Publicado por: Filomena Barata | Agosto 10, 2011

Álvaro Silva, Quantos destes minutos

Magoito. Portugal 2011. Fotografia Filomena Barata

 
Quantos destes minutos de espera
se transformaram em horas de desespero
por tão grande espera.

Procuro e não te encontro,
… meu desespero
é dor que não acalma,
é sentir que me lacera

Corre o tempo
passa a vida
vem a melancolia sentida,
e os ais suspirados ao vento
são levados para longe
para as terras além do oceano,
para as terras do meu amor.

a suave carícia do vento na noite fria
refresca o meu rosto
e consola minha alma dorida
na modorra do tempo
o cansaço,o sentir, a saudade e a vontade
escondem-se no cerrar das pálpebras.
mergulho na escuridão do meu sono.
e sonho com o lindo rosto da minha amada
entre a alva espuma das águas do mar.

Alto Dondo 00.25′ 10 de Agosto de 2011

Álvaro Silva.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: