Publicado por: Filomena Barata | Setembro 21, 2008

>Descobrimento, Herberto Helder

>


(…) Aquela era uma cidade do norte, notava-se bem, uma cidade flamenga. A que vinha o nome francês de Anvers? (…) Abriam-se algumas ruas da estação. Perto a praça. Depois da praça, outras ruas, outras praças. A névoa enchia os caminhos, e as pessoas passavam como fora da realidade, apareciam e desapareciam tão pouco humanamente que se duvidava tivessem um quotodiano, a esperança, que morressem, nascessem, morressem. Compreendeu logo que tudo ali seria muito difícil e, por conseguinte, só ali valeria a pena procurar. Procurar o quê?
(…)
Teria um propósito, parecia não vacilar sob as luzes que começavam agora no meio do nevoeiro. Os anúncios luminosos pulsavam: era o corpo da cidade; e essas figurações vivamente entalhadas na noite, essa escrita brusca, renascida, eram indecifráveis para um intruso. Entendemos tão pouco dessas belezas bárbaras da civilização. Ele era apanhado, com o doloroso propósito da descoberta, nas pistas inextrincáveis de uma cidade do norte (…).

H.H., “Descobrimento”, in Os Passos em Volta

A ti, obrigada, por, estando hoje aqui, no mesmo sítio, me fazeres redescobrir «Os Passos em volta» e, com ele, as cidades que outrora sonhei conhecer.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: