Publicado por: Filomena Barata | Março 4, 2011

Lunda Norte

“Eu sempre fui apaixonado pela Lunda, aliás digam o que disseram os sábios da cidade, Angola nasce na Lunda. Todos os povos passam pela Lunda, os Bantu vêm na sua migração pelos grandes lagos e a entrada é pela Lunda. Em termos de poder a Lunda molda todos os regimes de poder dos povos em Angola. Hoje em dia até a estatuária que representa o país é dali. A minha obra começa por lá.” – Pepetela.
Ao que se sabe, e segundo informação de Tomás Gavino Coelho, Lunda quer dizer ´«Terra da Amizade».
Publicada por  Fernando Arrais Duarte
LUNDA NORTE

CAPITAL: Dundo
ÁREA: 103.000 km2
POPULAÇÃO: 270,000
MUNICÍPIOS: 9 – Tchitato, Cambulo, Chitato, Cuilo, Caungula, Cuango, Lubalo, Capenda Camulemba, Xá Muteba; CLlMA: tropical húmido
PRODUTOS PRINCIPAIS: agrícolas – arroz, mandioca, milho;
minerais – diamantes; outros – pecuária
DISTÂNCIAS EM KM: Luanda 1.175 – Saurimo 135
INDICATIVO TEL.: 2522.


«No passado era, provavelmente, povoada por povos pigmeu, que nos dias actuais estão voltados mais ao norte do país. Esses habitantes foram deslocados por diversas tribos bantus, em sua migração ao sul, ocuparam a totalidade de Angola.
A medida que os bantus foram se afastando uns dos outros, novos dialectos começaram a surgir, dando início a novas tribos.
A região entre a Lunda-Norte e a Lunda-Sul, assim como parte da República Democrática do Congo era conhecida como Império Lunda, na região vivem diversas tribos, sendo a mais famosa delas os Côkwe. A província da Lunda-Norte foi criada, inicialmente, com o objectivo de produção de diamantes, ela faz parte das antigas regiões Norte e Nordeste da Lunda. A capital instituída foi o município de Lucapa e uma nova capital seria construída na região do Mulepi, mas após a morte do ex-presidente Agostinho Neto esse projecto foi abandonado.
Os primeiros diamantes em Angola foram registados no ano de 1912, após dois geólogos da empresa Forminière encontraram 7 diamantes no ribeiro Mussalala. Neste mesmo ano foi formada a Companhia de Pesquisas Mineiras de Angola, na qual as primeiras explorações mineiras foram localizadas através do rio Chicapa e, também, seus afluentes.
Em Outubro do ano de 1917, criou-se a Diamang.
No ano de 1971, a produção de diamantes atingiu o seu recorde, com uma soma de 2.413.021 quilates. Alguns anos depois, no dia 4 de Julho de 1978, a província do Lunda-Norte foi oficialmente criada pelo governo angolano. No mês de Janeiro do ano de 1981, a empresa Endiama foi criada, que substituiu a Diamang em 1988. No ano de 1997, a capital de facto da província passou a ser o Dundo, por possuir uma estrutura administrativa melhor que a cidade de Lucapa.
Economia
O Lunda-Norte possui uma grande indústria mineira, com a extracção de diamantes e ouro. No ramo animal, a província possui uma forte pecuária. A construção civil também é um ramo forte na região, no actual momento, estão construindo uma nova cidade na região chamada Novo Dundo.
Educação
Sector que sentiu um forte efeito da guerra, grande parte de sua estrutura (escolas, universidades), foram destruídas. Com isso, o número de escolas na região ainda é pequeno em relação ao número de habitantes. Há um esforço do governo para tentar recuperar ou construir as escolas e universidades da região. A região possui uma escola técnica denominada Instituto Médio Politécnico 28 de Agosto do Dundo e uma Universidade, ambas ficam na capital, Dundo.
Segundo o Ministério de Administração do Território da Lunda-Norte a actual situação da região é de um grande número de crianças ainda fora do sistema escolar (28.000), o número de salas é insuficiente para a demanda, a quantidade e qualidade dos professores ainda é insuficiente, o que causa a queda na qualidade do ensino da região, por fim, a maior parte da população activa tem o nível de escolaridade muito baixo, também precisando retornar a escola para recuperar a escolaridade.
Geografia
A capital, Dundo, está a 1510km de Luanda, O clima da província caracteriza-se por ser tropical húmido, com uma temperatura média de 27ºC por ano e o regime de chuvas pode ser até torrencial. A média das chuvas é de 1.400 mm, sendo que a quantidade máxima é de 1.500 mm e a mínima de 1.200 mm.
Inicialmente a capital era a cidade de Lucapa, mas no ano 2000 a capital de facto da província passou a ser o Dundo, visto que a cidade possui um maior traçado arquitectónico, dimensão e importância económica. Há alguns quilómetros do Dundo está sendo construída uma nova capital, com o nome de Novo Dundo, a previsão de término de sua construção é o final do ano de 2012.
A província possui a altura relativa a nível do mar é de 1400m até 700m, sendo que 1000m no interior e de 800m nas fronteiras, em alguns locais como o nordeste da província (onde estão localizadas as nascentes dos rios Kuango e Kassai) a altitude pode alcançar até 1400m. Do nordeste para o sudeste a altitude pode diminuir até 700m.
Existe uma grande quantidade de mamíferos de grande porte, de aves, répteis e peixes e na província»
A partir de Wikipédia
—————————————

Lunda Norte

Lunda Norte
Lunda Norte

«Terra de mistério antigo, parece ter sido primitivamente habitada pelos pigmeus, hoje encontrados um pouco mais a norte, na região dos grandes lagos. Esses primitivos habitantes viriam a ser deslocados definitivamente pelas várias tribos bantu que na sua migração para sul ocupariam a totalidade do território de Angola.

Lunda Norte
Lunda Norte

Para além do rio Lalua. viviam várias comunidades de um povo vindo do nordeste – os bungos – subordinados a chefes, que, não obstante independentes, ouviam e respeitavam o mais velho chamado lala Mácu, estando assim em embrião a formação de um novo estado, o da Lunda ou Runda.

Lunda Norte
Lunda Norte

Este velho laia foi agredido, um dia, por dois dos seus filhos Quingúri e lala – quando embriagados e dessa agressão sobreveio-lhe a morte.

Antes de morrer, porém, indicou sua filha Lueji como sucessora e pediu aos outros chefes que a amparassem e aconselhassem, visto ser ela ainda nova e inexperiente, evitando que os irmãos se apoderassem do lucano (bracelete insígnia usada pelo chefe).

Precisava Lueji de escolher um homem para pai dos seus filhos, mas não o encontrava do seu agrado, até que nas suas terras apareceu um caçador de nome llunga, filho de Mutumbu, potentado da Luba, que foi o escolhido e o progenitor de Noeji, o primeiro Muatíânvua.

As divisões no novo estado cedo começariam com Quinguri que não querendo sujeitar-se à autoridade da irmã e do estrangeiro a quem ela se unira, deliberou com alguns parentes mais afeiçoados abandonar as suas terras e ir organizar, longe dali, um novo e forte estado, cujas forças pudessem mais tarde vencer as do Muatiânvua.

Outro grupo descontente, chefiado por Andumba, partiria mais tarde para com as gentes de Quinguri se juntar.

Lunda Norte
Lunda Norte

No seu caminho para oeste viriam a encontrar, no entanto, forças hostis que provocaram alteração na rota inicial, havendo então um retrocesso para leste, espalhando-os até ao rio Cassai e dando origem a diversas tribos que tomaram o nome dos rios nas margens dos quais se estabeleceram. A esta gente os lundas designavam por aioco, que se pode interpretar por expatriado, e tal palavra evoluiria para quioco.

Sentindo Lueji o novo estado do Muatiânvua ameaçado pelos de Quinguri, que entretanto ia aumentando de poderio, mandou expedições de gente armada – as chamadas “guerras”, comandadas por parentes de absoluta confiança, em diversos rumos, a fim de ampliar os seus territórios e sujeitar outras tribos à sua obediência.

Por este motivo, para ocidente, foi Andumba, seu primo, a quem deu o título de Capenda Muene Ambango, que se demorou próximo ao rio Luachimo, atraindo a si outras gentes, sempre em ligação com a Mussumba.

Pela sua morte, ali, sucedeu-lhe sua sobrinha Mona Mavoa, que continuou o avanço para poente, chegando ao rio Cuango. Dela descendem os Capendas: Capenda-ca-Mulemba, Capenda-Malundo e Capenda-Cassongo. todos estabelecidos ao longo deste rio

Lunda Norte

Reconhecida em 1907 a existência de diamantes nos vales de alguns rios que, correndo em Angola. penetram no Congo Belga. previu-se que o rico mineral existiria. também em território angolano e por tal motivo fundou-se a Companhia de Pesquisas Mineiras de Angola, à qual fora dada concessão para esse fim e que em 1913 fez avançar para a Lunda uma expedição chefiada pelo seu representante em Luanda.

O então capitão de artilharia António Brandão de Melo. Partindo de Camaxilo para leste, chegou ao rio Luachimo e aí estabeleceu uma estação que serviria de base aos reconhecimentos a efectuar e para se ligar aos engenheiros vindos do Congo Belga.

A descoberta dos primeiros diamantes em Angola, foi registada em Novembro de 1912 quando dois geólogos da empresa Forminière encontraram 7 diamantes no ribeiro Mussalala, tendo sido no mesmo ano constituída a PEMA (Companhia de Pesquisas Mineiras de Angola).
As primeiras explorações tiveram lugar no rio Chicapa e seus afluentes.

Lunda Norte
Lunda Norte

Em Outubro de 1917 foi criada a DIAMANG que registou no seu primeiro ano a produção de 4. 110 quilates. A produção bateria o seu record em 1971 com 2 413 021 quilates. Em Janeiro de 1981 foi criada a ENDIAMA que substutuiria total e definitivamente a Diamang em 1988.

 

A divisão administrativa de hoje divide as Lundas em duas Províncias:

A Lunda Norte com a capital em Lucapa e;

A Lunda Sul, em Saurimo.

O sector dos diamantes de Angola tem sido dos mais afectados pela situação de guerra e posterior instabilidade que o País tem atravessado. A Região das Lundas tem sido das mais afectadas. O preço da guerra provocou uma comercialização anárquica e em grande escala fomentada por numerosos dealers ilegais que catalizaram o desenvolvimento não só da garimpagem, mas também o desvio de importantes quantidades de diamantes para o exterior do País, em total prejuízo para o Estado.

O Programa de Estabilização do Sector dos Diamantes (PROESDA) deu origem às Leis 16/94 e 17/94, que complementando a Lei Quadro 1/92, definem a orientação para o sector.

Assim, a Endiama, deixando uma situação de controlo absoluto, associou-se a vários parceiros na propecção e pesquisa de diamantes. Os povos lunda-quiocos herdaram fabulosa riqueza etnográfica e a sua escola esculturica é das mais notáveis de toda a África. Estes povos construíram uma civilização ara além das fronteiras de Angola, conhecidos internacionalmente por Tchokwe. A arte Tchokwe foi disseminada por coleccionares pelos cinco continentes e está presente nos maiores museus».

Fonte: www.consuladodeangola.org

Arte Tchokwe – Lunda Norte. Máscara quioca.

Kissange. Fotografia Margarida Rosa Morais.


Responses

  1. Quem conhece a sua história envita a não cometer os mesmos erros.
    Portanto, o artigo foi muito intensamente interessante, gostaria pois de um sobre a Igreja Católica do Dundo e a Divisao entre Lunda Norte e Lunda Sul.
    Grato.

  2. […] por Filomena Barata ⋅ Janeiro 19, 2012 ⋅ Deixe um Comentário    A partir de: https://aeppea.wordpress.com/2011/03/04/lunda-norte/   “Eu sempre fui apaixonado pela Lunda, aliás digam o que disseram os sábios da cidade, Angola […]

  3. […] por Filomena Barata ⋅ Janeiro 21, 2012 ⋅ Deixe um Comentário    A partir de: https://aeppea.wordpress.com/2011/03/04/lunda-norte/   “Eu sempre fui apaixonado pela Lunda, aliás digam o que disseram os sábios da cidade, Angola […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: