Publicado por: Filomena Barata | Junho 11, 2011

José Amor, anti génese

 
anti génese

Ouço as coisas que passam
quando o vento do norte assola o canal
e,
…às vezes,
na esquina do vento sul,
torna-se brisa, vaga de dédalos.

Serás folha morta de um outono
Noite aluada despojada de contornos

Serás como uma mosca
que agita o sossego de uma pessoa à hora da sesta

Serás a metáfora destilada
A rima da palavra mar

Um dia

serás o acaso
ou a continuidade
dos pontos cardeais de um poema qualquer
perdido na madrugada—

Manuel C. Amor
Horta 2011

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: