Publicado por: Filomena Barata | Março 8, 2011

Dia da Mulher, Isabel Lousada

Mulher. Fotografia PP

Amanhã é Dia da Mulher! Será simbólico, bem sabemos. Importa, antes de mais, ter consciência de que a possibilidade de reflectir sobre essa realidade, que nos fez chegar até ao dia da Mulher, leva a pensar nos moldes em que a conquista se processou (e se vem processando). Como estamos em espaço assinalado ANGOLA-PORTUGAL lembro o modo como se estabeleceram alianças, fecundas, por parte de mulheres notáveis, sobretudo atendendo à época. Lembro hoje, aqui em particular Domingas Lazary Amaral e Adelaide Cabete. Angola, que foi terra de acolhimento, em fases de exílio forçado, ou procurado, por parte de tantos e tantas, em 1928-29. Quando ruma a Angola, Adelaide Cabete parte em busca de um espaço de liberdade, em que a sua humanidade pudesse servir a Humanidade. Procura Luanda e aí exerce, mobiliza, convoca. Lembremos no Dia da Mulher, essas outras que nos antecederam e sem as quais não estaríamos hoje cientes do muito que falta ainda percorrer nesta estrada! Também Pinto Quartin rumará a Angola .. foram homens e mulheres de garra, que quiseram expressar a sua convicção de que os Direitos Humanos devem ser salvaguardados! Homens e mulheres percorrendo os caminhos da igualdade, trilhados com sacrifícios, com sofrimento tantas

Fotografia Filomena Barata, Setembro 2010

vezes para que outras tantas os proclamássemos e os pudéssemos viver em celebração e júbilo! Dia da Mulher, sim! Gostaria de pensar que não há homens maus, há homens infelizes! Não há mulheres más, há mulheres infelizes! É nosso dever, homens e mulheres em luta pela felicidade abrir caminhos na procura da compreensão, da entreajuda! Lamber feridas se for o caso, mas dizer não a toda e qualquer violência, seja ela de que ordem for. O desejo, a admiração, a vontade, contra o desânimo, a impotência e a coação! Seres livres em demanda! Dia da mulher, proclamando a urgência em tornar o desamor em amor, a inveja e mesquinhez em fraternidade. O filho do homem é o filho, da mulher e do homem, e só será capaz de se realizar em relação. Humanidade somos tu e eu e todos nós, num acto contínuo de amor; arrancando o que desprezamos e votando-o ao que repudiamos e rejeitamos. Elegendo o que sonhamos que será um futuro arrancado ao desespero, num lema de esperança. Valores, diferentes muitos, com certeza, mas numa convicção de que há valores inquestionáveis qualquer que seja o ponto do universo em que nos encontremos. Filhos dos nossos filhos, como nós, procurando pontes, encontros rumo a um mar maior – o da esperança, em cada dia que ajudamos a construir. Saiba cada um (a) de nós ser construtor (a) do dia que nasce! Dia da Mulher, Sim!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: