Publicado por: Filomena Barata | Abril 7, 2011

José Carlos Moutinho, Deste tempo de nada

José Carlos Moutinho

Deixa lá colocar mais um poeminha, Filomena:

Deste tempo de nada

Sou o mar bravio da minha inquietude,
Enrolo-me nas ondas do desassossego,
Afundo-me nas águas tumultuosas,
Da ansiedade em mim.
Agito-me na busca da calmaria,
Que se afasta como um pesadelo
E entro na bruma do desespero.
Abraço-me ao desejo,
De encontrar a luz protectora,
Que me liberte do nada em que me sinto.
Debato-me com os pensamentos,
Perturbadores de um estar,
Perdido no âmago do meu ser.
É o caos alucinante de uma mente,
Delirante pela incerteza,
Do tempo presente,
E insegurança do futuro.
Confunde-me o bater dos segundos,
Em cada minuto, que se multiplica nas horas,
Dos dias céleres e meses que voam
Dos anos que passam, num ápice,
Deste tempo de nada.

José Carlos Moutinho

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: