Publicado por: Filomena Barata | Novembro 24, 2008

Filomena Barata, A vida como experiência (I): O que tem a chantagem de comum com a corrupção (reed.)

PORQUE A SEMANA COMEÇOU,
MAS NEM ASSIM TANTO MUDOU COMO DEVIA MUDAR

Reedito esta reflexão após alguns episódios conhecidos sobre eventuais corrupções em empresas de Arqueologia (que em nada diferem afinal de tantas outras conhecidas em Portugal), para grande pena minha que assisto ao desenrolar de acusações e contra-acusações públicas, contra o que foram os princípios que nortearam e moldaram o crescimento da disciplina) e porque vejo ainda, doridamente, como certas formas de pressão pessoais e profissionais podem funcionar.

Independentemente do que o futuro possa vir a revelar sobre este caso, é um facto que vão sendo do conhecimento de todos nós múltiplas situações em que as pequenas (e grandes) corrupções vão minando a sociedade portuguesa e suas instituições, sem que sejam tomadas as devidas medidas para as combater …
E, mesmo quando alguns de nós as denunciamos, quantas vezes assistimos aos casos acabarem por ser arquivados numa “gaveta” qualquer!

– Reeedito-a também como um manifesto, porque já a vida já me ensinou que há momentos em que temos que tomar duras (e doridas) decisões, obrigando-nos a escolher claramente num sentido e não noutro, motivo que originou ter perdido a paciência e tolerância para determinado tipo de formas de coerção escamoteadas, para joguinhos de pressão emocional ou profissional e para chantagens.

– Reedito-a ainda como um hino à vida, porque, ainda assim, há que a saber continuar, com mudanças, contrariedades, desilusões, mágoas. Ela está aí. Vale a pena ser vivida da melhor forma e da forma mais clara possível.

Também ainda reconheço o sabor amargo que pode ter, quer profissionalmente, quer na vida pessoal, o ser confrontado com ameaças verbais e escritas, seja de colaboradores ou requerentes mais “exaltados”, algumas das quais chegando ao ponto de fazer insinuações sobre a nossa saúde física, melhor dizendo, sobre a vida ou morte, ou mesmo, no que respeita a aspectos mais pessoais, em que tentam enveredar pelo mesmo tipo de admoestação física e psicológica, uma coisa posso dizer:

1 – Quem usa a chantagem (ou corrupção) como arma sempre a usará, se sentir que o método acabou por resultar;
2 – Quem cede à chantagem, à pressão física ou emocional, ou à corrupção uma vez que seja, ficará sempre prisioneiro dela, porque, subjacente ao dito no ponto 1, ficará ao sabor de quem a usou e que sabe que acabou por funcionar.

3 – Não se pára a chantagem (ou a corrupção) com outra chantagem (ou corrupção)como resposta. Estanca-se, isso sim, enfrentando-a, sem medo sem pavor. Há que a saber enfrentar.

O que a chantagem e a corrupção têm em comum é exactamente o facto de se algum dia delas ficarmos aprisionados, consciente ou inconscientemente, muito dificilmente delas nos conseguirmos libertar.
Até nós próprios ficaremos acorrentados desse tipo de metodologia, privando-nos de enfrentar a vida de outra maneira.

São ambas gulosas, como uma droga, que vai querendo mais e mais, fechando-nos cada vez mais nas suas teias de maquinação.
Por isso, repito, a única forma de sermos capazes que nunca se apossem de nós, não é pactuar, entrando no seu jogo, ou de as recear, omitindo, escamoteando, efabulando com contorcionismos que cada vez se vão aproximando de tais metodologias (que apenas, como estratagema, mais não pretendem do que a isso nos querer conduzir), mas, pelo contrário, é sermos capazes de as enfrentar e de com elas definitivamente saber romper.

Sem medo nem tolerância.


Responses

  1. Recordei-me hoje deste texto escrito já há três anos, pois nessa altura tive via telemóvel, pela segunda vez na vida, ameaças através de telemóvel, quer de índole física, quer legal. usando quer msn, quer de “viva voz”.
    Até aí apenas as tinha conhecido através de cartas anónimas remetidas por requerentes menos satisfeitos ou mesmo exaltados com decisões sobre a impossibilidade de construir em áreas limítrofes a zonas classificadas.
    Nesta altura conhecia assim o travo de ameaças físicas e legais de índole privada, cujo conteúdo ainda guardo, pois era já possível enviá-las através do telemóvel para um mail, ciente que ficarão com os seus autores.
    Registei aqui sem rodeios, porque a memória existe e a ameaça ou a chantagem têm que ser denunciada.

  2. >Dar bons salários aos funcionários com responsabilidade em “mexer” em milhões, é uma das soluções para se diminuir drasticamente a corrupção no Estado. Quem recebe bem, tende a proteger o seu salário e a não deixar-se seduzir pelo dinheiro sujo. O mesmo acontece com a classe política, cujos salários são ridiculamente baixos e apenas assim são mantidos por populismo.Hugo

  3. >As vagas!!!E que pena, que o óculo do lucro fácil, da fama efémera, transtorne quem haveria de ser mais lúcido.Que força precisa para não nos submetermos.Eu, que nem gosto de “surf” a não ser a ver.Bjinho


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: