Publicado por: Filomena Barata | Novembro 22, 2008

>O Inumano, Jean-François Lyotard (reed.)

>
A domus é uma mónade: «um modo do espaço, do tempo e do corpo».

Quando mudamos de casa alteramos toda a relação do espaço doméstico, social, religioso, físico. E, até encontrarmos um novo lugar, onde se reanimem o «ritmo e a rima», andamos perdidos entre objectos sem ambiente.

Talvez por isso há sempre alguns objectos que são os últimos a mudar: para que as nossas referências não se percam totalmente.

Segundo Lyotard «A linguagem doméstica obedece ao ritmo. Contam-se: as gerações, os meios ambientes, as estações, o juízo e a loucura. A narração faz rimar o início e fim, cicatriza as interrupções. Cada um na casa encontra o seu lugar e o seu nome, e os episódios anexos. O seu nascimento e morte também se inscrevem, irão inscrever-se no círculo das coisas e das almas consigo próprias.»

Mas, também por isso, às vezes é bom mudar os deuses de lugar, acautelando, contudo, que os mesmos mantenham sempre acesa a luz que os deve acompanhar.

Uma coisa sei, nesta que é a minha, sinto-me bem, acesas as velas aos Lares.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: