Publicado por: Filomena Barata | Maio 22, 2009

Filomena Barata, Em Salacia oiça falar de Arqueologia (reed.)

>




Salacia foi sempre um “tampão” … quem a controlasse tinha na sua mão um rio, o estuário, o mar por perto e a serra por trás de si.

Já de ocupação pré-romana (lembro o escaravelho que denuncia trânsito orientalizante); as orantes e os guerreiros da Idade do Ferro e as lindíssimas cerâmicas de bandas pintadas), Roma tornou-a ainda mais forte. Uma cidade plataforama.

A Idade Média, quer a islâmica, quer a cristã consumaram a necessidade de assumir aquele território como fonte inesgotável de recursos e como sítio estratégico para qualquer dominação.

As Clarissas, séculos mais tarde, deram-lhe uma feição mais contemplativa, ficando delas rosários e contas, cruzes, linhas de bordar e doces que ainda hoje se podem provar em Álcacer do Sal

Em 2008, inaugurou a cripta arqueológica do castelo, podendo visitar-se agora as estruturas arqueológicas e os objectos trazidos aos nossos dias pelas escavações aí promovidas nas últimas décadas.

Esperemos que todos que a visitem consigam ter deste local a boa impressão que ele me causou.

E que venham a ler o roteiro: «Castelo de Alcácer do Sal – Cripta Arqueológica».

Cumprimento a equipa que acompanhou o projecto e o consórcio da Administração Central com a Autarquia que permitiu a viabização do programa. Estão, para mim, todos de parabéns.

Num local privilegiado como o castelo de Alcácer, de ocupação milenar, deseja-se que o aproveitamento turístico (que a Pousada aí construída pode ajudar a consumar) dos vários pólos museológicos de Alcácer possa contribuir para que esta região tenha, de novo, um papel axial.

E que o Sado que banha a cidade seja o seu lugar central!

Se fôr a Alcácer, aproveite e visite a cidade romana sua vizinha, Miróbriga, Santiago do Cacém, de onde se controlava também a Serra e o Mar.

http://mirobriga.drealentejo.pt/

http://mirobrigaeoalentejo.blogspot.com/

ET: Aproveito este lugar para fazer uma homenagem aos arqueólogos que trabalharam durante anos em Alcácer, designadamente António Cavaleiro Paixão, Esmeralda Gomes, Frederico Tatá (a que a exposição da cripta do castelo tanto devem) e, em particular, a João Carlos Faria que tão cedo nos deixou e que tanto dedicou à sua terra natal.

À Marisol pela coragem que tem demonstrado e por ter sabido fazer da perda uma recordação permanente, arrumando gavetas e continuando!


Responses

  1. >Eu…fico siderada.É só o que sei dizer.Bjinhos, parabéns, a todos os que tornam possível a leitura desta nossa História e suas pegadas.

  2. >Fico contente pela divulgação da Cripta Arqueológica no seu blog. A Cripta é um espaço muito bonito e agradável. Visitá-la é viajar no tempo. A equipa está de parabéns. Obrigada Filomena

  3. >Quem me dera poder visitar-te, mesmo sabendo que discordarias de mim quanto ao Marat.

  4. >Ócios do ofício! Sou uma formiguinha curiosa!Uma coisa lhe garanto, Alcácer é dos sítios mais fantásticos do Alentejo e a sua história é quase tão longa como a história do Mundo.

  5. >Estou um pouco curioso…Como é que teve acesso à cripta se ela permanece fechada ao publico… só com abertura prevista para ABRIL

  6. >Ainda bem que te lembraste logo de pôr as tuas impressões da cripta arqueológica aqui! Aquilo vai ser um sucesso!!! bjs


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: