Publicado por: Filomena Barata | Abril 10, 2008

Filomena Barata, As minhas geografias afectivas – o jardim do Campo Santana, Lisboa

>

Será todos os dias surpreendente. Ainda há velhos nos bancos, fazendo a batota possível. Têm nas mãos trémulas cartas já desgastadas e nos bolsos moedas e notas para gastar.
Ainda há patos e ganços sacudindo das penas as águas sujas do lago.
Ainda há inscrições rememorativas dos combatentes de Portugal.
Tais heróis liberais que viram findar o Portugal de D. Miguel, mortos na praça que lhes foi fatal.
Ainda há a mesma esplanada que, sempre decadente, parece não querer mudar.
Ao longe o castelo, sobranceiro, ainda nos continua a espreitar.
Do outro lado, o Torel, o jardim mais bonito de Lisboa, espraia-se até à Baixa deixando ver do alto como a cidade pertence, de facto, às suas sete colinas.

Hoje só por lá passei a correr …

Anúncios

Responses

  1. >Que bom Mariposa, espero que haja mais.

  2. >O Campo de Santa Ana, porque ali também havia o convento, é até hoje um lugar de poder e de prática de cultos.Está cheio de vida, apesar de sucessivas feridas urbanísticas: galos que correm atrás de outros, gansos em procissão, caudas de pavões curiosos, e muitas espécies diferentes de árvores, como as paineiras, as casuarinas, o magnífico Pinheiro Manso, etc…Ora aqui temos uma afinidade geográfica.susana


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: