Publicado por: Filomena Barata | Março 29, 2010

Luz (em Fernando Pessoa)

Vila Nova de Milfontes, Fotografia de Filomena Barata

Publicado por Filomena Barata

O espaço indefinido é da noite par;
A luz é só ilhas nesse mar sem costa;
Mas noite é menos que luz em nosso pensar,
No valor que lhe damos tal como se mostra.

O mundo é o silêncio: o som astros contém,
Vida é lagos mortos como ermo devastado;
Assim quando noite, silêncio e morte ferem
Nosso sentido, o infinito é alcançado.

Quando da cidade o sono sem lua então
Me acorda para um senso terrível de estar
Rente ao saber, me vem uma funda intuição
De poder, pela alma, a verdade captar,
Pudéssemos despir as vestes do sentido
De termos luz, som e vida conhecido

Fernando Pessoa, Poesia Inglesa

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: