Publicado por: Filomena Barata | Novembro 26, 2008

História de Portugal, Oliveira Martins (Pub. Filomena Barata)

>

 

«Não se imagine, porém a mulher da Idade Média um ser apenas formado de crueldade e amor; menos se suponha que D. Teresa uma semelhante criatura. A condessa, infanta ou rainha de Portugal – porque de todos estes títulos usou – era também sagaz e astuta, qualidades que o filho veio a herdar com o sangue. Não tinha o ânimo varonil de uma amazona, mas tinha a perspicácia e juízo próprios dos príncipes desses tempos. Sabia moderar a cólera e engolir afrontas como a de Viseu, quando não podia vingar-se delas. O amor traduzia apenas uma exigência dos sentidos, deixando livre e independente a acção da inteligência. No meio das agitadas circunstâncias do seu governo, não deixou abandonadas as conveniências próprias, como dona e senhora do Estado português».

 

(A propósito de D. Teresa, mão do primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques).


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: