinha aberto. O Anão, começou a falar e a contar toda a sua vida. Dava a impressão, que tinha vivido isolado no mundo e que, de repente, tinha chegado a um povoado, cheio de gente, onde ele podia falar à desfilada.

“Não senhor, eu nasci no Saurimo, mas depois, por causa da guerra, fui para o Huambo. No Huambo, conheci um Namibiano e fui para Windhoek e ali, o dono dum circo quis contratar-me e eu aceitei. Então passei a ser o Homem-bala. De princípio eu tive medo, mas a vontade de sair da miséria era tanta, que aceitei imediatamente. Quando me disparavam, eu no ar, sentia-me voar para a nova vida. De tal modo me sentia bem que, no ar, eu fazia o meu corpo, parecer uma bela ave, voando para a liberdade.”
Eu interrompi-o, só para lhe dar oportunidade de ele respirar e então, disse, “julguei que fizesse parte do grupo de palhaços.”

“Na verdade há outro anão no circo e esse é palhaço. É mais importante que eu. Quer dizer, era! Na verdade, as pessoas começaram a gostar mais de mim e eu comecei a ser o artista mais pretendido. Mas, infelizmente, qualquer dia vou ser despedido.”
Despedido?, porquê?, perguntei espantado. Então, estão a gostar tanto de si…
Eu ainda não disse, mas o anão chama-se Karbolovulokiala. Por questão de princípios, não gosto de gozar com ninguém! Mas, olhei para o anão, tão pequeno, mas com um nome tão grande, que tive de fazer força para não mostrar cara de gozo.

Deixem-me tratá-lo por “Karbo”, para simplificar as coisas. Ele já ia em quatro ou cinco Ekas, a cerveja que ele gostava. Começava a arrastar as palavras. Eu achava que ele tinha que parar, eu então o canhão ficava sem munição…
Ele, não me respondeu logo. Olhou para o chão, limpou o nariz com as costas da mão e bebeu mais um gole.
Então, de que tem medo?, insisti.
Ele olhou para mim, depois olhou ao redor, parecia ter medo que o ouvissem e balbuciou algo que não percebi nada.
Desculpe KarbolovuloKiala, (conforme pronunciava o nome, esforçava-me por parecer natural)não entendi.

“Estou a crescer!”, disse-me ele quase ao ouvido e já deitando um bafo de cerveja, capaz de embebedar qualquer um!

De facto, um anão só tem emprego num circo por ser pequeno. Quanto mais pequeno, melhor.
“Estou a crescer quase todos os dias!”
Verdade?, mas olhe que eu tenho-o visto há uma semana todos os dias e não noto nada.
“Mas eu sei!”disse perentoriamente!
Karbo, deixe-me tratá-lo por Karbo, pode ser?
“Claro!”
Olhe, você vá descansar um pouco, porque logo tem trabalho e você não pode faltar. Aí, sim, pode ser despedido. Ele concordou e foi embora, pegando na sua bengala de madeira e cambaleando um pouco.
Fiquei a matutar no assunto e em conversa com Kalukembe, contei a estória do anão. “Eh pá, ele já é kota e bem kota, já não pode crescer!”

Tens razão, deve ser um problema na cabeça do sócio KarbolovuloKiala! (ao pronunciar o nome, o velho Kalu, começou a rir bué e não conseguia parar) Sabes como é são estas coisas desta gente diferente. Têm complexos que chega! Vamos tentar ajudá-lo, coitado. Vamos medi-lo todos os dias, que dizes?
“Boa! Vou fazer umas marcas na parede com a fita métrica.”

Bem, o circo tem sido um sucesso há meses.Todos os dias com enchentes e o Homem-Bala era o maior sucesso. Mas Karbo, continuava triste apesar de nós o medirmos todos os dias e nem um centímetro crescia! Aliás, fizemos a marca da altura dele e da bengala.
“Como pode ser isso, se eu sinto a bengala mais baixa e o Maló nota que eu estou mais alto?!”, quase que gritava com desespero!

Óh pá, isso é outra coisa! Já podias ter dito!- com o convívio, já nos tratávamos por tu! Esta conversa fazia-me pensar noutra coisa entre os anões. Os sapatos, têm sempre um salto muito alto, para disfarçar a sua pequena estatura, por isso eles usam duas bengalas; uma mais alta, para fora do circo, outra, mais baixa, para quando estão no circo.
Karbo, tu achas que o Maló está mais alto que tu?
“Claro, ele já fez a medição várias vezes, no quarto onde dormimos os dois e ele está mais baixo que eu!”
Bem, nesse caso, estás a crescer, não há dúvida!
Kalu olhou para mim e fez uma careta, dando a impressão que duvidava. Quando Karbo se foi embora para o trabalho, perguntei ao Kalukembe o que ele pensava.
“Então pensa comigo, nós há quase um ano que medimos o kamba Karbo todos os dias e ele não cresceu nem um milímetro, como é que o outro está mais baixo que ele? Só se é o outro que está a minguar, o que não acredito. Portanto, aqui há coisa…”
Fazia sentido isto! Fui para casa pensar no assunto.

No dia seguinte, Karbo não apareceu. Nem nos dias seguintes.

Um dia cheguei ao Bar, um pouco mais cedo, porque lá na fábrica não se pôde trabalhar, porque a luz faltou e não voltou. Mais um dia sem trabalho, mais prejuízo para a nação. Sentei-me na mesa habitual com os meus colegas e esperámos pelo pitéu para pancarmos.
Veio o velho Kalukembe, a disparatar com a mulher porque ela estava a demorar a fazer a feijoada e o pessoal à espera. Ele sentou-se connosco e ficou ao meu lado enquanto o empregado veio atrás dele com a cerveja para todos. “Hoje vamos beber, como está, melhor não há!”, rimos todos com a piada dele. Não perdi tempo e dei-lhe uma cotovelada para ele olhar para mim e disse-lhe que era preciso falar do Karbo.

Entretanto D. Maiomona, trouxe a desejada feijoada. Cheirava que era uma delícia. Enquanto nos servíamos, vejo pela janela que ficava à minhha frente, o pequeno Karbo, quase sem bater com bengala no chão, muito sorridente, atravessando a rua na nossa direcção.
Ao entrar, mandei-lhe uma boca chata, daquelas que não dão tempo de pensar, “não me digas que agora encolheste!”, ele e os outros olharam para mim como que a reprovador o que disse, enquanto eu fazia um sorrizinho estúpido, metendo o gargalo da garrafa, como se isso trouxesse a palavra já dita.
KarbolovuloKiala, com o ar mais feliz de sempre, falava a gritar, tal era o entusiasmo.
“Descobri!, o sacana do Maló, invejoso do meu sucesso, estava a tentar que eu fosse despedido. Ele estava a serrar, de vez em quando, a bengala, para eu pensar que eu estava a ficar mais alto.”
Mas nós avisámos-te que não estavas a crescer!, nós medimos-te, nós sabiamos!
“Pois, mas ele não aguentou a pressão e notou que vocês me ajudaram cada vez mais, e sentiu que a qualquer hora seria descoberto”.

Eh pá, isso não pode ser meu kamba, tu mesmo disseste que ele estava mais baixo! Portanto, não pode ser, não venhas agora endrominar-nos.
Karbo, olhou para nós, bebeu uns bons goles, com um à-vontade nunca visto. Todos ficámos à espera, ansiosos, da resposta dele. Ele levantou-se, isto é, colocou-se em cima da cadeira, e disse com voz grave e calma:

“Também serrava os tacões dos sapatos dele.”

Não gosto ·  · Não seguir publicação · há 8 horas


Responses

  1. great. lista de emails lista de emails lista de emails lista de emails lista de emails

  2. Li pela segunda vez, João e voltei a gostar. Abraço


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: