Publicado por: Filomena Barata | Fevereiro 3, 2009

>O vento, o Alento e o Alentejo (rred.)

>
Hoje lembrei-me do Alentejo. Muito. Não sei se foi porque o vento não havia maneira de sossegar.
Desse Alentejo que, para além de paredes brancas, onde se escrevem as letras do cante, e das histórias de moiras encantadas e de encantar, também tem, em certas noites de chuva e de luar, fantasmas que se querem na planura passear, invadindo voraz as searas, as melhores plantações de trigo ou de tremocilha.
Dizem alguns que já os viram, ou ouviram, que uivam como o vento, quando em árvores nodosas se vão aninhar.
Mas o Alentejo tem, para tudo isso e para o demais, umas estranhas rezas, umas lengalengas, umas benzeduras que, ditas de certa forma, os fazem afugentar.
E depois, raiando o Sol, fica apenas campo para o dia de Sol se poder definitivamente instalar.
Dos fantasmas que querm ameaçar apenas ficará um estranho e indelével rasto no chão …

Anúncios

Responses

  1. >que bonito textocris


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: