Publicado por: Filomena Barata | Junho 15, 2009

>Canto a Noite

>

Canto a noite
calo o grito, morderia os lençóis
Alvos? Não, que neles mora o que sou
o suor, o choro que não chorei, mas que neles se derramou.

Canto os sonhos que matei,
mas, ainda assim, todos os dias, os que inventei
as histórias que em insónias abertas consegui imaginar
canto-te a ti, apenas porque te criei

Veias, que as segurem garrotes
pois nelas corre sangue capaz de explodir
derramando-se em cálices que teus mantos mancharão

Canto-te a ti noite que tragas os minutos
onde se segreda a ânsia a oiro gravada
de tudo fazer renascer

Sonho-te a ti ainda, por entre as minhas mãos
e por tal não pedirei autorização a nada ou a ninguém

A ti ainda PP.

Anúncios

Responses

  1. >Que bonito Filomena!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: